Mudanças de temperatura ‘afetam os pobres mais do que os ricos’

  • Mudança repentina na temperatura aumenta o risco de hospitalização entre os mais pobres: estudo
  • Pesquisa abrangeu quase 148 milhões de internações em mais de 1.800 cidades brasileiras
  • Aqueles que sofrem de doenças infecciosas, respiratórias e endócrinas eram os mais vulneráveis

Pôr do solEm ambientes extremamente quentes, um aumento de um grau Celsius na temperatura diária acarreta um risco maior de hospitalização para as pessoas mais pobres.  Peter Ilicciev / Fiocruz , Creative Commons

Por Meghie Rodrigues

Pessoas que moram em cidades mais pobres têm maior risco de serem hospitalizadas se as temperaturas mudarem rapidamente ao longo de um dia ou em um curto período, de acordo com um estudo realizado no Brasil.

Embora se soubesse que as variações de temperatura aumentavam o risco de doenças e mortalidade para pessoas com doenças como diabetes ou asma, os pesquisadores queriam entender o impacto dos indicadores socioeconômicos, como a renda familiar mensal.

Paulo Saldiva, professor sênior da faculdade de medicina da Universidade de São Paulo e coautor da pesquisapublicada no The Lancet Planetary Health, disse à SciDev.Net : “Essas disparidades são para tudo que você pode imaginar, do COVID-19 a problemas cardíacos. ”

Ao analisar dados de cerca de 148 milhões de hospitalizações em 1.814 cidades brasileiras de janeiro de 2000 a dezembro de 2015, os pesquisadores descobriram que um aumento de um grau Celsius em um determinado dia, em relação ao dia anterior, aumentou o risco de hospitalização em 0,52 por cento em média .

Embora os números possam parecer baixos, os riscos reais podem ser muito maiores porque “a variabilidade da temperatura pode mudar em vários graus de dia para dia”, diz Ben Armstrong, professor de estatística epidemiológica da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres, que fez não participar do estudo.

“Essas disparidades são para tudo em que você pode pensar, de Covid-19 a problemas cardíacos.”  Paulo Saldiva, Universidade de São Paulo

Os pesquisadores encontraram disparidades entre os municípios. Pessoas com menos de 19 anos ou mais de 60 anos e portadores de doenças infecciosas, respiratórias e endócrinas de cidades de menor renda apresentaram maior risco de internação por mudanças de temperatura do que as de cidades ricas.

A análise baseou-se em estatísticas socioeconômicas municipais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, dados de hospitalização do Sistema de Informação Hospitalar do Sistema Único de Saúde e relatórios meteorológicos diários de um conjunto de dados meteorológicos brasileiros revisados ​​por pares.

A equipe descobriu que pessoas com doenças endócrinas, como diabetes, em cidades de baixa renda tinham quase quatro vezes mais probabilidade de serem hospitalizadas do que aqueles com condições semelhantes que moravam em cidades de alta renda.

Pessoas com doenças infecciosas em cidades pobres tinham quase três vezes mais probabilidade de serem hospitalizadas por causa de mudanças bruscas de temperatura do que suas contrapartes em cidades ricas, e era um quadro semelhante para doenças respiratórias.

Diabetes e doenças respiratórias não são causadas pela variabilidade da temperatura, mas podem ser adversamente afetadas por ela. A capacidade de nossos vasos sanguíneos de inchar quando está quente ou contrair quando está frio é uma proteção importante contra mudanças bruscas de temperatura, explicou Saldiva.

“Com hipertensão não controlada ou diabetes, as pessoas podem ter aterosclerose, que enrijece os vasos sanguíneos. Isso torna mais difícil para eles lidar com a variação de temperatura porque suas funções de regulação térmica não funcionam mais tão bem ”, acrescentou.

Armstrong disse à SciDev.Net : “Esses resultados são bastante impressionantes, pois a associação entre status socioeconômico e vulnerabilidade fica muito clara aqui.”

Onda de calorAs ondas de calor têm um efeito prejudicial à saúde e os mais pobres são os mais vulneráveis. Crédito: Raúl Santana / Fiocruz ( Creative Commons)

Pessoas de cidades de baixa renda muitas vezes carecem de boa estrutura de habitação e ar condicionado, “e muitas pessoas em áreas rurais trabalham ao ar livre, sendo expostas diretamente ao calor e às variações diárias de temperatura”, disse Sonja Ayeb-Karlsson, professora da Universidade das Nações Unidas Instituto de Meio Ambiente e Segurança Humana, que não participou do estudo.

“Além disso, dietas pobres e estresse financeiro aumentam o impacto mental que pode tornar as pessoas que vivem em regiões mais pobres ainda mais vulneráveis”, acrescentou ela.

Saldiva acredita que essa vulnerabilidade pode ser verdadeira em outras partes do mundo. “O Brasil pode ser, infelizmente, um bom laboratório para esse tipo de estudo: o país é desigual e temos variabilidade climática além de bons dados de saúde”, disse.

Armstrong concorda, mas recomenda cautela: “A extrapolação é sempre arriscada porque há muitos recursos que devemos levar em consideração. Faz sentido extrapolar esses resultados para a América Latina, por exemplo, mas talvez não para o mundo todo. ”

A migração em massa e as mudanças climáticas podem causar estragos evolutivos para os humanos, alerta Saldiva.

“As respostas vasculares ao clima são diferentes em cada parte do mundo e levou milênios para cada pessoa desenvolver sua vantagem adaptativa. As bactérias, ao contrário de nós, evoluem em questão de horas. Com a mudança climática, entraremos em um descompasso evolutivo ”, diz ele.

A pesquisa teve apoio da FAPESP, doadora SciDev.Net.

fecho

Este artigo foi inicialmente  escrito em inglês e publicado no site SciDev [Aqui!].

Um comentário sobre “Mudanças de temperatura ‘afetam os pobres mais do que os ricos’

Deixe uma resposta para MarcoAurelio Silveira leao Cancelar resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s