Mais carvão para Berlim

Em busca de um substituto para as importações da Rússia, a Alemanha está de olho na Colômbia

cerrejon

As pessoas ao redor da mina a céu aberto de Cerrejón sofrem com a extrema escassez de água causada pelo consumo que suas operações acarretam

Por Frederic Schnatterer

Atualmente o protesto está rolando, pelo menos online: várias organizações como “Unidas por la Paz Alemanha” ou o Escritório Ecumênico para Paz e Justiça de Munique (Öku-Büro) lançaram a campanha “Vida em vez de carvão” na segunda-feira passada. Entre outras coisas, com uma carta aberta, eles protestam contra o aumento planejado no volume de importação de carvão duro colombiano para a Alemanha. Em vez disso, as organizações estão pedindo o “fim da expansão das atividades extrativistas e violações sistemáticas de direitos humanos contra comunidades indígenas e afro na Colômbia”.

O que aconteceu? Em 6 de abril, o chanceler Olaf Scholz (SPD) e o presidente colombiano Iván Duque falaram ao telefone, entre outras coisas, sobre a guerra na Ucrânia. No contexto das sanções ocidentais contra a Rússia, eles também concordaram em aumentar as exportações de carvão da Colômbia para a Alemanha. Isso pretendia “superar os atuais gargalos de energia” e garantir a “segurança energética” da Alemanha no caso de as importações de carvão russo serem interrompidas, de acordo com um comunicado de imprensa do Gabinete Presidencial colombiano.

Apenas um dia depois, em 7 de abril, os países da UE decidiram um embargo de carvão contra Moscou. Após um período de transição, não será importado mais carvão russo a partir de agosto. Isso definitivamente pode se tornar um problema para a Alemanha: além de quantidades significativas de gás natural, a República Federal da Alemanha até agora também recebeu cerca de 50% de seu carvão da Rússia – em 2020, as importações totalizaram 31,82 milhões de toneladas. Apesar da planejada eliminação do carvão, a geração de energia a partir de hulha e linhita está atualmente sendo expandida em vista de uma possível parada de importação de gás natural russo.

Diante disso, o governo federal está tentando encontrar um substituto – e é aí que a Colômbia entra em cena. Embora o país sul-americano tenha ficado um pouco para trás nos últimos anos, as importações alemãs de carvão da Colômbia já somavam 1,3 milhão de toneladas em março – um aumento de 47,3% em relação ao ano anterior. As previsões da indústria, mencionadas pelo jornal distrital em 23 de abril, dizem que a Indonésia e a Austrália, que estão entre os maiores exportadores de carvão do mundo, atingiram os limites de produção, tornando o carvão colombiano ainda mais importante para a UE e a Alemanha deve vencer.

Os mais importantes promotores da hulha colombiana se beneficiarão com isso: as corporações Drummond no departamento de Cesar e a multinacional Glencore com sede na Suíça, que é a única proprietária da mina a céu aberto Cerrejón no departamento de La Guajira desde o início do ano . Já em 2021, o preço no mercado mundial de uma tonelada de hulha subiu para 200 dólares americanos (cerca de 190 euros). Em março, um preço de US$ 406 por tonelada era devido – então não é de se admirar que a Glencore queira aumentar a produção em Cerrejón novamente depois que houve discussões ruidosas sobre o fechamento da mina a céu aberto no ano passado.

Embora haja um clima de corrida do ouro entre os acionistas, a maioria da humanidade – especialmente no Sul Global – está sofrendo as consequências das sanções ocidentais contra a Rússia. Isso inclui as pessoas ao redor do Cerrejón. La Guajira, na costa nordeste do Caribe, é o departamento mais pobre da Colômbia, principalmente as comunidades indígenas Wayúu, que sofrem com a extrema escassez de água causada pela mineração a céu aberto, que as obriga a se deslocar de suas áreas tradicionais. Além disso, há relatos de doenças respiratórias entre a população local – especialmente entre crianças e idosos – que se diz serem devidas à poeira fina liberada pela detonação na mina a céu aberto.

Por outro lado, as pessoas que resistem à expansão da mineração a céu aberto vivem perigosamente e são repetidamente vítimas de ataques. Em 20 de abril, o jornal colombiano El Heraldo noticiou ameaças contra ativistas ambientais que fazem campanha contra o desvio do Córrego Bruno, um dos poucos mananciais remanescentes das comunidades Wayúu. Um dia depois de Scholz e Duque falarem, o governo colombiano deu permissão a Cerrejón para desviar o riacho para expandir a mineração até o leito do rio.


compass black

Este texto foi originalmente escrito em alemão e publicado pelo jornal “JungeWelt” [Aqui!].

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s