Os apuros de Ricardo Salles nas mãos das autoridades ambientais dos EUA não param de crescer

20201231salles

Vivêssemos tempos normais, o ainda ministro (ou seria anti-ministro?) do Meio Ambiente, Ricardo Salles, não teria apenas sido removido do cargo, mas provavelmente encaminhado para um período de férias no presídio da Papuda. É que as recentes revelações de que um escritório de advocacia do que ele é sócio arrecadou milhões de reais de origem incerta nos tempos em que ele era secretário estadual do meio ambiente já bastaria para que sua remoção estrepitosa do cargo de ministro ocorresse. 

Mas o Brasil não vive tempos normais, e Salles continua sendo saudado pelo presidente da república como sendo “um ministro excepcional que só está sendo denunciado porque é perseguido por supostos esquerdistas que não querem que ele continua seu trabalho “excepcional” no Ministério do Meio Ambiente. E, além de saudado, Salles continua usando agentes do Estado para tentar obter acesso ilícito às investigações dos quais é alvo.

O problema para Ricardo Salles e, por extensão, para Jair Bolsonaro que o mantém no cargo até conta orientações de outros ministros do seu governo é que o ainda ministro aparentemente se tornou alvo do governo dos EUA por causa do contrabando de madeira extraída ilegalmente em diferentes estados da Amazônia (ver abaixo reportagem do Jornal Nacional de ontem).

O problema aqui é que a apreensão de 70 toneladas de madeira extraída de forma criminosa na Amazônia e exportadas ilegalmente para os EUA motivaram uma ação pouco usual de apreender para depois retornar a carga para o Brasil parece ser uma mensagem direta de que esse tipo de contrabando chancelado por um governo nacional não será tolerado tranquilamente pelo governo dos EUA. É que, além de ser uma carga que resultado do saque ilegal de recursos florestais que compete com a produção de madeira legal nos EUA , esse é um crime que contribui para acelerar a transformação da Amazônia em uma fonte emissora de CO2, o que contribui para a aceleração das mudanças climáticas do qual o governo Biden já disse a que veio em termos de medidas de combate.

Assim, por mais que o presidente Jair Bolsonaro esteja querendo preservar um ministro que tem sido extremamente útil na aplicação de suas políticas anti-ambientais, a lógica dita que haja mais cautela nas relações políticas e econômicas com os EUA que já mostraram no passado que não possuem qualquer escrúpulo em intervir até militarmente quando veem seus interesses estratégicos e até táticos ameaçados. Por isso, essas apreensões de madeira pelo United States Fish and Wildlife Service (uma espécie de IBAMA de lá) não deveriam ser tomadas de forma casual pelo governo brasileiro. Aliás, como se o IBAMA de lá mexe com peixe, o melhor aqui seria Jair Bolsonaro botar as barbas de molho. Há sempre o risco, guardadas as devidas proporções, de que tenhamos um novo “Manuel Noriega” que ficou preso 20 anos em uma prisão estadunidense por achar que ninguém no governo nos EUA iria se incomodar com suas atividades comerciais.

Um comentário sobre “Os apuros de Ricardo Salles nas mãos das autoridades ambientais dos EUA não param de crescer

  1. Pingback: Os apuros de Ricardo Salles nas mãos das autoridades ambientais dos EUA não param de crescer — | Barbara Crane Navarro

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s