O agro é pó, e não pop… e tome “haboob caipira” para provar isso

haboob

A mídia corporativa até agora deu uma cobertura do tipo “passar o pano” para um intenso processo de invasão de nuvens de poeira que vem ocorrendo em Ribeirão Preto (SP) e outros municípios como Franca (que ficam a cerca de 80 km de distância  um da outro). Segundo informou de forma bem prosaica o jornalista Wanderley Preite Sobrinho para o site UOL, o fenômeno que está ocorrendo no coração do latifúndio agro-exportador brasileiro, que transformou a paisagem dos municípios atingidos em uma espécie de Dubai caipira, se chama “haboob” e resulta da ocorrência de fortes temporais de chuva com ventos fortes que, ao entrarem em contato com o solo seco, encontram resquícios de queimada, poeira e vegetação, os quais acabam criando um “rolo compressor” de sujeira que pode chegar a até 10 quilômetros de altura (ver vídeos abaixo).

O problema é que a matéria escrito Wanderley Preite Sobrinho “esqueceu” de mencionar que Ribeirão Preto e os municípios mais próximos têm a maioria das suas terras agrícolas destinadas principalmente ao plantio da monocultura da cana-de-açúcar, o que facilitou a ocorrência deste “haboob”, provavelmente porque os temporais encontraram muita terra nua após a colheita anual de grandes extensões desta lavoura. Assim, ainda que a situação do uso da terra seja ligeiramente diferente, a proximidade espacial fez o município, mais conhecido pelo plantio da monocultura do café, também sofresse os impactos deste fenômeno climático. Em comum, a remoção praticamente total da cobertura florestal.

E a questão aqui é simples: a persistência das grandes monoculturas (independente de qual seja a lavoura dominante) está no cerne da geração deste tipo de fenômeno que antes parecia destinado a ocorrer em regiões desérticas, mas que agora estão ocorrendo aqui mesmo no Brasil, em regiões que outrora eram ocupadas por grandes extensões de florestas, como era o estado de São Paulo até metade do século XX.

Esse “haboob caipira” é mais uma prova de que as mudanças climáticas estão ocorrendo em uma velocidade até maior do que a comunidade científica tem previsto. E quanto antes acordarmos para essa realidade, mais cedo iremos pensar seriamente em nos ajustarmos a um clima em ritmo de mudança acelerada.

Voltando à matéria de Wanderley Preite Sobrinho, uma parte hilária da mesma é sobre um pedido da Sabesp para que as pessoas não lavem a calçada para tirar a poeira trazida pelo haboob. O problema é aqui, lavar com qual água se a região passa por uma gravíssima crise hídrica? 

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s