O mundo pós COVID-19

psot covid

*Por Marcelo Souza

Hoje, bem que gostaria de ter uma bola de cristal ou alguma espécie de poder para conseguir prever o que acontecerá nos próximos 6 seis meses, mas infelizmente, ou talvez felizmente, não vivemos nas telas de Hollywood. Então só nos resta uma análise dos dados disponíveis e a observação de macro tendências, a fim de elaborar uma predição de como será o mundo pós COVID-19. Na última década, em especial, estávamos vivendo um momento de profundas transformações, uma onda de mudanças jamais vistas, batizada pelo professor Klaus Schwab em 2010, como a quarta revolução industrial. Desde a maneira como compramos, nos entretemos, nos relacionamos, negociamos, registramos ou nos movimentamos, para citar somente algumas áreas, presenciamos a desmaterialização de ativos e tudo, ou praticamente tudo que queremos e precisamos, passou a estar na palma de nossas mãos, a um clique.

Surge uma nova era, a das startups, empresas de garagem que geram valor de mercado, antes inimagináveis, com pouquíssimo capital inicial, incomodando sólidas organizações bem posicionadas no mundo dos negócios. A década de 2020 inicia-se com grande expectativa, como sendo a primeira da nova era: a quarta revolução industrial. Havia muita expectativa para esse novo período e quando tudo parecia tecnologicamente em escala exponencial, surgiu uma ameaça biológica, um vírus que, assim como os unicórnios corporativos, possui uma escala de crescimento exponencial. A partir disso, percebemos que toda a nossa tecnologia, alta capacidade de processamento, capital, governos e recursos vastos, não foram capazes de deter a sua impressionante e global evolução.

Nos dias que antecederam o shutdown do Brasil, assim com os primeiros dias posteriores, o sentimento de angústia e vulnerabilidade profunda, foram únicos e nos vimos em meio à um mar revolto com poucos recursos. Contudo em um momento de profunda reflexão, um slogan surge e nos descreve como sendo capazes de continuar avançando, não importa a tormenta. Dos ovos quebrados se faz um omelete, então sempre haverá oportunidade e em meio às crises, onde todos estão no mesmo barco, surgem novos negócios e maneiras de ver e viver a vida. Sem dúvida alguma, a COVID-19 marcará o mundo e atuará com o um catalisador para acelerar ainda mais a quarta revolução industrial.

Novas tendências ficam claras para o pós COVID-19, principalmente voltadas para social mídia, educação, trabalho remoto, liderança, conectividade, solidariedade, família, economia circular, capitalismo social e meio ambiente. Essas são algumas das áreas sobre as quais é possível predizer grandes mudanças.

Mídias sociais

As mídias sociais, ganharam ainda mais relevância e estão presentes na vida de quase todas as pessoas. O encapsulamento levou os mais avessos à tecnologia a mergulharem nelas e com as plataformas na palmas das mãos, se tornaram consumidores e geradores de conteúdo, consumidores e vendedores dos mais diversos tipos de produtos. As hashtags deram força às opiniões populares.

Educação e Trabalho Remoto

Já era realidade para setores como tecnologia e serviços, mas agora ganha uma escala sem precedentes. Percebemos que não é necessário estarmos todos juntos e no mesmo lugar para gerar valor reuniões se resumiram em um e-mail, dias de trabalho e viagens se compactam em uma rápida conversa virtual, sem contar as aulas dentro de seu quarto ou na varanda de casa. Sem dúvida seremos mais eficazes, o que nos gerará mais tempo para outras atividades.

Liderança

A COVID-19 levará as habilidades de liderança a um novo patamar, à liderança sem contato, por direcionamento aos resultados, sem registro de pontos, sem sessões de trabalho, mas com reuniões muito mais produtivas, eficazes, ágeis e inclusive, muitas vezes, via plataformas.

Conectividade

Estará vivendo todo o seu esplendor, mudando a dinâmica de tudo e todos, com previsão de um mundo conectado em sua totalidade até 2022, acelerando radicalmente tudo a nossa volta. A singularidade Homem – Máquina e a inteligência artificial apoiando a inteligência emocional será cada vez mais real por conta da COVID-19. O que ainda para muitos era mero entretenimento, ganhará uma conotação de essencialidade e ferramenta de sucesso para os negócios.

Solidariedade

A pandemia instaurada no mundo e o isolamento estão gerando uma grande consciência social e solidariedade com o próximo. Todos os dias é possível observar novas iniciativas de apoio aos mais vulneráveis. Concorrentes atuando juntos para produzirem itens necessários como máscaras, álcool em gel, equipamentos hospitalares. Cessar fogo em regiões de conflitos armados, crenças distintas agora juntas. O inimigo é comum e perigoso, não há tempo para brigas. A COVID-19 deixará um legado de um mundo com mais consciência e preocupação com o próximo.

Família

O shutdown que nos forçou ao isolamento e nos conectou mais, mesmo que nesse momento via plataformas, com pessoas com que temos maior vínculo e nossas famílias, esse contato aliado à essa sensação de vulnerabilidade e risco de perda, muda a ótica de performance, carreira e resultados. De que adianta excelentes números sem as pessoas que de fato são importantes para minha vida?

Economia Circular e Capitalismo Social

Ponto que desde 2016 durante o Fórum Econômico Mundial, vem ganhando força. O chamado caminho do meio, entre as teorias da economia, ganhou na quarta revolução industrial a energia necessária para escalar e erar valor com outras primícias. A COVID-19 irá catalisar modelos de negócios como compartilhamento, pensamento social, repúdio à obsolescência programada, preservação de recursos naturais e o setor de serviços. O pensamento passará a ser: para que possuir se posso usufruir?

Meio Ambiente

A Itália que vem sofrendo severo impacto com a COVID-19, registra queda de 40% em suas emissões atmosféricas. Em Veneza é possível contemplar a beleza de águas cristalinas em seus famosos canais, ao ponto de ser possível ver peixes nadando serenamente. Segundo a Agência Internacional de Energia (AIE), o consumo de petróleo registra forte redução. Praias no litoral paulista e nordestino do Brasil passaram a ser novamente local de visitação de tartarugas marinhas. A interrupção da rotina como estávamos acostumados, está colaborando para a redução de emissões atmosféricas, que geram o aquecimento global. Somente na China, o resultado já supera as 100 milhões de toneladas de emissões de dióxido de carbono, CO2, economizadas, sendo uma redução mundial de 6%. A queda de dióxido de Nitrogênio, NO2, nas últimas semanas chega a 39% em escala mundial.

Após a COVID-19 é claro que o mundo nunca mais será o mesmo em relação a diversos aspectos como hábitos, valores, consumo, relacionamento e meio ambiente. A percepção do mundo e de vida não será mais a mesma. Infelizmente, foi necessário sermos assolados por uma pandemia, sofrer a perda de vidas humanas para poder mudar nosso mindset e ver que somos mais frágeis do que imaginávamos, mas que existem outras formas de conduzir nossas vidas, que o que se perde no fogo, se acha nas cinzas.

*Marcelo Souza é CEO da Indústria Fox, pioneira na reciclagem de refrigeradores com destruição dos gases do efeito estufa.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s