Estudo mostra que zonas húmidas estão sendo altamente afetadas pela “pegada humana”

humedales-Brasil-2-996x567

A interação humana gera mudanças ambientais e impactos socioeconômicos nas comunidades ribeirinhas que veem sua oferta pesqueira reduzida. Crédito da imagem: Cortesia de Janet Higuti/Universidade Estadual de Maringá Grupo de Pesquisa em Limnologia, Ictiologia e Aquicultura, para SciDev.Net

Isso é demonstrado por um estudo publicado na Nature Ecology & Evolution, à luz de cujos resultados os autores recomendam abordar urgentemente a redução da pressão humana nas zonas úmidas . Segundo os autores, essa interação gera mudanças ambientais e também impactos socioeconômicos, uma vez que a oferta de pescado para as comunidades ribeirinhas é reduzida.

As zonas úmidas estão entre os ecossistemas mais diversos e produtivos do mundo.

Para chegar a esses resultados, os pesquisadores coletaram dados ao longo de dois anos de 1.465 plantas, animais e microrganismos diferentes de 72 lagos que cobrem quatro grandes áreas úmidas neotropicais no Brasil (Amazônia, Araguaia, Pantanal e Paraná).

Juntos, eles compreendem 3,7 milhões de quilômetros quadrados nos quais são realizadas diferentes intervenções humanas, que foram medidas em sete diferentes manifestações: edificações, lavouras, pastagens, densidade humana, iluminação noturna, ferrovias, estradas e cursos d’água navegáveis.

Os resultados mostraram que há uma diminuição na riqueza de espécies e na variedade de funções ecológicas (ou diversidade funcional) desses ecossistemas à medida que a “pegada” humana aumenta.

“É a primeira evidência, com dados empíricos para ambientes aquáticos, de que o que acontece no terreno ao redor realmente tem um efeito muito importante sobre o que vive na água nesses sistemas”.

Roger Mormul, Universidade Estadual de Maringá, Brasil

A chamada multifuncionalidade das zonas úmidas – ou seja, a capacidade de fornecer múltiplas funções e serviços – foi quantificada por meio de 11 variáveis, incluindo concentração de nutrientes (nitrogênio e fósforo), metabolismo, biomassa de diferentes níveis tróficos, densidade de células bacterianas, disponibilidade de luz , e variação na complexidade do habitat subaquático.

Os resultados sugerem que a capacidade de organismos menores de promover a multifuncionalidade foi afetada negativamente pela pressão humana, enquanto organismos maiores, menos impactados, são importantes para manter a função do ecossistema em um mundo dominado pelo homem.

Das quatro áreas analisadas, o pantanal paranaense, que sofre a maior pressão antrópica, também foi o mais afetado com perda de biodiversidade e multifuncionalidade. São 150 barragens construídas no rio Paraná, e entre seus afluentes está o rio Tietê, que corta a região de São Paulo, onde vivem 21 milhões de pessoas.

“É a primeira evidência, com dados empíricos para ambientes aquáticos, de que, de fato, o que acontece no terreno circundante tem um efeito muito importante sobre o que vive na água nesses sistemas”, diz o biólogo Roger Mormul, da Universidade Estadual de Maringá, Brasil, um dos autores do artigo.

Pesquisadores no processo de coleta de dados de sete grupos taxonômicos em 72 lagos em quatro planícies de inundação no Brasil: Amazônia, Araguaia, Pantanal e Paraná. Crédito da imagem: Cortesia de Roger Paulo Mormul para SciDev.Net

Segundo o pesquisador, estudos como esse, embora já sugerissem a mesma conclusão, haviam sido realizados principalmente em ambientes terrestres e em níveis experimentais.

Para o geógrafo Marcos Pedlowski, da Universidade Estadual do Norte Fluminense, Brasil, que não participou do estudo, contribui para o debate sobre a importância da biodiversidade no funcionamento dos ecossistemas, adotando uma nova abordagem.

“Eles conseguiram trabalhar a questão da diversidade e dos serviços prestados ao sistema numa perspectiva intra e interespécies. Essa é uma discussão importante porque estamos vivenciando uma série de processos e mudanças drásticas na cobertura do solo em escala global, como escassez de água e mudanças climáticas ”, afirma.

Segundo Mormul, a equipe agora trabalha na investigação do impacto da pressão humana sobre a biodiversidade e a multifuncionalidade de outros tipos de ecossistemas. Em breve será publicado um estudo com riachos da Amazônia e dos pampas uruguaios.

“A conclusão é basicamente a mesma: a perda de biodiversidade está afetando o funcionamento dos ecossistemas e existe um mecanismo relacionado às atividades humanas”, diz.

 Link para artigo na Nature Ecology & Evolution


compass black

Este texto escrito originalmente em espanho foi publicado pela SciDev [Aqui!].

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s