Pare de descrever ensino como uma ‘carga’

As universidades deveriam recompensar o ensino mais do que os resultados da pesquisa, diz Peter Copeland

carga load
Os estudantes não são um fardo para as universidades, argumenta Peter Copeland. Crédito: Getty

Por Peter Copeland para a Nature

Acadêmicos universitários são frequentemente questionados: “O que você ensina?” Embora alguns respondam tocando em algum aspecto de sua especialidade, muitas vezes a resposta mais honesta seria “o mínimo possível”.

A fonte dessa atitude é fácil de ver na linguagem acadêmica: o ensino, em particular o ensino de graduação, é muitas vezes referido como uma ‘carga’ – implicitamente, um fardo – e a recompensa por suportá-lo é muitas vezes pequena em comparação com outras responsabilidades , como pesquisa ou administração.

Apesar de já terem sido estudantes, a maioria dos acadêmicos das universidades de pesquisa começa suas carreiras focando não no ensino, mas na pesquisa. Eles entendem que a maioria das avaliações de posse terá pouco a ver com o que acontece na sala de aula. Espera-se excelência em pesquisa, mas o padrão para o ensino é menor e a ligação entre as duas atividades geralmente é fraca.
Quando comecei minha carreira acadêmica, há mais de 30 anos, aspirava ao meu trabalho atual não pelo desejo de ensinar, mas por uma aspiração de entender o mundo de novas maneiras por meio da minha ciência. Não aconteceu muita coisa no início da minha carreira para modificar esse ponto de vista; para mim, o ensino era um obstáculo ao trabalho acadêmico ‘adequado’: a pesquisa.

A cultura institucional parecia concordar comigo. Não recebi nenhuma instrução formal sobre como ensinar, mas foram oferecidos workshops destinados a me ajudar a obter mais financiamento externo. Isso gerou certa tensão em minha sala de aula, porque me parecia que, embora esperasse que eu gastasse um bom tempo preparando e ministrando meus cursos, esse trabalho não importaria em minhas avaliações. Os alunos puderam sentir essa tensão. No entanto, a situação melhorou quando percebi que a melhor maneira de ensinar é relaxar, e que eu poderia relaxar porque a instituição não estava prestando muita atenção – então minha carreira não estaria em risco se eu cometesse um erro em sala de aula. Perceber que os únicos que precisavam estar satisfeitos éramos eu e meus alunos me ajudou a me acalmar. O ‘fardo’ foi aliviado e comecei a encarar o ensino como uma oportunidade.

À medida que fiquei mais confortável, comecei a discutir minha pesquisa nas aulas de graduação ao lado do material padrão do curso. Isso deu aos alunos mais interesse em uma parte da universidade que muitas vezes é opaca para eles e, como resultado, vi melhores perguntas e mais engajamento. Também deu um impulso à minha pesquisa. Convidar até mesmo os alunos mais novos para um lugar na minha mesa de pesquisa me forçou a ver as questões de novas maneiras. Isso me ajudou a valorizar mais a educação que eu estava oferecendo. Também me ajudou a contribuir – tanto em laboratório quanto em campo – para minha disciplina por meio de colaborações que poderiam não ter acontecido tão facilmente de outra forma, com o benefício adicional de transformar colegas de outras universidades em amigos.

Ironicamente foi só quando aceitei que ensinar não era valorizado que me tornei um professor melhor. No entanto, este pode não ser o melhor caminho para todos. Quanto à questão de como melhorar o ensino nas universidades de pesquisa, a instrução formal em pedagogia pode não ser a ferramenta mais eficiente, embora provavelmente não faça mal. Talvez tudo o que seja necessário é que os reitores enviem a mensagem de que se seu ensino não está aprimorando sua pesquisa e vice-versa, você não está fazendo nenhum dos dois corretamente. Motivar as pessoas com o que elas já valorizam é mais fácil do que fazê-las se importar com outra coisa. Vincular melhor ensino a pesquisa aprimorada pode ser mais motivador do que explicar aos acadêmicos que seus programas de pesquisa podem não existir sem alunos de graduação para ajudar a pagar as contas.

Os acadêmicos em geral e os administradores universitários em particular devem parar de pensar e se referir ao ensino como uma ‘carga’. Para ajudar a normalizar essa abordagem, recomendo que, após uma avaliação rigorosa do ensino e da pesquisa, as promoções e aumentos salariais sejam baseados na menor das duas avaliações. As universidades deveriam encorajar a grandeza, mas deveria ser impossível ser considerado um grande professor se não for bom tanto no ensino quanto na pesquisa. Essa mentalidade melhoraria as universidades da maneira mais ampla. Quando os acadêmicos explicam o que sabemos e não sabemos de nossa pesquisa de alto nível, os alunos ficam mais bem informados e novas pesquisas também podem ser geradas. Todos ganham. Todos faríamos bem em lembrar que os alunos não são um peso para carregar: pelo contrário, eles podem elevar nosso trabalho.

doi: https://doi.org/10.1038/d41586-022-00145-z

Este é um artigo da Nature Careers Community, um lugar para os leitores da Nature compartilharem suas experiências e conselhos profissionais. Postagens de convidados são incentivadas.

color compass
Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pela Nature [Aqui! ].

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s