Acionistas da Bunge votam para obrigar empresa a reduzir desmatamento associado à sua cadeia de suprimentos de soja

bunge

Recentemente, houve uma série de votos de acionistas a favor de empresas que tomem medidas para adotar ou fortalecer compromissos de combate ao desmatamento. É provável que essa tendência aumente à medida que o desmatamento se torne uma parte importante da narrativa da mudança climática e os investidores aumentem sua compreensão de como os vínculos com a floresta perdida podem levar a uma variedade de riscos financeiros.

Um dos maiores desenvolvimentos ocorreu no início deste mês, quando os acionistas da trader de commodities Bunge votaram esmagadoramente a favor no sentido da empresa tomar medidas mais fortes para lidar com o desmatamento em sua cadeia de suprimentos. A proposta, aprovada por 98% dos acionistas, foi liderada pela Green Century Capital Management, juntamente com a Storebrand Asset Management.

Em uma reviravolta sem precedentes, o Conselho de Administração da Bunge recomendou que os acionistas votassem a favor de uma proposta para avaliar “se e como [a Bunge] poderia aumentar a escala, o ritmo e o rigor de seus esforços para eliminar a conversão da vegetação nativa em sua cadeia de abastecimento de soja. ”

A Bunge e outros atores nas cadeias de suprimentos de commodities agrícolas estão expostos a estarem vinculados ao desmatamento, o que pode levar à volatilidade da cadeia de suprimentos, acesso restrito a capital, regulamentações rigorosas nos mercados de consumo e perda de acesso ao mercado. A votação da Bunge destaca os compromissos crescentes de empresas, investidores e financiadores para alcançar práticas de desmatamento líquido zero para reduzir riscos.

cerrado-desmatamento-ciclovivo

A votação também reflete uma maior pressão de investidores ativistas para que as empresas abordem os riscos relacionados às mudanças climáticas, incluindo a perda de florestas para a produção de commodities, e pode levar a um maior envolvimento dos investidores com o desmatamento, o que por sua vez pode levar outras empresas a tomarem medidas semelhantes. “A votação deve ser um sinal para outras empresas da cadeia de abastecimento da soja brasileira que os investidores estão em alerta máximo sobre esses riscos”, disse Leslie Samuelrich, presidente da Green Century.

A votação da Bunge ocorre logo após uma série de contratos de sucesso da Green Century. Por exemplo, em abril, ADM e JPMorgan Chase adotaram compromissos, que se seguiram à votação dos acionistas da Procter & Gamble no ano passado para a empresa eliminar o desmatamento em sua cadeia de suprimentos. Também neste mês, 76% dos acionistas da Bloomin Brands, uma empresa global de jantares casuais, apoiaram uma proposta da Green Century para reduzir sua pegada de carbono, incluindo ações para eliminar a perda florestal em sua cadeia de suprimentos. “Nunca vimos uma temporada de acionistas como esta para enfrentar os riscos climáticos e de desmatamento, com votos sem precedentes na Bunge Limited e na Procter & Gamble”, disse a defensora dos acionistas da Green Century, Annalisa Tarizzo. “Os investidores estão demonstrando um novo entendimento de que reduzir as emissões de gases de efeito estufa e proteger as florestas tropicais do mundo, da Indonésia às savanas únicas no Brasil, não são apenas importantes para o planeta, mas também seus portfólios.”

Embora o desenvolvimento da Bunge seja visto como positivo para os esforços pela redução do desmatamento causado pela soja no Cerrado brasileiro, a votação não é vinculativa, o que significa que a Green Century e outros investidores devem manter pressão sobre o comerciante e seus pares. A Green Century diz que a Bunge pode implementar uma abordagem “suspender e engajar”, ​​que é frequentemente usada por traders e refinadores no mercado de óleo de palma do sudeste da Ásia. Com esta abordagem, uma empresa irá suspender qualquer fornecedor ligado ao desmatamento e, em seguida, envolver o fornecedor para influenciá-lo a reduzir a atividade ligada ao desmatamento. A Bunge também pode aderir ao Manifesto do Cerrado, que já foi assinado por 160 empresas que se comprometeram a eliminar o desmatamento no Cerrado. A Bunge e outros comerciantes concordaram com a Moratória da Soja na Amazônia, um acordo de toda a indústria para interromper a compra de soja em terras desmatadas na Amazônia, mas não assinaram o Manifesto do Cerrado.

Os comerciantes têm sido criticados por terem datas-alvo em seus compromissos que permitem uma janela muito ampla para a eliminação do desmatamento em suas cadeias de abastecimento. Por exemplo, a COFCO tem  como  meta 2023, enquanto a Cargill tem como meta 2030. Os comerciantes enfrentam desmatamento e exposição ao risco de incêndio florestal. A pressão dos investidores deve aumentar sobre a Bunge e seus pares neste verão, durante a temporada de incêndios. A análise da Chain Reaction Research  mostra  que os comerciantes de soja no Cerrado em 2020 viram um grande número de incêndios em uma área de 25 km de seus silos, semelhante aos níveis vistos em 2019. A expansão da produção para atender à demanda do mercado de exportação de soja brasileira está exacerbando estes riscos.

fecho

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pela Chain Reaction Research [Aqui!].

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s