Capitalismo fóssil: Com greenwashing, bilionario busca “lavar” a imagem da Shell

Acionista quer dividir a multinacional petrolífera anglo-holandesa Royal Dutch Shell. Áreas de negócios “verdes” em foco

shellO Grupo Shell está em busca de uma imagem melhor e está anunciando, como aqui na cidade alemã Wesseling, perto de Colônia, investimentos em tecnologia de hidrogênio (2 de julho de 2021)

Por Gerrit Hoekman para o JungeWelt

A notícia foi uma surpresa: o multibilionário norte-americano Daniel Loeb quer dividir a multinacional petrolífera anglo-holandesa Royal Dutch Shell. O Wall Street Journal noticiou esta intenção no final da semana passada. Loeb sozinho certamente não tem o poder de dividir a Shell; já que seu fundo de hedge, o “Third Point”, detém apenas cerca de meio por cento das ações da empresa. No entanto, sua ideia também inspira muitos outros acionistas.

Recentemente, a “Third Point” adquiriu ações da Shell avaliadas entre € 430 milhões e € 650 milhões, como estimou o Wall Street Journal . Loeb agora está pedindo medidas drásticas. Em carta aberta, ele propõe dividir a multinacional do petróleo em pelo menos duas empresas. Um opera com tudo o que tem a ver com petróleo, o outro com fontes renováveis ​​de energia inclusive gás liquefeito.

Os modelos de papel de Loeb são os gigantes alemães da eletricidade RWE e Eon, que há muito consistem em duas empresas. Um para o negócio “fóssil”, outro para “lavagem verde”. Em essência, trata-se de saber o que mais dinheiro pode ser feito no futuro: com petróleo e gás ou com energia de fontes renováveis. Loeb tem certeza de que o valor dos campos de petróleo cairá em breve e que a Shell terá que cultivar rapidamente uma nova área de negócios. Sem dúvida, há uma pressão crescente sobre empresas que, como a Shell, vêm ganhando muito dinheiro com combustíveis fósseis há mais de 100 anos. As leis estão se tornando mais rígidas, os preços do CO2 estão subindo – pelo menos um pouco. Na primavera, um tribunal de Haia condenou a Royal Dutch Shell a reduzir suas emissões em 45% até 2030 em comparação com 2019.

No entanto, a equipe de gerenciamento da Shell não está convencida da estratégia de Loeb. “Nosso negócio de petróleo e gás financiará uma parte muito importante da transição energética”, disse o financista holandês Dagblad, citando o CEO Ben van Beurden na sexta-feira. Uma divisão só retardaria a transformação, acrescentou van Beurden.

A Shell ainda está sob pressão: na semana passada, o maior fundo de pensão holandês, o ABP, no valor de 550 bilhões de euros, anunciou que se retiraria de todas as empresas que investem em combustíveis fósseis. Também da Shell. O grupo de interesse »Fossielvrij« desempenhou um papel importante na mudança de atitude com a sua campanha »Pare de financiar a crise climática!«

A decisão veio do nada para o conselho de administração da Shell. “Soubemos disso nas notícias”, admitiu van Beurden na quarta-feira, de acordo com o jornal holandês Nu, na Internet . Ele não tem entendimento para a decisão do fundo de pensão: “Isso é uma política simbólica que nada contribui para a transição energética”.

As propostas de Loeb podem atingir o nervo de alguns investidores. Não apenas fundos de pensão com consciência ambiental, mas também cada vez mais pequenos investidores estão brincando com a ideia de deixar o fedorento navio Royal Dutch Shell porque a crise climática os está fazendo se sentirem culpados. Além disso, a lei férrea da Bolsa de Valores de Amsterdã – “Nunca venda a Shell!” – não se aplica mais sem restrições.

Os números publicados na semana passada na sede em Haia, relativos ao terceiro trimestre de 2021 também não causam aplausos: 385 milhões de euros de perdas. Outras multinacionais de petróleo, como Exxon Mobil ou Chevron, tiveram lucros durante o mesmo período, informou a revista da bolsa de valores Der Aktionär na quinta-feira. A própria Shell também faturou 2,9 bilhões de euros no segundo trimestre de 2021. Em setembro, o grupo vendeu seu campo de petróleo na Bacia do Permian, nos Estados Unidos, responsável por 6% do petróleo da Shell, por 8 bilhões. A maior parte da receita da venda deve ser paga aos investidores e não aplicada na conversão neutra para o clima.

No final das contas, porém, a empresa não poderá mais evitar se reinventar. “A Shell já não consegue colocar a rolha na garrafa”, está convencido Derk Loorbach, professor de economia social da Universidade Erasmus em Roterdão, na sexta-feira no Financieele Dagblad .

compass

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo jornal “JungeWelt” [Aqui!].

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s