Conversão de florestas em pastagens devasta a Amazônia brasileira

actividades-humanas-Amazonas-996x567

Visão impressionante da magnitude do desmatamento da Amazônia no estado brasileiro do Maranhão Crédito da imagem: Felipe Werneck (Ibama)/Flickr , sob licença Creative Commons (CC BY-SA 2.0)

“Não sabemos nem medir o impacto do corte de uma árvore na biodiversidade , e na Amazônia estamos falando de milhares de quilômetros quadrados de desmatamento”, disse Niro Higuchi, cientista do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, em Manaus , disse SciDev.Net .

Higuchi, que não participou da pesquisa do PNAS, considera importante que a ciência se preocupe em explicar as causas do desmatamento, “porque sem essa informação não podemos prever os rumos desse fenômeno”.

Ele também destacou a necessidade de incorporar o estudo das trocas de água e carbono entre as florestas e a atmosfera e saudou a inclusão da biodiversidade no artigo.

O objetivo da pesquisa foi justamente medir os diferentes níveis de impacto sobre os componentes da ecologia amazônica, como biodiversidade, estoques de carbono e qualidade do solo. Os pesquisadores constataram que a biodiversidade é o componente ecológico mais afetado por todas as atividades humanas avaliadas.

Agricultura mecanizada , pastagens para alimentação de gado, corte e queima da Amazônia são outras atividades humanas que contribuem para o desmatamento e degradação florestal na Amazônia brasileira, embora cada uma tenha efeitos diferentes.

Assim, a transformação do solo amazônico em pastagens diminuiu a diversidade de espécies entre 18 e 100 por cento. Além disso, a magnitude das terras afetadas por essa transição chega a uma média de 24.000 quilômetros quadrados por ano. Dessa forma, torna-se a única atividade classificada como de alto impacto e com maior prevalência.

No entanto, eles também chamam a atenção para as transições da floresta tropical para a agricultura mecanizada. Nesses casos, o impacto ecológico na floresta amazônica foi o mais alto, com redução de 100% na diversidade de árvores e cipós, além de -77,9% de aves, entre outros componentes. No entanto, seu nível de ocorrência é menos frequente.

Através de suas pesquisas nas paisagens de selva de Santarém e Paragominas no estado do Pará, no norte do Brasil, eles também determinaram que as florestas secundárias (terras desmatadas em processo de regeneração) são áreas cuja proteção é de extrema importância nos esforços para regenerar a Amazônia Brasileira.

“Florestas secundárias com 20 anos podem ter níveis de biodiversidade e estoques de carbono quase semelhantes às florestas primárias [aquelas sem intervenção humana]. É importante deixá-los amadurecer e protegê-los.”

Cássio Alencar, Universidade Federal de Lavras, Brasil, e Lancaster University, Reino Unido

Dessa forma, os autores pretendem oferecer evidências robustas para subsidiar a tomada de decisões sobre conservação e regeneração de florestas tropicais no Brasil.

“Florestas secundárias com 20 anos podem ter níveis de biodiversidade e estoques de carbono quase semelhantes às florestas primárias [aquelas sem intervenção humana]. É importante deixá-los amadurecer e protegê-los”, destaca o líder da pesquisa, Cássio Alencar.

Nesses tipos de paisagens, a diversidade de árvores altas dobrou, enquanto o número de árvores pequenas aumentou 55%.

“Estamos tentando trazer esses resultados para a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas para destacar a importância de levar em consideração a perda de biodiversidade, não apenas a perda de serviços de carbono”, continua o pesquisador da Universidade Federal de Lavras, no Brasil. Lancaster University do Reino Unido.

Desmatamento continua a aumentar na Amazônia

De acordo com o Sistema de Alerta de Desmatamento, publicado mensalmente pelo Instituto do Povo e Meio Ambiente da Amazônia, em maio deste ano a área de território desmatado no Brasil aumentou 31% em relação a maio de 2021. Os mais afetados são os estados do Brasil. Amazonas, Pará, Mato Grosso, Rondônia, Acre e Maranhão.

Por outro lado, as áreas florestais degradadas (que sofreram alguns danos enquanto permanecem floresta tropical) aumentaram 67% em relação a maio de 2021.

O desmatamento é um fenômeno que atinge todos os países por onde se estende a floresta amazônica. De acordo com o Projeto de Monitoramento da Amazônia Andina, Brasil, Bolívia, Peru e Colômbia concentraram os maiores níveis de danos à floresta tropical em 2021.

Naquele ano, a Bolívia perdeu 161.000 hectares de floresta primária devido ao desmatamento. O Peru, por sua vez, viu a extensão de sua floresta diminuir em 132.400 hectares e a Colômbia em 98.000 hectares.

Cássio Alencar e sua equipe visitaram 310 parcelas para realizar o estudo. Ele descreve a experiência de entrar em uma área danificada pelo desmatamento como uma visão silenciosa: “Às vezes você encontra uma floresta vazia. Você não vê os animais, você não os ouve. É assim que se sente quando uma floresta foi danificada.”

Link para estudo completo no PNAS


compass black

Este texto escrito originalmente em espanhol foi publicado pela SciDev [Aqui!].

Um comentário sobre “Conversão de florestas em pastagens devasta a Amazônia brasileira

  1. Pingback: Conversão de florestas em pastagens devasta a Amazônia brasileira | Blog do Zé Baixinho

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s