A participação acionária da BlackRock em frigoríficos desafia a sustentabilidade na Amazônia

pasto 1

  • A BlackRock, maior gestora de ativos do mundo, tem US $ 408 milhões investidos, por meio de vários fundos, nos três maiores frigoríficos do Brasil que operam na Amazônia.
  • Essas participações estão em desacordo com a posição declarada da BlackRock de buscar investimentos ambientalmente sustentáveis, visto que os frigoríficos – JBS, Marfrig e Minerva – estão intimamente associados ao desmatamento na Amazônia.
  • Especialistas dizem que o tamanho da participação da BlackRock nessas empresas pode ser decisivo para forçar os frigoríficos a adotar práticas livres de desmatamento.

Por Fernanda Wenzel, Pedro Papini e Naira Hofmeister

A gestora do fundo de Wall Street, BlackRock, administra 2,2 bilhões de reais (US $ 408 milhões) em ações dos três maiores frigoríficos brasileiros que operam na Amazônia hoje. As operações de compra e abate de gado da JBS, Marfrig e Minerva envolvem 6,9 milhões de hectares (17 milhões de acres) de terras com alto risco de desmatamento . Isso coloca os investimentos da BlackRock em desacordo com sua própria retórica pública dos últimos anos, na qual se posicionou como líder na priorização do setor financeiro de critérios ambientais, sociais e de governança (ESG) ao decidir onde investir o dinheiro de um cliente.

A maior parte de seu investimento nos frigoríficos brasileiros – 1,8 bilhão de reais, ou US $ 334 milhões – é na JBS, maior produtora de carne do mundo. A JBS também é a empresa mais exposta ao desmatamento na Amazônia ,segundo a organização conservacionista sem fins lucrativos Imazon. Em julho, relatório da Anistia Internacionalinformava que a JBS estava abatendo gado oriundo de fazendas ilegais localizadas em áreas de conservação e terras indígenas. A BlackRock também tem 213 milhões de reais ($ 39,5 milhões) investidos na Marfrig e 131 milhões ($ 24,3 milhões) no Minerva, que ocupam o quinto e décimo lugar , respectivamente, no ranking de risco de desmatamento do Imazon Investigações independentes também mostram que essas empresas têm fornecedores indiretos que criam gado ilegalmente na floresta.

A investigação da ((o)) eco analisou o conteúdo de 953 fundos de ações administrados pela BlackRock , dos quais 24 detêm ações de frigoríficos brasileiros. A BlackRock confirmou os dados para ((o)) eco; os valores são fornecidos na moeda local, com os valores em dólares baseados na taxa de câmbio de 18 de agosto.

Investimentos da BlackRock nos maiores frigoríficos operando na Amazônia (JBS, Marfrig e Minerva)

bb1

Em janeiro deste ano, o CEO da BlackRock, Larry Fink, publicou uma carta aberta em que anunciava medidas para “posicionar a sustentabilidade no centro da estratégia de investimento” da empresa, a maior administradora de recursos do mundo.

Essa visão, aplicada aos seus investimentos nos frigoríficos brasileiros, pode fazer da BlackRock a força motriz para segurar as maiores empresas do setor de carne bovina em sua promessa de oferecer exclusivamente carne de desmatamento zero. Esse compromisso vem de 2009 , mas nenhuma das empresas ainda o cumpriu. A questão ressurgiu em julho, quando as empresas começaram a sofrer pressões de investidores internacionais que não queriam se associar aos incêndios e ao desmatamento que devastavam a floresta amazônica.

“A BlackRock é líder global em gestão de ativos, portanto, suas ações têm um efeito significativo em todo o setor”, diz Moira Birss, diretora de clima e finanças da Amazon Watch. “Ainda assim, parece que a empresa espera que as pessoas não olhem de perto os dados de investimento e olhem apenas as manchetes, que parecem ótimas.”

A Amazon Watch em 2018 lançou uma campanha acusando a BlackRock de ser a “ maior causadora do caos climático do mundo” . De acordo com a ONG, a BlackRock está entre os principais acionistas de 25 das maiores empresas de capital aberto do mundo associadas ao desmatamento em florestas tropicais da América Latina, África e Sudeste Asiático.

Culpe os ETFs

Do investimento da BlackRock nas três frigoríficas brasileiras, 1,8 bilhão de reais é considerado “investimento passivo”, onde a carteira do fundo espelha uma cesta de ações de referência e o gestor do fundo não interfere na proporção de ações detidas na carteira. Eles são conhecidos como fundos negociados em bolsa (ETFs), e a família iShares de ETFs da BlackRock responde por dois quintos da participação no mercado global de ETFs. “É importante observar que mais de 90% dos ativos patrimoniais da BlackRock sob gestão estão em fundos que rastreiam índices de terceiros”, disse a empresa em um comunicado. Leia a resposta completa da BlackRock aqui .

Os 953 iShares analisados ​​pelo ((o)) eco report são todos ETFs. A ideia por trás deles é que, como replicam índices de referência em termos de sua composição, como a bolsa de valores local, podem servir como um guia útil para os investidores. Na prática, o sistema deixa espaço para distorção e greenwashing, como ((o)) eco mostrou em julho .

Como os ETFs refletem a lista e a proporção de ações rastreadas nos índices de referência, os administradores de fundos não podem usar seu critério para adicionar ou remover empresas do fundo, ou aumentar ou diminuir os investimentos em empresas individuais. E isso dá à BlackRock motivos para manter esses investimentos. Um exemplo é o iShares MSCI Brazil ETF , um fundo que replica o índice MSCI Brazil do Morgan Stanley, e por meio do qual a BlackRock administra quase 500 milhões de reais ($ 92 milhões) em ações da JBS. O ETF também inclui 56 outras empresas brasileiras cujo preço das ações seria afetado se a BlackRock fechasse o fundo.

Ainda assim, mesmo mantendo participações nos frigoríficos por meio desses fundos passivos, a BlackRock promete que, até o final do ano, todo o seu portfólio ativo será norteado por critérios ambientais e sociais; atualmente, cerca de 70% desses fundos atendem aos critérios ESG.

A BlackRock afirma que divulga o conteúdo dessas carteiras de acordo com as “regulamentações dos mercados em que atua”. Nos Estados Unidos, por exemplo, é obrigatória a publicação semestral e anual de relatórios com conteúdo aberto sobre investimentos para que o público verifique seu conteúdo. No entanto, nos documentos de divulgação de seus produtos em 34 outros países, não foi possível acessar informações completas sobre carteiras gerenciadas ativamente. A obtenção desses dados exige uma busca nos sites das agências reguladoras dos respectivos mercados, o que nem sempre é uma tarefa fácil para muitos investidores de varejo.

Além disso, alguns países não exigem transparência total da carteira, mas apenas a divulgação dos 10 principais ativos de cada carteira. Em situações como essa, “o próprio gestor de ativos pode decidir o quanto deseja divulgar”, diz Ward Warmerdam, pesquisador sênior da Profundo, organização holandesa que defende maior transparência nos investimentos. “Na Noruega, por exemplo, alguns gestores de fundos divulgam integralmente e alguns divulgam apenas os 10 principais investimentos”, afirma.

Proporção dos fundos da BlackRock consultados pela equipe de reportagem
Apenas 953 fundos puderam ter seus investimentos verificados por meio dos sites do gestor de ativos em 34 países

bb2

Carteiras administradas ativamente respondem por apenas 27% dos investimentos totais da BlackRock: 65% são em fundos passivos – incluindo os ETFs por meio dos quais a empresa continua investindo nos frigoríficos brasileiros. Uma ilustração de por que isso torna difícil conciliar a retórica de sustentabilidade da BlackRock com suas ações é a promessa do CEO Larry Fink de se desfazer de “produtores de carvão para usinas termelétricas”. Apesar do rebuliço que isso aumentou na imprensa e nos mercados financeiros, a nova postura da BlackRock significou a perda de apenas 20% desses ativos, de acordo com a Amazon Watch, frustrando aqueles que esperavam por um resultado mais significativo.

“Na verdade, a BlackRock se comprometeu a abrir mão de ações de empresas de carvão apenas entre seus fundos de administração ativa, que são uma pequena parte de seus negócios”, diz Birss, da Amazon Watch. “Além disso, existem muitas limitações quanto à quantidade ou tipo de carvão a ser evitado. Claro que isso é importante, mas é uma quantia muito pequena, considerando a escala da crise climática. ”

3 ° acionista da JBS

A participação da BlackRock na JBS, mesmo via ETFs, a torna a terceira maior acionista da empresa, atrás apenas do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e da família Batista que fundou a empresa. Segundo estudo da Forests and Finance , coalizão de seis ONGs que monitora a participação de instituições financeiras internacionais em atividades de risco ambiental.

Mesmo assim, a Forests and Finance não conseguiu rastrear totalmente a participação da BlackRock na JBS, avaliada em 1,3 bilhão de reais (US $ 240 milhões); A própria BlackRock disse à ((o)) eco que seus investimentos no frigorífico chegam a 1,8 bilhão de reais. “O setor financeiro é notório pela falta de transparência e por criar estruturas dentro das quais é quase impossível rastrear os proprietários [da empresa]”, afirma Merel van der Mark, coordenador de Florestas e Finanças. “Mas fazemos o nosso melhor para rastrear o máximo possível de participação dos acionistas”.

Com pelo menos 2% de participação na JBS, a BlackRock tem poder de voto nas decisões da empresa, ainda que sua influência direta seja reduzida. A estrutura acionária da indústria de carne bovina coloca mais poder nas mãos dos proprietários das empresas, limitando a capacidade de acionistas minoritários como a BlackRock de influenciar a conduta da empresa, afirma a BlackRock.

É por isso que a BlackRock afirma que buscará o diálogo institucional para promover mudanças na política ambiental e social. De acordo com sua assessoria de imprensa, promoveu encontros entre cinco empresas do agronegócio que atuam no Brasil – JBS, Marfrig, Minerva e as traders de commodities Bunge e ADM – “para discutir suas políticas e práticas sobre questões específicas de atuação na Bacia Amazônica, como uso da terra e gestão da cadeia de abastecimento.”

$ 90 milhões em investimentos ativos

A Forests and Finance também identificou a quantidade de títulos de dívida que a BlackRock comprou dos frigoríficos brasileiros, totalizando 64,5 milhões de reais ($ 11,9 milhões): 24 milhões de reais ($ 4,4 milhões) da JBS, 22 milhões de reais ($ 4,1 milhões) da Marfrig e 18 milhões de reais ($ 3,3 milhões) do Minerva. Florestas e Finanças calculou a proporção da compra de dívida que vai diretamente para atividades de financiamento relacionadas à pecuária; o valor total da dívida que a BlackRock comprou dos frigoríficos é mais que o dobro, em 134,2 milhões de reais (US $ 24,8 milhões).

Além disso, a BlackRock relata que seus investimentos ativamente gerenciados nos frigoríficos estão avaliados em 352 milhões de reais ($ 65 milhões). Isso coloca o valor total do investimento direto que o gestor mantém no setor mais associado ao desmatamento na Amazônia em 486 milhões de reais (US $ 89,7 milhões). Esse é o valor que a BlackRock opta ativamente por investir nas empresas, mesmo após análise de risco de exposição ambiental do setor. Ao contrário dos investimentos passivos, isso representa patrimônio e dívida que o gestor do fundo poderia desistir sem comprometer outras empresas.

Aqui, novamente, o principal destino dos investimentos ativos da BlackRock é a JBS. Só seu investimento direto, de 327 milhões de reais (US $ 60,4 milhões), é maior do que o valor desinvestido do frigorífico pelo banco finlandês Nordea em julho, após uma recente série de problemas como gado criado ilegalmente, corrupção e surtos de COVID-19 em suas fábricas no Brasil e nos Estados Unidos “A JBS foi de longe o mais problemático dos frigoríficos brasileiros”, disse Eric Pedersen , chefe de investimentos responsáveis ​​da Nordea, à ((o)) eco .

O desinvestimento chegou às manchetes em todo o mundo, inclusive no The Guardian e nas agências de notícias Bloomberg Reuters . Pela primeira vez, a maior empresa de carne bovina do planeta, com o maior número de fábricas na Amazônia – 31, segundo o estudo mais recente e ainda não publicado do Imazon – foi vista como tendo efeito real por causa do desmatamento.

Abandonar tantas ações de uma vez não teve o impacto esperado de sacudir o preço das ações da JBS. Em vez disso, o impacto foi mínimo. No início de julho, antes da venda do Nordea, as ações da JBS eram negociadas a 20,89 reais; chegaram a 22,95 em 7 de julho, antes de encerrar o mês com um aumento líquido de 21,54.

Não foi a primeira vez que um desinvestimento motivado por questões ambientais não obteve resultados práticos. No terceiro trimestre do ano passado , a gestora de investimentos Storebrand desinvestiu da Marfrig, segundo seu CEO, Jan Erik Saugestad, em comunicado à ((o)) eco em julho . No entanto, durante o período em que a Storebrand vendeu suas ações, o preço das ações da Marfrig aumentou 70%, 6,48 reais em julho para 11,02 em setembro.

Cotação de ações dos Meatpackers sob desinvestimento de bancos europeus
Storebrand vendeu suas ações na Marfrig no terceiro trimestre de 2019 e Nordea desistiu de suas ações na JBS em julho de 2020

bb3

O grande volume de participação da BlackRock na JBS pode fazer a diferença, afirma Luiz Macahyba, consultor e sócio da Aondê-Consultoria Econômica. O tamanho das empresas de investimento conta em casos como este: A BlackRock opera em 36 países e tem clientes em mais de 100, e possui pelo menos 193 subsidiárias diretas e indiretas ao redor do mundo, duas delas no Brasil. De acordo com seu relatório trimestral mais recente divulgado em julho, a empresa tem US $ 7,32 trilhões em fundos sob gestão – uma soma cinco vezes o PIB do Brasil em 2019.

“Uma coisa é o Nordea anunciar que está se desfazendo da JBS, e outra coisa é a BlackRock, a maior administradora de ativos financeiros do mundo, fazer esse anúncio”, diz Macahyba. “Isso pode afetar as expectativas dos investidores em relação à lucratividade futura do grupo”.

Tamanho comparado dos gestores de ativos. A BlackRock gerencia recursos maiores do que o PIB do Brasil

Este slideshow necessita de JavaScript.

A BlackRock parece ter reduzido sua participação na JBS desde o início do ano em 17,4% a partir de agosto, segundo dados da Forests and Finance.

Mas, assim como com o desinvestimento da Storebrand da Marfrig e do Nordea da JBS, essa venda não teve impacto no desempenho das ações da JBS no mercado de ações. “Provavelmente são vendas feitas separadamente e em dias diferentes. É por isso que não afetou o preço ”, diz Macahyba.

Essas negociações também são realizadas sob grande discrição para evitar perdas para o investidor. O desinvestimento só é anunciado após a efetivação da venda das ações, ainda que o desinvestimento simbolize uma crítica pública da financeira à empresa e coloque sua credibilidade no mercado em questão.

Uma analogia é o proprietário de uma casa vendendo um apartamento porque um enorme vazamento está danificando toda a estrutura do imóvel, mas não menciona o problema ao fechar o negócio. Nesse caso, o BackRock parece ter vendido primeiro e explicado depois, atribuindo sua decisão à associação da JBS com desmatamento e corrupção.

“Esses grupos financeiros estão de fato progressivamente engajados nas questões ambientais, mas ninguém arranca dinheiro”, diz Macahyba. “Se o administrador do fundo vender tudo de uma vez, ele terá um grande prejuízo. Então, ele vende as ações em pequenas parcelas e depois anuncia a venda total para ganhar impacto político com sua decisão. ”

Lucro em meio a incêndios florestais

Os desinvestimentos graduais não afetaram o preço das ações, nem frustraram o clima otimista que presidia à divulgação dos resultados do segundo trimestre pela JBS .

A pressão dos investidores foi rapidamente esquecida, obscurecida pelo lucro líquido de 3,4 bilhões (US $ 626 milhões) – um salto de 54,8% em relação ao mesmo trimestre do ano passado.

“Parabéns pelos resultados espetaculares! Fantástico!” um dos investidores declarou no evento de 14 de agosto.  Realmente impressionante”, disse outro. A apresentação online foi conduzida pelos principais executivos da JBS, incluindo o CEO global Gilberto Tomazoni e Wesley Batista Filho, CEO da JBS Brasil.

Um participante perguntou aos executivos se não seria melhor fechar todas as fábricas na Amazônia “por causa desse viés negativo vindo da imprensa, a que todos estão prestando mais atenção”. O assunto ganhou urgência no final de junho, quando se tornou pública uma reunião do governo do presidente Jair Bolsonaro . Naquela reunião, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, sugeriu aproveitar a “oportunidade” proporcionada pela mídia e o enfoque público na pandemia do coronavírus – que matou mais de 100 mil pessoas no Brasil – para “dar um pulo ” e desregulamentar as normas ambientais.

Segundo executivos da JBS, a presença da empresa na Amazônia não é o problema, mas “parte da solução”. “Nossas operações podem trazer melhorias e mudanças positivas para a região com segurança”, disse Wesley Batista Filho. Ele ainda indicou que uma plataforma de controle de toda a cadeia produtiva da Amazônia está em estágio “muito avançado” de desenvolvimento, mas não deu previsão para o início do rastreamento indireto de fornecedores e nenhum dos investidores questionou a falta de uma linha de morte.

Os resultados do segundo trimestre da Marfrig, divulgados em 12 de agosto, também não mostraram nenhum impacto prejudicial da recente pressão de investidores internacionais contra o desmatamento. Em vez disso, a empresa teve “o melhor resultado de sua história, com lucro líquido de 1,6 bilhão [$ 295 milhões]”. Isso é um aumento de 1.743% em relação ao mesmo trimestre do ano passado.

Os acionistas e sócios do Minerva também têm motivos para comemorar. No último trimestre, a empresa obteve lucro líquido de 253,4 milhões ($ 46,7 milhões) , seu melhor segundo trimestre de todos os tempos.

pastoA substituição de floresta por pastagem é uma das principais causas do desmatamento no bioma amazônico. Há falta de controle na cadeia de abastecimento para garantir que o desmatamento não esteja associado à produção de carne. Imagem de Marcio Isensee e Sá.

‘É o efeito de contaminação’

Enquanto JBS, Marfrig e Minerva saem ilesos dos efeitos do desmatamento, outros setores da economia brasileira temem que a crise dos incêndios na floresta tropical tenha um efeito negativo sobre seus negócios, mesmo que suas operações estejam localizadas longe da floresta. No início de julho, dirigentes de 38 grandes empresas e quatro associações de classe enviaram carta ao vice-presidente Hamilton Mourão , alertando que a imagem negativa do país no exterior “tem um efeito potencialmente danoso para o Brasil, não só do ponto de vista de reputação, mas efetivamente para o desenvolvimento de negócios e projetos fundamentais para o país ”.

O movimento cresceu e a carta já conta com 72 signatários, de acordo com o Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), que lidera a iniciativa. Entre os que assinaram está a fabricante de papel e celulose Suzano, cujo diretor financeiro, Marcelo Bacci, falou em levar um mapa às reuniões com estrangeiros para convencê-los de que as unidades de produção da empresa estão localizadas longe da Amazônia.

“Em breve, veremos empresas do Pampa do Rio Grande do Sul [estado do Brasil] sendo impactadas pelo que acontece na Amazônia”, diz Robson Dias da Silva, professor de economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRRJ). “É o efeito da contaminação”, diz ele, acrescentando que quem depende de investimento estrangeiro pode ter mais dificuldade em obter financiamento ou pagar juros mais altos nos empréstimos.

Cole Martin, analista sênior de agronegócio da Fitch Solutions, diz que esforços como o mapa da Suzano e o rastreamento de produtos podem não ser suficientes para evitar que os exportadores brasileiros sejam prejudicados. “Para as empresas que importam, pode ser difícil rastrear e verificar o que é legal e o que não é, principalmente os fornecedores indiretos”, afirma. “Em vez de correr o risco de comprar algo que tem a ver com desmatamento e criar um problema para a empresa, com o tempo provavelmente será mais fácil para eles simplesmente constatar que não compram nada do Brasil.”

A preocupação com esse “efeito da contaminação” também levou o presidente da Associação Brasileira do Agronegócio (ABAG) a assinar a carta. Em entrevista coletiva em 12 de agosto, Marcello Brito pediu que o governo federal estabeleça uma meta clara de redução do desmatamento. Ele também burlou as declarações do presidente Bolsonaro , para quem a pressão internacional para preservar a floresta tropical está encoberta por interesses comerciais.

“Precisamos aprofundar e ser mais maduros ao discutir essas questões porque os interesses comerciais sempre permanecerão firmes”, disse Brito. “O mais importante é identificar a consciência coletiva que evolui rapidamente – é isso que precisamos abordar. Serão as ações coletivas de produção ambiental e socialmente sustentável que preencherão este futuro espaço de negócios contra qualquer barreira geopolítica ”.

Ainda em julho, outra iniciativa mostrou que o desmatamento é um problema que se expandiu para além do radar dos ambientalistas e agora preocupa economistas. Doze ex-ministros das finanças e cinco ex-presidentes de bancos centrais assinaram uma carta aconselhando o governo a definir um caminho em direção a uma economia de baixo carbono. Entre os signatários está um amplo espectro de personalidades políticas, incluindo o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (do PSDB), Pedro Malan, que foi ministro da Fazenda no governo Fernando Collor (PROS), e Nelson Barbosa, que chefiou o planejamento do administração de Dilma Rousseff (PT).

O Ministério da Economia, chefiado por Paulo Guedes, disse em um e-mail para ((o)) eco que “é inegável que o desmatamento ilegal na Amazônia prejudica imensamente a economia e a população brasileira” e que “embora o desmatamento ilegal seja um problema histórico, hoje temos um problema de imagem nacional que sabemos que o governo tinha a responsabilidade de resolver ”. Veja a resposta completa do ministério aqui .

“Acendeu-se um sinal de alerta porque o tema migrou do Ministério do Meio Ambiente para o Ministério da Economia”, diz Silva, professor de economia. “Em breve, a Avenida Paulista [a Wall Street do Brasil] começará a ter problemas para levantar capital porque o selo brasileiro foi queimado.”

Acordo comercial europeu em dúvida

O impacto econômico mais gritante por ora é o possível fracasso do acordo comercial entre a União Européia e o bloco comercial sul-americano Mercosul (Mercosul em espanhol). O acordo foi assinado em junho de 2019 após 20 anos de negociações e, para que entre em vigor, deve ser ratificado por todos os países membros. Mas, citando o aumento do desmatamento na Amazônia, o parlamento holandês rejeitou o acordo , e órgãos legislativos na Irlanda, França e Bélgica já enviaram sinais no mesmo sentido.

Em 21 de agosto, a chanceler alemã Angela Merkel disse ter “sérias dúvidas” sobre a implementação do acordo devido ao aumento do desmatamento na Amazônia. Sua declaração veio após uma reunião com a ativista ambiental sueca Greta Thunberg.

Segundo a Embaixada da Alemanha no Brasil, “informações sobre o aumento do desmatamento podem ter um impacto negativo na opinião pública de outros membros da União Européia e também no desejo de muitos parlamentares de ratificar esse acordo”. O Ministério da Economia do Brasil afirmou que as “possíveis preocupações” com o meio ambiente serão tratadas no âmbito do acordo e que não internalizá-lo “é minar esses avanços institucionais e … a agenda ambiental de interesse bilateral”.

Martin, da Fitch Solutions, diz de forma mais clara: “O acordo entre a UE e o Mercosul está morto por enquanto.” Com sede em Londres, Martin diz que está acompanhando de perto o lançamento do European Green Deal , um pacto econômico ambientalmente sustentável criado para estimular a economia pós-pandemia. Entre as muitas medidas previstas para os próximos anos – como ampliação de áreas de proteção ambiental, redução do uso de agrotóxicos e menor consumo de carne – está a proposta de afastar do mercado europeu produtos associados ao desmatamento.

Este relatório é o quinto de uma série que investiga a relação entre o mercado financeiro e a indústria brasileira de carne bovina. Se desejar entrar em contato com a Redação com sugestões de reportagens, escreva para: quemfinanciaodesmatamento@gmail.com .

Esta história foi publicada originalmente  em português  pela ((o)) eco. 

Imagem do banner de uma fazenda cercada pela fumaça das queimadas no município de Novo Progresso, estado do Pará. Imagem de Marcio Isensee e Sá.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s