Com a reforma da previdência conclusa, o Brasil é o Chile amanhã

chile amanhãRevolta popular no Chile tem como combustível o cansaço com décadas de políticas neoliberais

Na noite passada, o Senado Federal completou o trâmite da chamada “Reforma da Previdência”, o que representa um estupendo sucesso das políticas ultraneoliberais emanadas da equipe do ministro da Fazenda Paulo Guedes. Compreensivelmente, a aprovação foi recebida com entusiasmo pelo presidente do Jair Bolsonaro que se encontra do outro lado do mundo em uma mal explicada viagem de negócios.

Enquanto isso, o presidente do Chile, Sebastian Pinera, ensaia um recuo no uso das forças armadas do Chile para conter a revolta popular contra décadas de execução de políticas ultraneoliberais, as quais possuem na reforma da previdência imposta sob a ponta de baionetas pelo ditador Augusto Pinochet, a qual é costumeiramente apresentada como o modelo que passará a vigorar no Brasil a partir de agora.

Tivessem um mínimo de senso de oportunidade, os senadores que concluíram a reforma da previdência de Bolsonaro e Guedes teriam esperado um pouco mais pelos desdobramentos da crise chilena para “fechar o caixão” da reforma da previdência. Pelo menos teriam mostrado um senso mínimo do risco que estão criando para a estabilidade social futura no Brasil. 

É que, apesar de não haver nenhuma reação massiva contra o solapamento dos direitos previdenciários que a reforma Bolsonaro/Guedes representa, isso se dá por um simples motivo: a maioria dos brasileiros estão hoje preocupados com a sua sobrevivência mínima na base de um dia para outro. Por isso, também em graças à desinformação propositalmente disseminada acerca dos impactos draconianos desta “reforma” e à desmobilização dos partidos que se proclamam de esquerda, que preferem ficar trancados no parlamento em vez de procurarem as ruas, os trabalhadores brasileiros estão desinformados do que efetivamente foi aprovado.  Acrescido a esses fatores ainda há a inexplicável desmobilização das principais centrais sindicais que jamais agiram para informar e mobilizar os trabalhadores. 

Para ajudar a compor esse cenário de paralisia há ainda o fato de que as pessoas só terão a correta noção do que foi aprovado quando começarem a tentar a se aposentar. Nesse momento se descobrirá que não haverá a justa e devida garantia de dignidade após décadas de trabalho. O fato é que quanto mais avançarmos no tempo, mais claro ficará para os atingidos por esta “reforma” o tamanho da tunga que se está se impondo sobre a aposentadoria dos trabalhadores brasileiros. Em outras palavras, o Brasil está sentado em uma imensa bomba de tempo, e que não há como impedir a detonação enquanto prevalecerem as atuais doutrinas ultraneoliberais no seio do governo federal.

Por isso, sugiro que todos olhem bem para as cenas de extrema violência que estão ocorrendo no Chile neste momento, onde nem a ação truculenta e mortal das forças armadas está restabelecendo a “paz social” naquele país.  De várias formas, mas especialmente por causa da natureza do pacote de reformas anti-populares que o governo Bolsonaro está impondo aos brasileiros, o Brasil é o Chile amanhã ou, se preferirem, o Chile é o Brasil amanhã. O problema é que por aqui talvez não haja sequer tempo para se executar o tipo de recuo que o presidente Sebastian Pinera está anunciando para aplacar a ira dos chilenos.

E que ninguém fique acreditando na ladainha de que um cenário semelhante ao chileno nunca ocorrerá no Brasil por causa da natureza apática dos brasileiros. A história do Brasil está repleta de revoltas populares que só foram derrotadas após o uso da violência extrema pelo governo central.  

Por onde andavam as centrais sindicais enquanto o governo Bolsonaro destruía a previdência social?

reforma 1Sem o apoio político e a mobilização de centrais sindicais e movimentos sociais, a bancada de oposição levou uma goleada de 379 a 131 na votação da contrarreforma da previdência.

Passei a tarde toda acompanhando a precária cobertura online que foi oferecida tanto pela mídia corporativa quanto pelos portais e blogs da chamada mídia alternativa. Enquanto se preparava o massacre da previdência social, algo que estava explicitamente óbvio da cobertura da mídia era que as principais centrais sindicais brasileiras não estavam do lado de fora se manifestando de forma massiva para inocular algum tipo de preocupação no coração dos nobres deputados que puderem assim em maioria esmagadora aprovar o projeto de contrarreforma que o governo Bolsonaro preparou para alimentar o sistema de especulação financeira que hoje asfixia a economia brasileira.

O placar final pela aprovação do chamado texto principal foi de 379 votos a favor e 131 votos contra, um verdadeiro baile da agenda de destruição da previdência social pelo governo de extrema-direita do presidente Jair Bolsonaro.

Mas é interessante notar que este placar nos remete a um número muito similar que foi o do impeachment da presidente Dilma Rousseff.  Assim, nada de novo na capacidade das forças de direita mobilizarem um batalhão de deputados cuja compreensão das dimensões de determinadas decisões beira o zero.

Por isso, se há que se olhar para um lugar onde devem ocorrer correções para os graves embates sociais que ocorrerão em um futuro não muito distante é justamente dentro do sistema sindical e dos movimentos sociais que ontem, como já havia ocorrido no impeachment de Dilma Rousseff,  não se organizaram para defender conquistas duramente conquistadas pela classe trabalhadora brasileira. É neste e deste campo que precisamos cobrar explicações, de modo a que os seus dirigentes parem de fazer pose de estátua enquanto se amplia o massacre sobre os pobres brasileiros.

Uma curiosidade sobre a votação de ontem foram os votos dos deputados Tábata Amaral (PDT/SP) e Tiririca (PL/SP).  É que enquanto a primeira, muito festejada por segmentos da esquerda por sua participação na derrubada do pífio ministro da Educação  Ricardo Vélez-Rodriguez, votou a favor da destruição da previdência social dos trabalhadores, o segundo foi o único deputado do seu partido a votar contra. Esses dois votos mostram bem como o parlamento brasileiro não é um lugar onde pode se cair na primeira impressão ou esperar coerência.  Por isso mesmo a importância da organização popular e o fim de qualquer esperança de que o parlamento é um veículo útil para a luta dos trabalhadores e da juventude.

Finalmente, ficou demonstrado que a tal “nova política” do presidente Jair Bolsonaro só serve mesmo para iludir seus eleitores, pois na hora que foi preciso o que valeu mesmo foi a velhíssima política do tomá lá, dá cá.  E segue o cortejo!

A “reforma” que irá jogar o Brasil de volta para o Século 19

reforma_previdencia

Deputados da base do governo Bolsonaro celebram aprovação da contrarreforma da previdência na Comissão de Constituição e Justiça da Cãmara de Deputados.

A contrarreforma da Previdência que estará sendo aprovada no dia de hoje em primeiro turno por um Câmara de Deputados totalmente conservadora representa um golpe duríssimo para a classe trabalhadora brasileira. Somada à contrarreforma trabalhista e a chamada PEC do Teto de Gastos, a contrarreforma da Previdência evapora com os parcos instrumentos de justiça social que foram consagrados pela Constituição Federal de 1988.

A economia de R$ 1 trilhão que o governo Bolsonaro diz que fará graças a esse ataque brutal aos trabalhadores que ganham até R$ 2 mil que arcarão com 80% da “economia” que será feita não vai acabar com nenhum privilégio, mas aprofundar os privilégios dos ultrarricos brasileiros, mantendo espremida no meio uma classe média cada vez mais empobrecida.

Esse “sanduíche” social retoma níveis de desigualdades existentes no Século 19, ao condenar a maioria dos brasileiros a viver em um país sem serviços públicos básicos e cada vez mais pobres.  E como venho frisando em diferentes postagens, combina-se com isso o uso exarcebado de produtos químicos que aumentarão exponencialmente os casos de doenças graves graças ao envenenamento de alimentos e dos recursos hídricos.

Além disso, há que se frisar que, ao contrário do que dizem os representantes do governo Bolsonaro, essa contrarreforma não tocará nos privilégios da alta burocracia estatal, incluindo o legislativo, o judiciário e as forças armadas.  A esses segmentos será franqueada a manutenção de aposentadorias polpudas, enquanto se nega aos trabalhadores braçais e aos camponeses, bem como às suas viúvas, aposentadorias que pudessem garantir um mínimo de qualidade de vida após décadas de trabalho duro.

Um detalhe que está sendo ignorado e que trará graves consequências sociais é o fato de que uma quantidade significativa de municípios  brasileiros sobrevivem da renda dos aposentados. Ao se enxugar a renda dos aposentados, o governo Bolsonaro está também amputando as poucas fontes de recursos que têm mantido não apenas famílias, mas cidades inteiras. O que está se plantando com esta contrarreforma é o empobrecimento brutal de regiões inteiras, em um momento que o país já se ressente de quase cinco anos de regressão econômica.

A aparente calma que reino em grandes centros urbanos deve-se especificamente ao fato de que a maioria dos brasileiros ainda não se deu conta da verdadeira derrama que o governo Bolsonaro prepara contra a classe trabalhadora e os segmentos mais pauperizados da população brasileira. Essa calma aparente certamente não durará muito após os que estão tendo seus direitos defenestrados entenderem o tanto que estão perdendo. 

O Brasil, lamentavelmente, caminha para um ciclo de graves convulsões sociais. E quanto este ciclo começar não adiantará gestos de arminha na mão ou idas a estádios de futebol para mudar o jogo político. Simples assim!

A cobertura fragmentada da greve geral indica sucesso da mobilização contra a reforma da previdência

Estou desde cedo acompanhando a cobertura altamente fragmentada do dia de greve geral em diferentes partes do Brasil, e não há como deixar de notar que os principais veículos da mídia corporativa brasileira estão fazendo um esforço hercúleo para não deixar que a população saiba o que realmente está se passando.

Esse esforço é parte de uma aritmética mais ampla, pois os grandes grupos de mídia são parceiros do governo Bolsonaro na imposição de uma contrarreforma que causará graves danos aos trabalhadores e a própria economia brasileira.  

Por isso, a cobertura fragmentada e concentrada em vias de circulação onde há “certa normalidade” como falam os jornalistas que cobrem as manifestações. Também o recurso de visitar pontos de acesso a transportes públicos onde pessoas “sofrem” as consequências do movimento.  

Essa não é a primeira vez que a mídia corporativa brasileira se comporta mais como desinformadora do que informadora, nem deverá ser a última. É que os donos desses veículos são parceiros da desnacionalização da nossa economia, e da voracidade rentista que abocanha a riqueza nacional.

Para nos informarmos melhor, o caminho será aguardar a cobertura da mídia internacional, especialmente daqueles veículos que possuem “sucursais” no Brasil, como o espanhol “El País“, a alemã “Deutsche Welle“, a inglesa “BBC” e a francesa “Rede França Internacional“.

Uma coisa que é possível ver, para além das névoas da desinformação que a mídia brasileira impõe a partir do acompanhamento das redes sociais, é a força do movimento em determinados estados e a relativa fragilidade em outros.  Esta diferença se deve principalmente ao nível de engajamento heterogêneo das centrais sindicais nos estados onde são hegemônicas esta ou aquela força política.  Identificar onde o movimento foi sabotado pela omissão de determinadas centrais sindicais será fundamental para os inevitáveis próximos capítulos que ainda ocorrerão ao longo de 2019.

Mídia corporativa “salva” governo Bolsonaro ao não expor o fracasso político das manifestações de hoje

manifestação brasilia

Desde a manhã deste domingo venho acompanhando a cobertura que os principais veículos da mídia corporativa brasileira estão fazendo das manifestações que ocorreram em diversas partes do Brasil para expressar apoio ao governo Bolsonaro e sua pauta de retirada de direitos sociais e trabalhistas.

A cobertura prima por não mostrar com todas as palavras o que as parcas imagens veiculadas expressam, qual seja, o fracasso de uma tentativa (se essa era mesmo o objetivo) de mobilizar pelo menos aquela parcela que elegeu o presidente Jair Bolsonaro para presidir o Brasil entre 2019 e 2022.

A razão para que veículos que antes se esmeraram em dar coberturas avassaladoras e que multiplicaram o efeito político das manifestações pró-impeachment da presidente Dilma Rousseff é simples: a afluência aos atos organizados por setores que estão envolvidos diretamente com a sustentação do governo Bolsonaro foi ínfima, o que certamente reforçará a crise política em que um mandatário com menos de 5 meses no poder já está imerso.

Uma mostra de como a cobertura está sendo benevolente com o presidente Jair Bolsonaro foi o uso de um dado da Polícia Militar do Distrito Federal que o ato realizado em frente ao congresso nacional teria reunido 10.000 pessoas. Olhando as imagens aéreas e mesmo as mais próximas ao local do ato é fácil verificar que esse número estava inflado.  Não obstante, o número foi repetido diversas vezes pelo repórter da Globo News que cobria o evento de um ponto elevado, e que poderia ter informado da impossibilidade do número estar correto. Entretanto, isto não ocorreu e passou-se a impressão de que a PM do Distrito Federal havia feito a conta certa, quando evidentemente não fez, no melhor estilo do ministro da Educação Abraham Weintraub.

A principal razão para que o fracasso das manifestações em prol do governo Bolsonaro esteja sendo ocultado pela mídia corporativa é simples: os donos dos principais veículos de mídia estão apostando até suas últimas moedas na reforma da previdência e na manutenção do Brasil enquanto um país que se tornou o paraíso mundial do rentismo e da especulação financeira. É que diversos donos de veículos estão entre os principais beneficiados do saque ao dinheiro público que é feito por meio do rentismo.

Para mim o principal termômetro do que virá após este domingo são as novas manifestações que estão marcadas para os dias 30 de maio e 14 de junho, quando os setores que se opõe ao governo Bolsonaro prometem voltar às ruas para protestar contra os cortes feitos no orçamento da educação e da saúde e, principalmente, contra a reforma da previdência. Se os próximos atos da oposição forem maiores do que os de hoje, a batata do presidente Jair Bolsonaro que já está sendo assada em fogo abaixo periga ser passada para a fase das labaredas altas.

É como disse um amigo meu que possui alta astúcia para analisar a política brasileira. O Brasil é o único país em que a história se repete como farsa. É que para esse amigo, o governo Bolsonaro está cada vez mais parecido com os dias finais de outro governo que prometeu acabar com a corrupção no Brasil, o de Fernando Collor. A diferença é que no presente caso o derretimento está se dando numa velocidade infinitamente maior.

 

Paulo “Tchutchuca” Guedes ameaça deixar o Brasil se a reforma da previdência não for aprovada

guedes tchutchuca

Ministro Paulo Guedes, durante confronto com deputado que o chamou de “Tigrão”  e “Tchutchuca”, ameaça renunciar e abandonar o Brasil caso sua proposta de reforma da previdência não seja aprovada pelo congresso nacional.

O ministério formado pelo presidente Jair Bolsonaro para levar a cabo suas políticas de desmanche do estado brasileiro está cheio de figuras bizarras, incluindo personalidades que beiram a disfuncionalidade cognitiva, a começar por Abraham Weintraub (Educação), Damares Alves (Família e Direitos Humanos), Tereza Cristina (Agricultura) e Ricardo Salles (Meio Ambiente). 

Mas nesse universo “estelar” quem se destaca mesmo é o Sr. Paulo Guedes, dublê de banqueiro e economista, a quem foi dado o ministério da Economia com a tarefa precípua de desmontar o sistema nacional de previdência social.

Tido como apoiador das ideias neoliberais impostas pela ditadura militar de Augusto Pinochet, a proposta de reforma da previdência é uma mera cópia da reforma imposta pelas baionetas sobre a classe trabalhadora do Chile. 

Em um episódio recente durante a passagem do presidente Jair Bolsonaro pelos EUA, mais precisamente no Texas,  o ministro Paulo Guedes deitou falação como se fosse um menino playground sobre seus planos de entregar a Petrobras e o Banco do Brasil na bacia das almas da privatização como essas duas propriedades do povo brasileiro fossem suas (ver vídeo abaixo).

A postura beligerante de Paulo Guedes, que já havia ficado evidente no episódio em que ele se defrontou com o deputado Zeca Dirceu (PT/PR) no episódio em que passou a ficar conhecido  como “Tigrão”  e “Tchutchuca”, agora reemerge em uma entrevista que ele concedeu à revista “Veja” onde ameaçou renunciar ao cargo e ir morar fora do Brasil caso o congresso nacional aprove o que ele chamou de “reforminha” no lugar da sua proposta draconiana de contrarreforma da previdência.

Ainda que essa dificuldade de conviver com ideias diferentes seja uma marca do governo Bolsonaro, essa declaração de Paulo Guedes certamente aumentará os problemas de popularidade que o presidente enfrenta e as dificuldades já existentes na articulação política dentro do congresso. É que para a quase totalidade dos brasileiros não há a mínima possibilidade de simplesmente se arrumar as malas e passar uma vida de nababo no exterior como seria o caso do Sr. Paulo Guedes se ele confirmar a ameaça que fez na entrevista com a Veja.

Mas se for por falta de adeus que o ministro da Economia ainda não deixou o território nacional desprovido das benesses e do poder que o cargo de ministro lhe confere, eu posso desejar a ele, na língua que ele parece tanto parece apreciar: Goodspeed, Paulo Guedes!”

Só a resistência nas ruas impedirá a desastrosa Contrarreforma da Previdência de Bolsonaro e Guedes

Image result for parlamentares riem após aprovação da reforma da previdencia

A aprovação acachapante da proposta de contrarreforma da Previdência na chamada Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) expõe o óbvio: só a resistência da maioria da população nas ruas é que poderá impedir a consumação de mais um crime hediondo contra a economia dos brasileiros mais pobres.

Não basta que os partidos que efetivamente se opõe à essa contrarreforma ocuparem uma minoria de assentos e ali fazer o jogo parlamentar, pois a maioria dos membros da atual legislatura não é apenas conservadora em termos ideológicos, mas está pouco preocupada em estudar os números frios dessa contrarreforma. Tanto isso é verdade que a CCJ aprovou a constitucionalidade da proposta engendrada por Paulo Guedes e avalizada por Jair Bolsonaro sem ter acessos aos números que embasam a proposta.

Um reconhecimento de que a maioria governista do congresso nacional sabe que essa proposta trará graves perdas aos mais pobres foi o reconhecimento feito na própria CCJ pelo deputado Darcísio Perondi (MDB/RS) de que essa contrarreforma prejudicará principalmente os mais pobres nos primeiros 10 anos de sua vigência.

Um aspecto particularmente danoso não apenas para os que terão suas pensões e aposentadorias reduzidas, mas para os municípios e estados brasileiros, é o fato de que os valores pagos pela Previdência Social representam uma parte considerável da renda que move as economias municipais e estaduais, o que implica no fato de que o encolhimento dos valores pagos aprofundará a recessão e os conflitos sociais em todo o território brasileiro.

Image result for parlamentares riem após aprovação da reforma da previdencia

Parlamentares da base governista celebram aprovação da proposta da contrarreforma da Previdência na CCJ.

A verdade é que os únicos vencedores dessa contrarreforma serão as instituições financeiras que continuarão a lucrar com a dívida pública e que, de quebra, ainda ficarão em suas mãos com as economias pessoais de milhões de brasileiros na forma de fundos de previdência privada, sem que haja qualquer garantia de que os trabalhadores terão um centavo sequer para receber quando chegar a hora de se aposentarem. É que como qualquer outro investimento privado, a “nova previdência” estará submetida à roleta russa da especulação financeira e os recursos retirados dos trabalhadores poderão ser pulverizados em caso de grave crise no sistema rentista, nos mesmos moldes do que ocorreu com a crise das hipotecas nos EUA em 2008.

Dessa forma, dada as características extremamente conservadoras do atual congresso e dos termos totalmente prejudiciais da contrarreforma de Bolsonaro e Guedes, não há muito a perder com disputas e encenações dentro de comissões que são um verdadeiro jogo de cartas marcadas.

À ruas, cidadãos!