Operação financeira com a agropecuária BrasilAgro coloca em xeque compromisso verde do banco suíço UBS

ubs 0

  • Apesar de sua retórica de sustentabilidade, o banco suíço UBS financiou a polêmica incorporadora de terras BrasilAgro com uma emissão de títulos que arrecadou US $ 45,5 milhões. A operação faz parte de uma estratégia mais ampla para lucrar com o agronegócio brasileiro, que inclui a consolidação de uma joint venture com o banco brasileiro.
  • A BrasilAgro é supostamente responsável pelo desmatamento de quase 22.000 hectares (54.000 acres) de vegetação nativa em suas fazendas na região do Cerrado do Brasil e foi multada em US $ 1,1 milhão pela agência de proteção ambiental do Brasil por desmatamento ilegal.
  • O produto financeiro escolhido para arrecadar dinheiro para a BrasilAgro, um CRA ou “certificado de recebíveis do agronegócio”, é lastreado em safras futuras e tem sido uma ferramenta favorita usada para levantar quantias recorde de dinheiro no mercado de capitais para as empresas do agronegócio brasileiro nos últimos anos. .
  • Embora haja esperança de que os CRAs possam apoiar práticas sustentáveis ​​no Brasil, os dados financeiros analisados ​​pela Mongabay mostram que as maiores emissões nos últimos meses foram todas para empresas altamente polêmicas como BrasilAgro, JBS e Minerva.
Por Fernanda Wenzel e Olivier Christe para o Mongabay News

Um lucro de mais de 400%. Foi isso que a BrasilAgro obteve em um de seus primeiros empreendimentos. A empresa comprou a fazenda Cremaq em 2006, pagando 42 milhões de reais (US $ 8 milhões) por uma fazenda de 32.700 hectares (80.800 acres) no estado do Piauí, no nordeste do Brasil.

Em seguida, gastou outros 22,6 milhões de reais (US $ 4,3 milhões) para iniciar o cultivo da soja para incentivar os compradores em potencial. A fazenda foi dividida em duas e vendida entre 2013 e 2015 por um valor combinado de 307,4 milhões de reais ($ 58,4 milhões). Mas a consequência desse lucro foi o desmatamento, a perda de água subterrânea e a expulsão de comunidades locais no Cerrado, um dos hotspots de biodiversidade mais importantes do mundo.

“Eu a defino como uma empresa que transforma terras nativas ou subutilizadas em ativos financeiros”, diz Rodrigo Cavalcanti do Nascimento, doutor em geografia. que investigou a BrasilAgro para sua tese.

Em maio, o banco suíço UBS atuou como coordenador de uma operação financeira que arrecadou 240 milhões de reais (US $ 45,5 milhões) para a empresa . A BrasilAgro é apenas uma peça da estratégia maior do UBS para lucrar com o agronegócio brasileiro . Para atingir seu objetivo, firmou parceria com o Banco do Brasil, maior financiador do agronegócio do mundo , para a formação de uma joint venture: o Banco de Investimentos UBS BB.

ubs 1Terras agrícolas da BrasilAgro. As consequências dos lucros da BrasilAgro incluem desmatamento, perda de água subterrânea e a expulsão de comunidades locais no Cerrado de alta biodiversidade. Imagem da BrasilAgro via Facebook .

Desmatamento de florestas e despejo de comunidades

Em seu site , a BrasilAgro se descreve como “uma das maiores empresas brasileiras em [termos de] quantidade de terras agricultáveis”, com 22 fazendas no Brasil, Paraguai e Bolívia. O núcleo de seu negócio é a “identificação, aquisição, desenvolvimento e exploração de imóveis rurais com alto potencial de valorização”, que comercializa “ao julgarmos que o valor dos imóveis rurais oferece o retorno esperado”.

O braço de “desenvolvimento” do negócio, segundo Nascimento, está focado em derrubar e queimar a vegetação nativa, preparar a terra para plantações como soja, cana-de-açúcar, milho ou pasto para gado, e criar infraestrutura como galpões e estradas internas. Antes da revenda do terreno, esses bens são comercializados por meio de firmas de commodities como Bunge, Cargill, Amaggi, Glencore e a processadora de carnes JBS.

No mês passado, reportagem da Agência Pública revelou como investidores, incluindo fundos de pensão americanos e um gigante do agronegócio argentino, podem estar ligados a negócios ilegais de terras e ao desmatamento na região do Cerrado por meio de suas participações na BrasilAgro.

A maior parte das propriedades da BrasilAgro fica na região do Matopiba , fronteira agrícola aberta para exploração na década de 1980 e que se estende pela fronteira entre os estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia no norte e nordeste do Brasil. Todos os 10 municípios com as maiores taxas de desmatamento no Cerrado estavam no Matopiba em 2021, de acordo com o INPE , o órgão federal que monitora o desmatamento no Brasil.

Quase metade da savana do Cerrado do Brasil, que abriga as nascentes de oito das 12 bacias hidrográficas do Brasil , incluindo a Amazônia, já foi perdida para plantações e pastagens.

A BrasilAgro é acusada por órgãos governamentais e organizações sem fins lucrativos de compartilhar a responsabilidade pela deterioração do Cerrado. Chain Reaction Research, um think tank com foco em commodities, diz que a empresa é responsável pelo desmatamento de quase 22.000 hectares (54.000 acres) de vegetação nativa de 2012-2017. A BrasilAgro também foi multada em 5,9 milhões de reais (US $ 1,1 milhão) pelo órgão de proteção ambiental, IBAMA, por desmatamento ilegal em uma área protegida no estado de Goiás.

Nascimento visitou três fazendas da BrasilAgro na Bahia em 2018. Próximo à fazenda Chaparral, no município de Correntina, ele encontrou a comunidade Capão do Modesto, que estava expulsa de sua casa original e vivia em condições precárias. “Essas empresas impactam indiretamente essas comunidades, estimulando outras empresas a comprar áreas e promovendo a concentração da terra nas mãos de poucas pessoas”, disse ele à Mongabay em uma vídeo chamada.

“Perto de uma propriedade da BrasilAgro havia algumas nascentes, e agora você vê a desertificação total. Você vê pivôs centrais gigantes, que são equipamentos para irrigar as plantações, sugando o lençol freático. ”

Terras como ativo financeiro

A BrasilAgro foi criada em 2005 e prosperou em meio à rápida financeirização das terras no Brasil após a crise econômica de 2008. “Embora os preços das commodities estivessem caindo no Brasil após a crise, o preço da terra não parava de subir. Aconteceu porque as empresas estão exigindo áreas para investir e não necessariamente para produzir ”, diz Fábio Pitta, professor da Universidade de São Paulo (USP) que há anos pesquisa o papel do investidor estrangeiro na destruição do Cerrado.

Apesar do nome, a BrasilAgro é controlada pelo grupo agroindustrial argentino Cresud, que detém cerca de 33% de suas ações. Este fato gerou outro problema judicial para a empresa, pois a legislação brasileira restringe a propriedade de terras por entidades estrangeiras.

Segundo Nascimento, o Cresud foi o pioneiro do modelo “terra como ativo financeiro” na América do Sul na década de 1990. No Brasil, fez parceria com Elie Horn, um dos mais influentes empresários imobiliários urbanos do país e dono da Cyrela, incorporadora e construtora de imóveis residenciais.

Quando a BrasilAgro foi listada na bolsa de valores B3 de São Paulo em 2006, deu uma ideia de como o futuro do negócio se tornaria promissor.

“Naquela época, a Brasilagro ainda não tinha ativos [terras]. Só tinha uma ideia, que era a comercialização e exploração de terras agrícolas. Mesmo assim, o IPO arrecadou mais de 550 milhões de reais ”, diz Nascimento, ou cerca de US $ 105 milhões na época. Seis anos depois de ter colocado suas ações no mercado, em 2012, a empresa seria listada na Bolsa de Valores de Nova York, tornando-se a primeira agropecuária brasileira em Wall Street .

Em declaração à Mongabay, a BrasilAgro disse que “todas as operações da empresa são realizadas dentro da lei” e que “qualquer declaração diferente desta é caluniosa e difamatória”. Segundo a empresa, o relatório da Chain Reaction Research não afirma que o desmatamento dentro de suas fazendas foi ilegal. Sobre a ação do IBAMA, a BrasilAgro disse “não se trata de atividade desenvolvida pela empresa” e que em primeira instância determinou o cancelamento da multa e do auto de infração. O IBAMA apelou da decisão.

ubs 2Desenvolvimento do portfólio de terras da BrasilAgro. Fonte: Pesquisa de reação em cadeia

Requisitos de sustentabilidade flexíveis

O negócio da BrasilAgro foi precedido por uma flexibilização dos critérios de exclusão ambiental do UBS. Até o final de abril, a regra era que todas as empresas financiadas no setor de soja deveriam ser certificadas pela  Mesa Redonda sobre Soja Responsável (RTRS) e “não estar sujeitas a críticas públicas não resolvidas pela RTRS”. Mas em 1º de maio, o UBS publicou novos critérios declarando que as empresas não precisavam mais ser certificadas, mas apenas “se comprometem de forma confiável com a RTRS ou um padrão semelhante”. Dois dias após a diluição total dos critérios de exclusão do UBS para o financiamento da soja, em 3 de maio, ocorreu o financiamento da BrasilAgro, que não faz parte da RTRS.

O negócio com a BrasilAgro também se destaca pela ferramenta financeira utilizada. O CRA (Certificado de Recebíveis do Agronegócio) é o chamado produto financeiro estruturado: no caso, um título que aposta especulativamente no preço futuro da commodity. Normalmente, isso significaria que o investidor não sabe quanto receberá ao final do investimento. O CRA, no entanto, é estruturado de forma que os investidores recebam uma remuneração regular além de seu aporte inicial. Parece complicado, mas “nada mais é do que [um] papel que diz: ‘Estou emprestando dinheiro para uma empresa que vai produzir algo e depois me devolverá com juros’”, segundo Pitta da USP.

Tomemos, por exemplo, um agricultor ou uma cooperativa que vende sua colheita com antecedência, antes mesmo da semente ser semeada. Eles emitem uma promessa de entrega em sua safra futura e, com essa garantia, vão para uma securitizadora que cria – geralmente com a ajuda de um banco de investimento – um CRA. Esse título é vendido no mercado de capitais aos investidores, para que o agricultor não precise esperar a colheita para receber seu dinheiro.

Esse seria um caso “clássico” de CRA. As empresas brasileiras, porém, estão inovando.

A BrasilAgro, por exemplo, tem garantido seus CRAs com debêntures, que são dívidas próprias. “É muito louco se você pensar que está respaldando uma dívida com outra dívida. Mas isso é muito comum no setor do agronegócio. Ela troca uma dívida mais cara por uma dívida mais barata, porque o CRA é isento de impostos, a debênture não. O CRA atrairá mais investidores ”, diz Pitta.

Carlos Augusto Lopes, CEO da Uqbar, um think tank brasileiro de finanças estruturadas, diz que os CRAs podem ser uma boa opção de financiamento para um grupo de pequenos agricultores. A realidade, porém, é que tem sido utilizado principalmente por empresas multinacionais.

“Quem na verdade está aproveitando esse mecanismo hoje são as grandes empresas por meio de debêntures, mas esperamos que esse mercado cresça na pequena e média [agricultura]”, disse ao Mongabay em vídeo chamada.

No caso de empresas como a BrasilAgro, o objetivo da emissão de CRAs é liberar caixa para comprar mais terras e repetir o processo. “Eles ampliam suas propriedades com a promessa de vendê-lo no futuro”, diz Nascimento.

Acumular dívidas sobre dívidas é uma questão de sobrevivência para as empresas do agronegócio. Como seus contratos são baseados no preço da commodity no mercado futuro, quando o preço sobe, a dívida também sobe. Segundo Pitta, é uma “corrida pelo endividamento”, que resulta na necessidade constante de exploração de novas áreas para lavouras.

“A empresa acaba contratando uma dívida que, para pagar, precisa produzir uma quantidade maior de soja do que poderia no momento em que contratou a dívida. Mas só funciona enquanto os preços estão subindo. Depois que a bolha estourou, ele diz, “todo mundo está endividado e muitos estão falidos”.

Futuro brilhante para um instrumento obscuro

Os CRAs foram emitidos pela primeira vez em 2009, mas têm crescido em popularidade nos últimos anos. Um fator é a força do agronegócio brasileiro, que respondeu por mais de um quarto do PIB nacional em 2020 e foi uma das poucas áreas econômicas que cresceu durante a pandemia. Ao mesmo tempo, os bancos públicos – que sempre foram os principais financiadores do setor – não estão mais atendendo à demanda. “Temos que encontrar fontes alternativas de financiamento e o mercado de capitais é uma saída natural”, diz Augusto Lopes.

Houve um número recorde de CRAs emitidos no ano passado no Brasil, no valor de 15,81 bilhões (US $ 3 bilhões), e parece que esse recorde será quebrado novamente este ano, já tendo atingido dois terços do recorde de 2020 até julho. O futuro parece brilhante, ainda mais desde que o Congresso aprovou um projeto de lei em abril do ano passado que permitia a emissão de CRAs em dólares, tornando-os mais atraentes para os investidores estrangeiros. “Estamos muito otimistas com esse mercado, que deve continuar crescendo fortemente nos próximos anos”, diz Augusto Lopes.

De acordo com uma revisão dos dados financeiros da plataforma Refinitiv, os CRAs são coordenados principalmente por bancos brasileiros. Dos bancos não brasileiros, no entanto, o UBS é de longe o mais ativo. Desde o início de sua joint venture com o Banco do Brasil em outubro passado, coordenou a emissão de sete CRAs no valor total de quase 2 bilhões (US $ 380 milhões). Outros clientes foram a empresa de bioenergia Tereos Açucar e Energia e o gigante da soja Grupo Scheffer .

O Grupo UBS não respondeu às perguntas do Mongabay sobre o impacto ambiental da BrasilAgro ou sobre seu papel no apoio aos CRAs. Com relação aos seus padrões ESG, a organização disse que irá “revisar e adaptar continuamente nossas diretrizes e padrões onde acharmos necessário”.

Risco de lavagem verde

Tanto o WWF Brasil quanto o Climatebonds veem grandes oportunidades nos CRAs para apoiar o agronegócio sustentável no Brasil. Eles apontam para a capacidade dos CRAs de vincular o agronegócio brasileiro a investidores internacionais, o que por sua vez “criou uma enorme demanda por títulos verdes”.

A realidade, entretanto, parece diferente. Não só o negócio com a BrasilAgro foi altamente polêmico, mas um olhar mais atento aos CRAs emitidos nos últimos meses mostra que os maiores vieram principalmente do setor de carne bovina, com os frigoríficos JBS, Minerva e Marfrig no topo da lista. Juntos, os três maiores frigoríficos do Brasil, eles cuidam de mais de 40% do abate de todo o gado na Amazônia. Segundo o Imazon, um instituto de pesquisas, a JBS é a que mais corre o risco de desmatamento em sua cadeia de abastecimento, com a Marfrig em quinto lugar e o Minerva em décimo.

Enquanto o banco parceiro do UBS, Banco do Brasil, coordenou dois grandes CRAs para o JBS nos últimos meses, o UBS BB ajudou a coordenar um CRA para a Marfrig em 15 de julho, avaliado em cerca de US $ 200 milhões.

Gerard Rijk, analista de ações da Chain Reaction Research e Profundo, uma consultoria de sustentabilidade com sede na Holanda, diz que embora seja possível emitir CRAs como títulos verdes ou sustentáveis, a maioria dos CRAs não tem nada a ver com sustentabilidade. “O UBS é particularmente forte em conectar investidores internacionais privados e institucionais a novas oportunidades de investimento”, diz ele. “E ainda muitos desses financiadores estão principalmente interessados ​​em rendimentos elevados, não principalmente em um impacto positivo sobre questões ambientais, sociais ou de governança.

ubs 3A BrasilAgro é supostamente responsável pelo desmatamento de quase 22.000 hectares (54.000 acres) de vegetação nativa em suas fazendas na região do Cerrado brasileiro. Imagem da BrasilAgro via Facebook .

Feedback: Use este formulário para enviar uma mensagem ao editor desta postagem. Se quiser postar um comentário público, você pode fazer isso na parte inferior da página.

Banner Image: Paisagem de Cerrado, caracterizada por árvores esparsas pontilhando uma cobertura contínua de gramado. Imagem de Alex Costa / Mighty Earth.

Nota do Editor: Uma versão anterior deste artigo afirmava que a BrasilAgro investiu o equivalente a US $ 43 milhões na fazenda Cremaq. O valor real era de US $ 4,3 milhões.

fecho

Este texto foi inicialmente escrito em inglês e publicado pelo Mongabay News [Aqui!].

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s