Fascismo nunca mais

200.000 pessoas protestam em Roma após um ataque da extrema-direita ao prédio de um sindicato

cgilManifestantes em Roma pedem o banimento das organizações neofascistas. Foto: dpa / Andrew Medichini

Por Anna Maldini, de Roma, para o Neues Deutschland

Balões azuis, verdes, brancos e vermelhos, pirotecnia e dezenas de milhares de pessoas – um grande comício antifascista aconteceu em Roma no sábado, que foi convocado pelos sindicatos. Foi decidido uma semana atrás, um grupo de neofascistas invadiu a sede da maior federação sindical CGIL e parcialmente a devastou. Os organizadores falaram de 200.000 italianos presentes e a mídia italiana relatou 50.000 participantes.

O fato de o rali ter ocorrido no dia 16 de outubro foi certamente uma coincidência. Mas essa data está gravada profundamente na memória coletiva da cidade desde 1943. Naquele dia, as forças de ocupação alemãs, junto com fascistas italianos, invadiram o bairro judeu. 1.024 pessoas foram amontoadas em vagões e levadas para Auschwitz. Apenas 16 sobreviventes voltaram para sua cidade natal. Todos os outros morreram no caminho para o campo de extermínio ou foram assassinados lá. Praticamente todos os palestrantes no comício de San Giovanni se lembraram disso, e o grito “Nunca mais!” Soou repetidamente.

“Uma manifestação antifascista não é uma manifestação contra ninguém”, disse o presidente da CGIL, Maurizio Landini. “É um rali para todos, concordem ou não. É uma manifestação pela democracia, pela nossa constituição, que só foi possível porque lutamos e derrotamos o fascismo ”. Agora é hora de acabar com a“ violência política ”. “Os grupos neofascistas devem ser banidos, de agora em diante.”

Os participantes vieram de toda a Itália com 800 ônibus, dez trens especiais e até aviões e navios. O ataque ao prédio do sindicato causava grande consternação em todos os lugares, pois – e isso também foi enfatizado pelos palestrantes – algo assim não acontecia há 100 anos.

“Este não foi um ataque a um sindicato”, disse Landini, chefe da CGIL. “Foi um ataque a todos os sindicatos, a todos os trabalhadores e não apenas na Itália.” Horas depois da corrida em Roma. Luca Visentini, secretário-geral da Confederação Europeia dos Sindicatos (CES), que conta com mais de 45 milhões de membros, também falou na manifestação e expressou a sua solidariedade para com os camaradas italianos. Landini destacou que é preciso construir uma rede antifascista e democrática em toda a Europa: “Aprendemos que a democracia não se exporta com armas, mas com trabalho e direitos. Fomos atacados apenas por este papel

Alguns políticos se misturaram aos italianos “normais” de todo o país. Não só os representantes dos partidos claramente de direita, mas também os dos partidos de centro como o Forza Italia de Silvio Berlusconi, que pelo menos sempre tiveram o antifascismo nas suas bandeiras, brilharam com a sua ausência. Nestes dias, no entanto, eles têm afirmado repetidamente que uma manifestação contra todas as formas de violência, incluindo aquelas contra a extrema esquerda, deveria ter sido organizada. O ex-primeiro-ministro Massimo D’Alema respondeu indiretamente: “A violência fascista não é qualquer violência, mas a violência que surge do totalitarismo que foi proibido por nossa constituição – de uma constituição que emergiu da vitória sobre o totalitarismo fascista emergiu”.

Nos últimos dias, houve tumultos na Itália porque o governo decidiu que todo trabalhador deve ter um certificado de vacinação ou um resultado negativo do teste para ter permissão para entrar no local de trabalho. Este regulamento não foi apenas rejeitado por aqueles que se opõem à vacinação. Os sindicatos também exigem que pelo menos os exames que as pessoas não vacinadas devem fazer sejam gratuitos.

Enquanto os antifascistas tomavam as ruas em Roma, revoltas estouraram novamente em Milão, nas quais grupos neofascistas travaram verdadeiras batalhas de rua com a polícia. Uma semana atrás, o grupo de neofascistas bem conhecidos que então invadiram o prédio do sindicato havia se retirado de tal manifestação contra o chamado Passe Verde. A maioria pertencia ao partido Forza Nuova, cuja proibição agora foi pedida.

Muitos alunos e estudantes também participaram do comício sindical em Roma. Eles declararam: “Viemos a Roma de toda a Itália porque consideramos esta manifestação necessária e urgente: Somos da opinião que todas as organizações neofascistas devem ser absolutamente proibidas e suas cadeiras fechadas!”

compass

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo jornal “Neues Deutschland” [Aqui! ].

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s