Observatório dos Agrotóxicos: no meio da pandemia, governo Bolsonaro aprova mais 21 produtos técnicos

chuvaEm plena pandemia, o governo Bolsonaro aprova mais produtos altamente venenosos para uso na agricultura brasileira, incluindo o polêmico herbicida Dicamba

Para quem pensa que a crescente pressão internacional para que o governo Bolsonaro adotar medidas de proteção ambiental serviu para arrefecer os ânimos dentro do Ministério da Agricultura comandado pela “musa do veneno”, a ministra Tereza Cristina (DEM/MS), melhor pensar de novo. É que a edição Oficial da União publicado no último dia 09 de julho trouxe no seu interior o Ato No 39 de 06 de julho de 2020 por meio do qual foram liberados 21 novos agrotóxicos na forma de produtos técnicos (aqueles que são base para a produção das mais diversas formulações) para comercialização no Brasil, elevando o total de agrotóxicos liberados em 2020 para 206 (o que completa a impressionante quantidade de 709 agrotóxicos liberados em pouco mais de 18 meses de governo.

agrotóxicos bolsonaro

Agrotóxicos liberados pelo governo em 2019 e até 06 de julho de 2020*

Dentre os agrotóxicos liberados pelo Ato No 39  está o polêmico herbicida Dicamba, da multinacional alemã Bayer, que está proibido pela justiça dos EUA, mas que foi autorizado neste ato para importação junto à empresa indiana Gharda Chemicals Ltd.  Além do Dicamba, outro composto proibido, mas agora pela União Europeia, é o inseticida Bifentrina, este produzido por outra empresa indiana,  a Bharat Rasayan Limited. 

Aliás, o Ato Ato No 39 tem duas características interessantes: 1) a primeira é que India e China monopolizam a produção dos agrotóxicos, com 11 e 10 produtos sendo produzidos, respectivamente, nestes dois países,  e 2) o fato que 42,8% dos produtos liberados possuem princípios ativos proibidos pela União Europeia. Entretanto, o Dicamba que ainda vendido legalmente na União Europeia, está como já foi apontado sob intenso escrutínio pela justiça dos EUA por causa dos danos causados em cultivos que não são geneticamente manipulados para serem aspergidos com este herbicida originalmente produzido pela Bayer.

Outro “proibidão” que teve uma novo produto aprovado é o inseticida neonicotinóide Tiametoxam a quem tem sido relacionado efeitos danosos à saúde das abelhas, sendo considerado em determinados círculos como um “bee killer” (ou em bom português, um assassino de abelhas).  

Mas os problemas não param nos agrotóxicos já citados, pois 18 dos 21 produtos são considerados como altamente tóxicos para o meio ambiente. Por outro lado, dada a nova forma de classificação adotada pela Anvisa, o grau de toxicidade desses produtos para a saúde humana ficou escondido por detrás da curiosa definição “O perfil toxicológico foi considerado equivalente ao produto técnico de referência”. Isto equivale a efetivamente não informar qual é a toxicidade dos mesmos.

Como se vê, a sede por agrotóxicos venenosos por parte do latifúndio agroexportador parece ser mesmo infinita. O problema é que com essa enxurrada de agrotóxicos altamente venenosos, em breve as pressões sendo feitas contra o desmatamento na Amazônia, em breve também incluirão o nível de resíduos dessas substâncias nas commodities agrícolas. Isto sem falar no fato de que desmatamento e intensificação do uso de agrotóxicos são uma espécie de “Rômulo e Remo” do agronegócio brasileiro.

Quem desejar acessar a planilha contendo os agrotóxicos liberados pelo Ato No 39, basta clicar [Aqui!], enquanto que para baixar a planilha completa para o ano de 2020, basta clicar [Aqui!].

 

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s