Com a reforma da previdência conclusa, o Brasil é o Chile amanhã

chile amanhãRevolta popular no Chile tem como combustível o cansaço com décadas de políticas neoliberais

Na noite passada, o Senado Federal completou o trâmite da chamada “Reforma da Previdência”, o que representa um estupendo sucesso das políticas ultraneoliberais emanadas da equipe do ministro da Fazenda Paulo Guedes. Compreensivelmente, a aprovação foi recebida com entusiasmo pelo presidente do Jair Bolsonaro que se encontra do outro lado do mundo em uma mal explicada viagem de negócios.

Enquanto isso, o presidente do Chile, Sebastian Pinera, ensaia um recuo no uso das forças armadas do Chile para conter a revolta popular contra décadas de execução de políticas ultraneoliberais, as quais possuem na reforma da previdência imposta sob a ponta de baionetas pelo ditador Augusto Pinochet, a qual é costumeiramente apresentada como o modelo que passará a vigorar no Brasil a partir de agora.

Tivessem um mínimo de senso de oportunidade, os senadores que concluíram a reforma da previdência de Bolsonaro e Guedes teriam esperado um pouco mais pelos desdobramentos da crise chilena para “fechar o caixão” da reforma da previdência. Pelo menos teriam mostrado um senso mínimo do risco que estão criando para a estabilidade social futura no Brasil. 

É que, apesar de não haver nenhuma reação massiva contra o solapamento dos direitos previdenciários que a reforma Bolsonaro/Guedes representa, isso se dá por um simples motivo: a maioria dos brasileiros estão hoje preocupados com a sua sobrevivência mínima na base de um dia para outro. Por isso, também em graças à desinformação propositalmente disseminada acerca dos impactos draconianos desta “reforma” e à desmobilização dos partidos que se proclamam de esquerda, que preferem ficar trancados no parlamento em vez de procurarem as ruas, os trabalhadores brasileiros estão desinformados do que efetivamente foi aprovado.  Acrescido a esses fatores ainda há a inexplicável desmobilização das principais centrais sindicais que jamais agiram para informar e mobilizar os trabalhadores. 

Para ajudar a compor esse cenário de paralisia há ainda o fato de que as pessoas só terão a correta noção do que foi aprovado quando começarem a tentar a se aposentar. Nesse momento se descobrirá que não haverá a justa e devida garantia de dignidade após décadas de trabalho. O fato é que quanto mais avançarmos no tempo, mais claro ficará para os atingidos por esta “reforma” o tamanho da tunga que se está se impondo sobre a aposentadoria dos trabalhadores brasileiros. Em outras palavras, o Brasil está sentado em uma imensa bomba de tempo, e que não há como impedir a detonação enquanto prevalecerem as atuais doutrinas ultraneoliberais no seio do governo federal.

Por isso, sugiro que todos olhem bem para as cenas de extrema violência que estão ocorrendo no Chile neste momento, onde nem a ação truculenta e mortal das forças armadas está restabelecendo a “paz social” naquele país.  De várias formas, mas especialmente por causa da natureza do pacote de reformas anti-populares que o governo Bolsonaro está impondo aos brasileiros, o Brasil é o Chile amanhã ou, se preferirem, o Chile é o Brasil amanhã. O problema é que por aqui talvez não haja sequer tempo para se executar o tipo de recuo que o presidente Sebastian Pinera está anunciando para aplacar a ira dos chilenos.

E que ninguém fique acreditando na ladainha de que um cenário semelhante ao chileno nunca ocorrerá no Brasil por causa da natureza apática dos brasileiros. A história do Brasil está repleta de revoltas populares que só foram derrotadas após o uso da violência extrema pelo governo central.  

Um pensamento sobre “Com a reforma da previdência conclusa, o Brasil é o Chile amanhã

  1. […] via Com a reforma da previdência conclusa, o Brasil é o Chile amanhã — Blog do Pedlowski […]

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s