O veneno chega pela torneira: Ministério da Saúde aumenta de 27 para 40 agrotóxicos a serem monitorados na água consumida pelos brasileiros

torneira

Em meio ao avanço da pandemia da COVID-19, o Ministério da Saúde fez publicar sem muito alarde a Portaria GM/MS No. 888 de 04 de maio de 2021 cujo objetivo primário foi alterar o Anexo XX da Portaria de Consolidação GM/MS nº 5, de 28 de setembro de 2017 que dispõe sobre os procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade no Brasil.

Na prática a Portaria GM/MS No. 888 atualiza uma série de parâmetros que devem ser monitorados para que, em tese, se garanta que a água consumida pelos brasileiros em suas casas não causa danos à saúde deles.  Pois bem, mas um dos itens “atualizados” deveria ou deverá receber grande atenção dos responsáveis por garantir que a água que é consumida pelos brasileiros não vai causar doenças graves em vez de apenas matar a sede deles.

Falo aqui da Tabela de Padrão de Potabilidade para substâncias químicas que representam risco à saúde, especificamente aquelas que são usadas na agricultura, os chamados agrotóxicos.  É que na Portaria de Consolidação, o número de monitoramento eram 27, o que já foi motivo de uma postagem neste blog sobre a presença de todas as substâncias listadas pelo Ministério da Saúde na água consumida pelos habitantes de Campos dos Goytacazes, sendo que 9 delas estavam acima dos limites considerados como seguros.  Eis que agora o número de substâncias a serem monitoradas passou para 40 agrotóxicos, muitos dos quais amplamente usados na produção de commodities agrícolas voltadas para exportação como soja, milho e algodão (ver Aqui! as substâncias alvo para monitoramento em 2017 e em 2021).

Campos agrotóxicos

Na prática o que a elevação de 27 para 40 agrotóxicos a serem monitorados na água de consumo por causa do risco que causam à saúde humana é um reconhecimento tácito é de que uso intensivo e praticamente sem qualquer controle de substâncias altamente perigosas está chegando nos torneiras dos brasileiros. E, pior, sem que as empresas públicas ou privadas que fornecem essa água estejam fazendo qualquer movimento para estabelecer métodos de remoção desses poluentes no seu processo de tratamento, o qual permanece basicamente removendo material biológico e material particulado.

O pior é que dentre os agrotóxicos que passam a ser monitorados estão alguns que são apontados por estudos científicos como causadores de doenças graves tais como o Acefato, o Paraquate, a Ametrina e a Simazina, que têm sido consistentemente ligados à ocorrência de diversos tipos de câncer, além de doenças do sistema nervoso, sendo ainda disruptores endocrinos.

Apenas para se ter uma ideia da gravidade do avanço do processo de contaminação da água consumida por brasileiros por agrotóxicos, fiz uma checagem de quantas das 40 substâncias incluídas na Portaria GM/MS No. 888 de 04 de maio de 2021 estão proibidas na União Europeia (ver Aqui!) e o total foi de 26 (ou seja 65%!). 

status eu agrotóxicos na água

O problema é que como já foi mostrado pela professora Larissa Miers Bombardi no seuAtlas Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Européia“, os limites máximos de resíduos tolerados no Brasil estão, em alguns casos, em diversas ordens de grandeza daquilo que é tolerado pela Comissão Europeia. Assim, os brasileiros estarão sob um risco cada vez mais grave de estarem consumindo água com níveis de resíduos de agrotóxicos produzidos por multinacionais europeias, mas que aqui não obedecem os critérios de segurança impostos aos agricultores europeus.

No caso de Campos dos Goytacazes onde a Câmara de Vereadores pode ter brevemente uma Comissão Parlamentar de Inquérito para averiguar a qualidade dos serviços prestados pela concessionária “Águas do Paraíba”, um ponto que poderia ser arguida pelos vereadores poderia ser acerca dos métodos de remoção de micropoluentes como os agrotóxicos listados pelo Ministério da Saúde na água servida aos campistas.

Finalmente, não há como deixar de associar a necessidade de aumentar o número de substâncias sendo monitoradas na água servida pelas redes oficiais de fornecimento à política de “passa boiada” que foi adotada pelo governo Bolsonaro em substâncias que estão proibidas para uso justamente nos países que as fabricam.  O resultado dessa política de porteira aberta agora está aí para todos verem, qual seja, a grande possibilidade de que estamos ingerindo um alto número de resíduos de agrotóxicos altamente tóxicos não apenas para seres humanos, mas para os sistemas aquáticos que fornecem a água que precisamos para viver.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s