A floresta tropical do Brasil está queimando como não fazia há muito tempo: 7766 íncêndios só no estado do Amazonas

O governo Bolsonaro anunciou que trabalharia para proteger a floresta tropical. Mas, aparentemente, isso foi apenas conversa fiada. Dados de satélite mostram que o número de incêndios na Amazônia continua aumentando.

Brände im Amazonas-Gebiet in Brasilien

Fogo na região amazônica no município de Novo Progresso, estado brasileiro do Pará. Foto: Andre Penner / dpa

O estado brasileiro do Amazonas tem quase metade do tamanho da Alemanha. Nele encontra-se grande parte da floresta tropical da região, a vasta área é monitorada do espaço há anos. Dados confiáveis ​​sobre o estado dos pulmões verdes do planeta são importantes. Agências espaciais como a NASA ficam de olho na área, mas o inventário do espaço é do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). E , finalmente, os relatórios dos especialistas não foram nada encorajadores : já havia relatórios dramáticos em junho e julho sobre o alto número de incêndios na região.

Também neste mês, os dados de satélite comprovam uma tragédia: as imagens do Inpe mostram nada menos que 7.766 incêndios no estado do Amazonas entre 1º e 30 de agosto. Este é o valor mais alto para este mês desde o início da pesquisa em 1998.

A estação seca nesta região vai de julho a novembro. Agosto é geralmente considerado um dos meses mais secos. No entanto, a floresta amazônica não pega fogo sozinha. De acordo com especialistas, a maioria dos incêndios é iniciada para fornecer terras para agricultura e pecuária.

Muitas queimadas ocorrem ao longo das estradas da área. Os produtos feitos com o auxílio das áreas desmatadas são exportados para diversos países, inclusive para a Europa. Assim, um estudo recentemente mostrou que nas exportações brasileiras de carne bovina cerca de 17 por cento para alimentar os animais relacionados à soja da ex-floresta tropical e savana se originam em áreas desmatadas ilegalmente.

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em alemão e publicado pela revista Die Spiegel [Aqui!].

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s