Anvisa, que procrastina a liberação de vacinas e permite enxurrada de agrotóxicos banidos, para Brasil e Argentina em estilo pastelão

anvisa para jogo

Já notei neste blog a dualidade da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no tratamento da liberação de vacinas e agrotóxicos, sendo lenta e estrita para as primeiras e rápida e liberalíssima na liberação de agrotóxicos banidos em outros países.  Mas agora a Anvisa atingiu um patamar com ares de pastelão ao interromper o jogo entre Brasil e Argentina que era válido pelas eliminatórias da Copa FIFA de 2022 que deverá ser realizada no Qatar.

A cena digna de um filme pastelão tipo B dos agentes da Anvisa entrando de forma atabalhoada no gramado do estádio do Corinthians é daquelas de cobrir ainda mais de vergonha um país que já chafurda na completa vergonha no tocante ao enfrentamento da pandemia da COVID-19, inclusive com medidas singulares da própria Anvisa no sentido da frouxidão em que estamos neste momento na maioria do território brasileiro.

A questão envolvendo os 4 jogadores argentinos que teriam entrado no Brasil sem declarar procedência do Reino Unido em desobediência aos protocolos sanitários impostos pela Anvisa para estrangeiros chegando de países considerados como sendo de alta restrição poderia ter sido resolvida na chegada deles no aeroporto. Após a passagem deles pelos pontos de controle da Polícia Federal, restaria ainda a realização de testagens desde o momento em que entraram em território brasileiro, sendo que inexiste informação de que isto tenha sido feito pela Anvisa, pela CBF ou pela FIFA.

Eu só espero que a ação estrepitosa da Anvisa deste domingo ocorra nas manifestações que estão sendo convocadas pelos apoiadores do presidente Jair Bolsonaro para a próxima 3a. feira (07/09). É que, com toda certeza, a chance de que haja disseminação do novo coronavírus será muito maior nas ruas do que foi nos poucos minutos em que a bola rolou na Neo Química Arena. 

 

Como a COVID-19 afeta pessoas vacinadas e não vacinadas

earth vaccine

Por Katharina Buchholz para a Statista

Embora o CDC tenha parado de relatar infecções  que não terminam em hospitalização, o Departamento de Serviços de Saúde de Wisconsin começou recentemente a publicar a análise de novas infecções por COVID-19 entre pessoas vacinadas e não vacinadas. Embora os números sejam apenas um instantâneo de um estado e um mês, neste caso julho, eles dão uma impressão de como as taxas de infecções, hospitalização e mortalidade diferem entre vacinados e não vacinados.

Em julho de 2021, cerca de 125 infecções emergentes aconteceram por 100.000 habitantes de Wisconsin vacinados, em comparação com cerca de 369 casos por 100.000 habitantes do estado que não haviam sido totalmente vacinados. Em uma taxa de vacinação de cerca de 50 por cento no estado em julho, isso significa que cerca de 3 em 4 novos casos ocorreram em pessoas não vacinadas. Isso teria tornado as vacinas COVID-19 no estado 66 por cento eficazes na prevenção da infecção em condições do mundo real opostas a pessoas não vacinadas, pois para cada três habitantes de Wisconsin não vacinados que foram infectados com COVID-19, duas pessoas vacinadas foram poupadas de uma infecção, assumindo que ambos os grupos tiveram, em média, a mesma exposição ao vírus.

Quando se trata de hospitalizações e mortes, as diferenças nos resultados para pessoas vacinadas e não vacinadas foram ainda maiores. Cerca de quatro em cada cinco hospitalizações por COVID-19 ocorreram em pessoas não vacinadas em Wisconsin, traduzindo-se em uma eficácia da vacina de 73 por cento na prevenção de hospitalizações. Para prevenir a morte, as vacinas provaram ser 91 por cento eficazes, pois apenas um em cada doze habitantes de Wisconsin que sucumbiram ao COVID-19 foi vacinado.

A eficácia das vacinas COVID-19 varia de estudo para estudo, visto que não são realizadas em um laboratório, mas no mundo real, onde as condições variam. A eficácia também difere dependendo da população à qual a vacina é administrada, além do fato de que se espera que a eficácia das vacinas COVID-19 diminua com o tempo e quando confrontada com uma mutação de coronavírus de alta carga viral como a variante Delta. Uma lista de diferentes estudos de eficácia, a maioria deles realizada logo após a vacinação completa, pode ser encontrada no site do CDC.

statista

fecho

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo site Statista [Aqui!].

Negacionismo olímpico e o que isso nos diz dos atletas brasileiros que recusaram a vacina?

coi vaccines

A notícia de que 10% dos atletas que compõe a delegação brasileira se recusarem a serem vacinados antes de se dirigem para o Japão para participar dos “Jogos Olímpicos” está passando de forma quase que batida pela mídia corporativa  brasileira. Mas isto não me impede de dizer que essa posição dessa minoria é escandalosa e representa uma falta de responsabilidade grotesca. 

É que um evento de menor envergadura como foi a Copa América (ou seria Cova América?) que foi recentemente realizada no Brasil trouxe pelo menos uma nova variante da Sars-Cov-2  vinda da Colômbia para dentro do território nacional, uma adição completamente desnecessária para um cenário já complexo  que é marcado pela presença de várias cepas que, inclusive, podem estar se recombinando.

A posição do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), como era de se esperar, tem sido também de “passar o pano” e isentar esses atletas negacionistas de qualquer tipo de punição, já que o Comitê Olímpico Internacional (COI), não coloca a obrigação de vacinação como uma condição que os atletas participem das Olímpiadas. Esse movimento do COI só pde ser explicado pelos seus interesses comerciais junto aos patrocinadores desse mega evento esportivo.

Madrid,,Madrid,Spain.,April,03,2021.,Laboratory,Technician,With,Vial

A verdade é que a realização das Olimpíadas em um momento em que diversos países estão em meio a um crescimento desenfreado da pandemia da COVID-19 já seria escandaloso. Ao permitir que que parte dos atletas participe sem ser vacinada, o COI acaba transformando o seu megaevento em uma poça biológica de onde poderão ser transportadas para todo o planeta cepas que estão confinadas em determinadas áreas. E isso com a colaboração direta dos atletas negacionistas.

O que deveria ser feito no momento de retorno da delegação brasileira seria colocar todos os atletas em um período de confinamento obrigatório para evitar que eventuais portadores do coronavírus possam passar da condição de atletas para a de difusores de coronavírus. Mas sabemos que isso não irá ocorrer dada frouxidão que está sendo observada em relação aos negacionistas da vacina.

Uma coisa curiosa é que o último levantamento pelo DataFolha mostrou que 6% dos brasileiros não querem se vacinar contra a COVID-19, um valor muito próximo do total dentro da delegação olímpica brasileira que se recusa a ser vacinada. 

Finalmente, para surpresa de ninguém, já se sabe que o hotel que hospeda a delegação brasileira  de judô que está no Japão para participar das Olimpíadas se transformou no foco de um surto de COVID-19. É quase certo que os  judocas negacionistas estejam sendo os primeiros a ser infectados, mas certamente não serão os únicos, o que apenas reforça a irresponsabilidade com que eles trataram o cuidado com seus colegas de delegação.

A minha 2a. dose de Astrazeneca e o direito que foi negado a 527 mil mortos por COVID-19 no Brasil

No início da tarde desta quarta-feira (07/07) tive acesso à segunda dose da vacina Astrazeneca/Oxford, completando o meu ciclo inicial de imunização contra uma possível infecção pelo coronavírus. Essa etapa me propicia continuar enfrentando os riscos da pandemia da COVID-19 com mais chances de sobreviver, visto que as vacinas (seja qual for a “marca”) nos propiciam melhores condições de defesa contra um vírus letal. Nesse sentido, me sinto aliviado porque poderei conviver com mais segurança com todos os que me relaciono no dia a dia.

2a dose

Entretanto, não posso me esquecer de que até ontem,  cerca de 527 mil brasileiros já tinham tido suas vidas ceifadas por terem contraído a COVID-19, muito em função da verdadeira sabotagem oficial por parte do governo Bolsonaro na aquisição de vacinas que pudessem ter propiciado um processo de imunização em massa dos brasileiros. Agora, graças à CPI da COVID-19, sabemos que muito dessa demora se deveu não ao negacionismo científico do presidente Jair Bolsonaro, mas a outros problemas de natureza pecuniária, incluindo a existência de um mercado paralelo de vacinas superfaturadas.

Assim, o fato de estar nos meros 13% de brasileiros que se encontram com sua imunização inicial concluída não apaga o fato de que não posso deixar de lembrar que poderíamos ter avançado muito mais se determinados interesses (e friso novamente, de natureza pecuniária) não tivessem sido sobrepostos ao direito de todo brasileiro de ter acesso à vacinas contra COVID-19 em um ritmo muito mais acelerado do que estamos tendo até agora.

Entretanto, lembrar os mortos pela COVID-19 em função do atraso proposital e interessado do processo de vacinação é pouco. Nós que fomos imunizados temos é que cobrar que a mão pesada da justiça seja colocada nos ombros dos que permitiram que a tragédia que presenciamos neste momento no Brasil pudesse ocorrer.  Se tiver que ser no Tribunal Penal Internacional, que seja.

Finalmente meus agradecimentos à Maria José que, curiosamente, foi quem aplicou as duas da vacina em mim. Na figura dela agradeço a todos os trabalhadores do SUS que estão na linha de frente do combate à pandemia da COVID-19 no Brasil. A todos essas pessoas singulares, o meu agradecimento. Viva o SUS!

Agência Pública revela conexão evangélica no comércio paralelo de vacinas contra a COVID-19

Grupo evangélico fez oferta paralela de vacinas ao Ministério da Saúde e prefeituras

Grupo comandado por pastor foi ao Ministério junto a Dominguetti e ofereceu doses de Astrazeneca e Johnson em parceria com Davati

moderna-social

Por Alice Maciel e  Bruno Fonseca para a Agência Pública

Em março, uma organização evangélica que articulou a aquisição de vacinas com o Ministério da Saúde (MS) ofereceu imunizantes da AstraZeneca e da Johnson para prefeituras e governos estaduais junto à Davati Medical Supply, revela apuração exclusiva da Agência Pública. A reportagem teve acesso à carta encaminhada aos prefeitos e governadores pela Secretaria Nacional de Assuntos Humanitários (Senah) — presidida pelo reverendo Amilton Gomes de Paula — na qual a entidade oferece as doses no valor de US$ 11 a unidade, com prazo de entrega de até 25 dias. O valor seria 3 vezes maior que o fechado pelo Governo Federal para a mesma vacina da AstraZeneca com a Fiocruz, que foi de US$ 3,16, e o dobro do valor do Instituto Sérum, de US$ 5,25. 

senah 1

Reprodução da carta enviada pela Senah

Conforme a apuração, a carta da Senah teria sido enviada a diversas prefeituras da região Sul do país. Uma delas foi parar em Ijuí, município de pouco mais de 80 mil habitantes no noroeste do Rio Grande do Sul. A Agência Pública conversou com Luciana Bohrer (PT), vereadora do gabinete coletivo das Gurias, na cidade. Ela conta que tomou conhecimento da oferta por meio de uma pessoa ligada à Senah e que não teve contato com representantes da Davati. 

Na época, de acordo com a vereadora, a organização evangélica junto à Davati já haviam tentado “por mais de trinta dias” negociar diretamente em reuniões com o Ministério da Saúde em Brasília, mas não teria obtido sucesso. “Eram 400 milhões de doses, que eu me lembre, ainda seria fechado em quatro pacotes de 100 milhões”, diz Bohrer. A carta da entidade chegou à vereadora de Ijaí no dia 23 de março de 2021 e foi encaminhada ao prefeito Andrei Cossetin, do Progressistas (PP). Segundo Bohrer, a negociação não foi para frente. Procurada pela reportagem, a assessoria do prefeito afirmou que ele estava em viagem e não respondeu até a publicação da reportagem.

O reverendo Amilton Gomes, fundador e presidente da Senah, esteve no Ministério da Saúde, conforme fotos publicadas em suas redes sociais no dia 4 de março de 2021. Na postagem ele afirma que se reuniu com representantes da pasta “para articulação mundial em busca de vacinas”. Na visita, estava ao seu lado o policial militar de Minas Gerais Luiz Paulo Dominguetti, que afirmou à Folha de S. Paulo que o diretor do Departamento de Logística (DLOG) do Ministério da Saúde, Roberto Ferreira Dias, teria cobrado propina para compra de vacinas . Também esteve na visita o major da Força Aérea Brasileira (FAB) Hardaleson Araújo de Oliveira, antigo conhecido do pastor.

Reprodução.  Na foto, o pastor Amilton Gomes, da Senah, em visita ao Ministério da Saúde junto a Dominguetti (o primeiro da foto à esquerda), o diretor do Departamento de Imunização e Doenças Transmissíveis, Lauricio Monteiro Cruz (ao meio) e major da Força Aérea Hardaleson Araújo de Oliveira (segundo à direita)

senah 2
Pastor Amilton Gomes foi à vigilância sanitária do Ministério da Saúde tentar articular vacinas, junto a major da Força Aérea Brasileira

A carta da Senah encaminhada aos gestores é assinada por Amilton Gomes e indica um e-mail da organização religiosa, da Davati e do empresário Renato Gabbi como contatos para “maiores esclarecimentos”. Gabbi é dono de um bar em Chapecó, em Santa Catarina. A reportagem procurou o empresário, que não respondeu até a publicação.

Roberto Dias, que foi indicado ao cargo pelo líder de governo na Câmara, Ricardo Barros (PP/PR), foi exonerado nesta quarta-feira (30/06), após denúncia do jornal. 

Também teriam participado desse encontro, segundo Dominguetti, o tenente-coronel Marcelo Blanco, que era assessor do DLOG na gestão de Roberto Dias, e um empresário de Brasília. 

A reportagem procurou o Ministério da Saúde e questionou a pasta sobre a visita da Senah, tratativas de negociação de vacina e relações com Luiz Paulo Dominguetti. A assessoria não respondeu até a publicação.

Reprodução. Na foto, pastor Amilton Gomes ao lado do senador Flávio Bolsonaro

av
Líder da Senah criou frente parlamentar religiosa 

O reverendo Amilton Gomes parece ter bom trânsito no meio político de Brasília. Em suas redes sociais ele tem fotos com o filho do presidente Jair Bolsonaro, o senador Flávio Bolsonaro (Patriota/RJ), como mostra a imagem acima,  publicada em junho de 2019. Em uma outra postagem de maio daquele ano, o religioso comemorou receber uma moção de louvor na Câmara dos Deputados. Recentemente, o pastor apareceu na divulgação da “Conferência Nacional de Liderazgo” ao lado da deputada federal bolsonarista Carla Zambelli (PSL/SP).

Amilton Gomes participou ainda da criação da  Frente Parlamentar Mista Internacional Humanitária pela Paz Mundial (FremhPaz) junto ao pastor Laurindo Shalom, da Associação Internacional Cristã Amigos Brasil-Israel, e do deputado federal Fausto Pinato (PP/SP), em 17 de setembro de 2019. 

No estatuto da frente, a Senah aparece com a missão de dar apoio jurídico “para pessoas e comunidades em situações de guerras, calamidades, e aos refugiados, em ajudas humanitárias nacionais e internacionais”. No mesmo artigo do estatuto, que trata da cooperação interdisciplinar, diz que a frente irá “fomentar e financiar cursos de formação na temática da proteção à liberdade religiosa e aos refugiados, especialmente por meio da Senar [atual Senah], promovendo o intercâmbio de experiências nacionais e internacionais”. A entidade também integra o conselho consultivo da frente. 

A Secretaria Nacional de Assuntos Humanitários, que até o ano passado se chamava Secretaria Nacional de Assuntos Religiosos, foi fundada por Amilton Gomes em 1999. “Hoje nosso DNA está na cultura pela paz mundial, na fomentação de apoio ao meio ambiente, sempre buscando meios sustentáveis para o desenvolvimento da sociedade harmonizando Homem e Meio Ambiente”, informa em sua página na internet a entidade que tem sede em Brasília.

Líder da Igreja Batista Ministério da Nova Vista, Amilton Gomes também foi cabo do Exército, na década de 1990. Ele publicou imagens do Movimento Cristão Conservador Brasileiro com sua assinatura e sua foto e se apresenta como reitor da Faculdade Batista do Brasil, além de participar da direção de entidades de psicologia, como, por exemplo, a Sociedade de Psicologia do Centro-Oeste. 

Procurado, Amilton Gomes confirmou as negociações e a visita ao Ministério da Saúde.

Reprodução. Líder religioso, Amilton Gomes foi homenageado no Congresso e participou de criação de Frente Parlamentar

Davati procurou Pazuello para vender vacinas

Também em março, um representante oficial da Davati Medical Supply procurou o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello enquanto ele chefiava o ministério para negociar a venda de vacinas, revelam documentos que Pública acessou via consulta de Acesso à Informação do governo federal.

De acordo com a troca de emails, o advogado Julio Adriano de Oliveira Caron e Silva procurou Pazuello no seu email oficial da pasta no dia 9 de março deste ano. Na mensagem ele oferecia 300 milhões de doses da vacina AZD1222, da Astrazeneca, para compra imediata pelo Ministério da Saúde. O advogado informou que representava a empresa Davati Medical Supply LLC.

Em entrevista à reportagem, Adriano Caron confirmou representar a Davati. Documento da empresa também o confirma como representante no Brasil. Não há menção a outros representantes, como Luiz Paulo Dominguetti Pereira. 

O advogado disse não conhecer Dominguetti. “Como a empresa me deu uma autorização de apenas representá-la aqui e oferecer as vacinas, eu não sei se ela fez isso com outras pessoas. Talvez tenha feito, mas eu não conheço essa pessoa, não sei das relações dele com o governo”, disse. 

Caron também disse desconhecer qualquer operação da empresa e de que a Davatti estaria ofertando a vacina da Johson.  

O email enviado por Caron ao Ministério da Saúde foi respondido no dia seguinte, 10 de março, pelo chefe de Gabinete do Ministro de Estado da Saúde, o capitão Paulo César Ferreira Junior. O militar está à frente do gabinete desde maio de 2020, quando Pazuello se tornou ministro. Homem de confiança de Pazuello, ambos estiveram na intervenção federal em Roraima, em 2018, e receberam a Ordem do Mérito Forte São Joaquim.

Em resposta ao advogado, o capitão pediu uma carta de autorização da Astrazeneca que concordasse com a intermediação da Davati. Caron disse à Pública que as negociações não avançaram porque a empresa não o retornou com os documentos solicitados pelo Ministério da Saúde. 

“Dando seguimento com a Davati, pedindo maiores informações sobre as vacinas, eles não conseguiram me confirmar a disponibilidade do estoque e nem de que eles estavam autorizados pela empresa de vender vacinas aqui no Brasil, então o negócio não seguiu em frente”, justificou Caron. “Não marquei reunião nenhuma e a conversa não seguiu em frente”, acrescentou.  

Ainda segundo o advogado, “a Davati deixou bem claro que iria buscar junto à fabricante das vacinas toda a documentação necessária para vender”. “Se ela estava tentando negociar com a Astrazeneca a possibilidade de oferecer essas vacinas para o Brasil, ou qualquer outro país, e ela não conseguiu por algum motivo, talvez seja esse o motivo de que ela não me mandou a informação porque o negócio seria fechado com a Astrazeneca, a Astrazeneca que iria fornecer a vacina. Se ela não conseguiu autorização da Astrazeneca para vender, parou de me mandar informação e eu não poderia vender um produto que ela não tinha”.

Linha do tempo

  • 25 de fevereiro — segundo Dominguetti, diretor de logística do MS pediu propina para oferta de vacinas feita em nome da Davati
  • 4 de março —  pastor Amilton Gomes da Senah posta foto no MS e anuncia articulação para vacinas
  • 23 de março — carta da Senah assinada por Amilton Gomes chega a Ijaí oferecendo vacinas da Davati

Colaborou Bianca Muniz/ Atualização (01/07/2021 às 11h55): Em um parágrafo o nome de Roberto Dias estava errado. A informação foi corrigida.

fecho

Esta reportagem foi inicialmente publicada pela Agência Pública [Aqui! ].

A mãe de todas as propinas: governo Bolsonaro pediu US$ 1,00 de propina por 400 milhões de doses da Astrazeneca

POR UM DOLAR

As dificuldades dentro do governo Bolsonaro para gerar explicações plausíveis sobre as condições nebulosas em torno da compra da vacina indiana Covaxin acabam de subir vários degraus com a publicação de uma reportagem assinada pela jornalista Constança Rezende para o jornal Folha de São Paulo. É que segundo a reportagem assinada por Constança Rezende, o diretor de logística do Ministério da Saúde, Roberto Ferreira Dias (indicado para o cargo pelo deputado Ricardo Barros (PP/PR), teria demandado uma propina de US$ 1,00 por dose da vacina Astrazeneca sendo vendida pela empresa Davati Medical Supply (ver matéria completa Aqui!).  

Propna vacinas

Como a reportagem é rica em detalhes fornecidos pelo representante da Davati Medical Supplu no Brasil, Luiz Paulo Dominguetti Pereira, os inevitáveis desmentidos irão ter que dar conta de uma série de elementos facilmente verificáveis em termos da veracidade do que está sendo agora exposto pela Folha de São Paulo.

Apenas para que se tenha uma ideia do tamanho da propina envolvida, a Davati Medical Supply estava tentando vender um total de 400 milhões de doses, o que daria um total de US$ 400 milhões de propina apenas nesta aquisição, o que chega a R$ 1,984 bilhão na cotação desta terça-feira (29/06).

Essa bomba de contornos altamente explosivos é ainda potencializada pelo fato de que o deputado Luiz Miranda (DEM/DF) já havia avisado que o tamanho da corrupção envolvendo a compra de vacinas pelo governo Bolsonaro era muito maior do que o caso da Covaxin.

Agora, vamos esperar para ver os desdobramentos de mais esta denúncia, mas não tenhamos dúvidas de que a situação do presidente Jair Bolsonaro passou a um novo grau de dificuldade. Afinal, para quem dizia não haver corrupção em seu governo, apenas essa denúncia é um desmentido de quase 2 bilhões de reais. Enquanto isso, os brasileiros continuam à mercê da própria sorte em meio a uma pandemia letal e uma crise econômica sem precedentes.

500 mil mortos é o limite da paciência nacional?

As capas dos principais veículos da mídia corporativa brasileira trazem hoje menções aos 500 mil mortos causados pela pandemia da COVID-19 no Brasil dando referências diretas sobre a parcela de culpa do governo Bolsonaro para que tenhamos chegado a um número tão assombroso (ver imagem abaixo).

capas

O problema é que apenas capas não vão mudar as políticas do governo Bolsonaro que bloqueiam uma ação mais efetiva do Ministério da Saúde para ampliar o alcance e a velocidade do processo de vacinação, única garantia de que a pandemia será controlada no Brasil.

A mudança de posição dos proprietários da mídia brasileira em relação às capas deste domingo pode ser o prenúncio de que até a paciência deles com um governo anti-ciência e anti-pobres está chegando ao limite. É que os barões da mídia vem ganhando com as políticas ultraneoliberais da dupla Bolsonaro/Paulo Guedes e uma mudança de postura só ocorrerá se o ambiente político for mudado nas ruas pela classe trabalhadora e pela juventude.

O simples fato de que as mobilizações que ocorreram ontem não foram ocultadas como as que tinham acontecido no dia 29 de maio já é positivo, e certamente acrescentará mais pressão sobre os partidos que sustentam o governo Bolsonaro no congresso nacional.

Assim, lamentavelmente dado o risco sanitário que todos correm ao se aglomerarem, o caminho é o das ruas. Afinal, são as ruas cheias que garantem mudanças políticas que precisamos neste momento, e que começam por exigir vacina para todos os brasileiros. Do contrário, em breve iremos ultrapassar o número de mortos pela pandemia nos EUA, que lembro possuem cerca de 110 milhões de habitantes a mais do que o Brasil.

Corrida contra o vírus: Atualização do estudo da DHL revela os aprendizados em logística após um ano de COVID-19

dhl report

• Com a participação de mais de 350 de suas instalações em todo o mundo, DHL já distribuiu mais de 200 milhões de doses de vacinas, para mais de 120 países e territórios

• Estima-se que a partir de 2022, serão necessárias entre 7 e 9 bilhões de doses adicionais ao ano para manter as taxas de reinfecção baixas e reduzir o ritmo de mutação do vírus

• Adaptação local do last mile, modelos de distribuição e manutenção de um estoque consistente de vacinas seguirão sendo fatores essenciais pós-2021

São Paulo, junho de 2021: Já passou mais de um ano desde que o mundo se deparou pela primeira vez com a notícia do novo vírus SARS-COV-2. O que vimos na sequência foi a maior crise de saúde mundial em 100 anos. A logística e as cadeias de suprimento têm desempenhado um papel vital na gestão da pandemia desde o início, garantindo a disponibilidade e a distribuição dos principais dispositivos usados no combate à pandemia, como medicamentos e suprimentos médicos, vacinas, kits, testes, suprimentos auxiliares, tratamentos e Equipamentos de Proteção Individual (EPIs).

A DHL tem feito parte da estratégia global de resposta à pandemia desde o início e já foi responsável pelo transporte de mais de 200 milhões de doses de todas as vacinas aprovadas, para mais de 120 países e territórios, por meio de 9 mil voos operados pela DHL, tendo envolvido mais de 350 de suas instalações em todo o mundo. Mais de 50 colaborações bilaterais e multilaterais foram criadas com parceiros da indústria farmacêutica e do setor público, incluindo diversos novos serviços especializados nesta área. O estudo da DHL “Aprendizados sobre a resiliência diante da pandemia” avalia o desempenho global no enfrentamento da crise e destaca o que o setor de logística aprendeu durante a corrida contra a COVID-19, identificando as principais ações de preparação para melhor gerenciar emergências de saúde pública no futuro.

“Uma vez que as vacinas contra a COVID-19 ficaram prontas, era crucial que a logística e a gestão de supply chain fossem eficientes o bastante para atender a todos os continentes com a urgência necessária”, disse Claudia Roa, Vice-Presidente do Setor Farmacêutico e de Equipamentos Médicos da DHL nas Américas. “Na DHL, desenvolvemos e implantamos soluções especializadas para a distribuição de vacinas, que possibilitaram a movimentação de volumes inéditos até então, sempre levando em conta a urgência com que as vacinas precisam chegar a cada país. A logística e o gerenciamento da supply chain desempenharam um papel fundamental durante a pandemia e, no decorrer dessa batalha, aprendemos lições valiosas”.

Foram registradas importantes conquistas em pesquisa e desenvolvimento, produção e gestão da supply chain, bem como políticas que ajudarão a superar a crise como uma comunidade global. As bases para isso foram construídas por meio de pesquisa e desenvolvimento, que possibilitou a criação de uma vacina com uma agilidade cinco vezes maior do que qualquer outra vacina da história, e também pelo aumento da produção de vacinas em tempo recorde, quadruplicando a capacidade de produção verificada antes da pandemia de COVID-19. Por meio da logística e supply chain, as vacinas que salvam vidas estão sendo entregues a pacientes de todo o planeta. Embora tenha sido necessário cumprir requisitos sem precedentes na cadeia fria de distribuição – até -70°C de temperatura para transporte e armazenamento – a logística possibilitou a distribuição em uma velocidade três vezes mais rápida do que a de costume. Além disso, as ações multilaterais realizadas por diferentes atores da saúde pública e do governo possibilitaram a criação de uma estrutura propícia para acelerar o desenvolvimento e a implementação das vacinas.

“Todos os setores, indústrias e nações devem trabalhar em conjunto para vencer com sucesso a fase aguda desta pandemia”, acrescentou Roa. “Firmar parcerias sólidas e alavancar a análise de dados será fundamental para combater com sucesso essa e qualquer outra pandemia no futuro”.

Colaboração é essencial para a distribuição global de vacinas

Para atingir níveis elevados de imunização, estima-se que será necessário cerca de 10 bilhões de doses até o final de 2021. Até o momento, apenas quatro países alcançam taxas de vacinação superiores a 50% de suas respectivas populações – e muitos dos países e territórios restantes têm infraestruturas menos desenvolvidas, o que torna a implementação ainda mais desafiadora nesses locais. Para acelerar a entrega de vacinas, os seguintes aspectos precisam ser levados em conta:

• Os diferentes setores da economia e os governos devem promover a colaboração, com foco específico no estabelecimento de parcerias sólidas e na criação de uma infraestrutura de dados de apoio.

• Para garantir os fluxos de abastecimento, é necessário realizar uma gestão proativa das capacidades de transporte e dos fluxos sustentáveis de devolução de embalagens. Isso é de extrema importância, uma vez que mais de 95% das doses da vacina para a COVID-19 no mundo são fabricadas em apenas oito países, a partir dos quais devem ser distribuídas para o resto do mundo.

• Também devem ser implementados modelos de distribuição terrestres no trecho final da entrega (last mile delivery) com base nas necessidades locais específicas, priorizando a localização estratégica dos armazéns, a sincronização dos fluxos de vacinas e produtos auxiliares, bem como a quantidade e a localização dos pontos de vacinação existentes em cada local.

A infraestrutura logística e as capacidades estabelecidas deverão ser mantidas nesse nível nos próximos anos, uma vez que serão necessárias entre 7 e 9 bilhões de doses adicionais de vacinas todos os anos para manter as taxas de reinfecção baixas e reduzir o ritmo de mutação do vírus – isso sem contar com as flutuações sazonais.

“Embora tenhamos sido ágeis durante esta pandemia, devemos nos manter preparados para grandes fluxos de pacientes e volumes de vacinas, preservar a infraestrutura e a capacidade logística instaladas e nos planejar para as flutuações sazonais, fornecendo uma plataforma estável e bem equipada ao longo dos próximos anos”, explicou Roa.

Planejamento futuro

De acordo com o estudo, o planejamento futuro é algo essencial para identificar e prevenir crises de saúde por meio de cooperação ativa, ampliação dos sistemas globais de alerta, agenda integrada de prevenção de epidemias e investimentos específicos em P&D. Também é recomendado expandir e institucionalizar medidas de contenção e combate ao vírus (por exemplo, rastreamento digital de contatos e criação de reservas nacionais) a fim de garantir a preparação estratégica e tempos de resposta mais eficientes. Para facilitar a rápida distribuição de insumos e medicamentos – incluindo produtos para diagnóstico, tratamento e vacinação – os governos e a indústria precisarão manter as capacidades de produção permanentemente disponíveis, com pesquisas sobre modelos, sistemas de produção e planos de provisionamento, além de expandir as capacidades locais de implementação.

Para ler o estudo na íntegra, clique no seguinte link: https://www.dhl.com/pandemic-resilience.

Estratégia de vacinação contra Covid-19 foi dificultada por conflitos políticos e falta de coordenação

vacina

 

bori conteudo

Diante da pandemia de COVID-19, o mundo precisou parar para rever as estratégias não só de preparação para lidar com uma epidemia de amplitude global, mas também nos processos de vacinação, capazes de imunizar a população. De acordo com uma pesquisa realizada na Escola de Administração de Empresas da Fundação Getulio Vargas (FGV/EAESP), os conflitos políticos entre presidente e governadores e a falta de definição de grupos prioritários de vacinação dificultaram a estratégia de vacinação no Brasil, além de outras decisões tomadas durante processo de produção ou aquisição das doses.

Publicada na revistaSocial Science & Medicine, a pesquisa traz três dimensões que influenciaram  a vacinação de países de renda média, como o Brasil: a produção e aquisição de vacinas; a regulação do registro para comercialização das vacinas; e o processo de vacinação propriamente dito.

As análises, feitas a partir de uma pesquisa qualitativa, mostraram que as conexões entre produção, regulação e distribuição de vacinas são decisivas para a eficácia das  estratégias de vacinação contra a COVID-19. É o caso das decisões regulatórias, que têm implicações para a velocidade de disponibilização das vacinas no país. Ainda que a Anvisa tivesse pronta capacidade de se adaptar e responder às demandas regulatórias durante a pandemia, a agência ficou à mercê de conflitos políticos que prejudicaram a reputação organizacional, além de semear dúvidas e desconfianças sobre as vacinas.

Outro ponto abordado pela pesquisa foram os processos de transferência de tecnologia para a produção do ingrediente farmacêutico ativo (IFA), que costumam ser uma alternativa para países de renda média obterem maior acesso às vacinas. No entanto, o caso brasileiro ilustra que a teoria é bastante diferente da prática, já que a transferência de tecnologia é um processo que exige adaptação das plantas fabris e acordo legal (inclusive sobre o pagamento de royalties), e que levam tempo para acontecer.

“O caso do Brasil demonstra que capacidades estatais não são suficientes para garantir uma preparação para pandemia, sendo necessário considerar as implicações das contestações políticas ao longo da cadeia de produção, regulação e distribuição de vacinas”, pondera Elize Massard da Fonseca, uma das autoras do estudo. Para a pesquisadora, além do investimento em desenvolvimento industrial, é crucial integrar os sistemas de saúde às iniciativas de pesquisa e desenvolvimento de vacinas.

“Essa integração não pode ser construída da noite para o dia, durante uma pandemia, mas precisa ser fruto de investimentos de longo prazo em produtos estratégicos, que possam ser mobilizados em casos de crises de saúde pública”, alerta a pesquisadora. Fonseca destaca que esse tipo de diretriz é importante especialmente para os países que não têm capacidade de fazer reserva de mercado ou grandes investimentos em produtos em fase de pesquisa ou, ainda, que não se classificam para o recebimento de doações de vacinas para países de baixa renda.

fecho

Este artigo foi originalmente publicado pela Agência Bori [Aqui!].

Assembleia da OMS: contrato pandêmico em vez de liberação de patente?

A Assembleia Mundial da Saúde trata de como uma futura pandemia pode ser evitada

graveyardO número de mortes relacionadas com a pandemia corona é duas a três vezes maior em todo o mundo do que os 3,4 milhões suspeitos anteriormente. Foto: AFP / MICHAEL DANTAS

Por Marc Engelhardt, Genebra, para o Neues Deutschland 

Lutar contra o COVID-19 e se preparar para a próxima pandemia são os verdadeiros temas da 74ª Assembleia Mundial da Saúde, que começou na segunda-feira de Whit em Genebra. Mas já na abertura desta reunião anual de todos os 194 estados membros da Organização Mundial da Saúde (OMS) fica claro o quanto o hiato global entre ricos e pobres está ofuscando as discussões.

“Um pequeno número de países que produziu e comprou a maioria da vacina controla o destino do resto do mundo”, criticou o chefe da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, referindo-se principalmente aos dez países que atualmente são 75% dos mais de um bilhão de vacinas usadas em seus próprios cidadãos.

“As vacinações dadas até agora teriam sido suficientes para que toda a equipe médica e todos os idosos fossem vacinados em todo o mundo se tivessem sido distribuídas de forma justa”, disse Tedros. O secretário-geral da ONU, António Guterres, também alertou que a COVID-19 não poderia ser derrotada se um país após o outro fosse vacinado. “Se não fizermos nada agora, os países ricos vacinarão suas populações e abrirão suas economias, enquanto o vírus circula e sofre mutações nos países mais pobres.” O resultado são centenas de milhares de mortes. Como Tedros, Guterres também apoiou o levantamento temporário da proteção de patente para vacinas da COVID-19 durante a pandemia, a fim de dobrar a produção global tanto quanto possível.

As estatísticas globais de saúde apresentadas pela OMS na sexta-feira mostram como essas vacinas adicionais seriam necessárias. Conseqüentemente, o número de mortes em conexão com a pandemia é duas a três vezes maior do que os 3,4 milhões suspeitos anteriormente. Uma das razões para isso é que, especialmente em países pobres, muitas vezes não está claro do que as pessoas morrem.

Na África, por exemplo, de acordo com a OMS, apenas uma em cada dez mortes é registrada de forma confiável, enquanto na Europa é de 98 por cento. Outra razão para o alto número de casos não relatados: muitas outras doenças graves não foram tratadas na pandemia da corona, também porque os sistemas de saúde foram e estão sobrecarregados pelos pacientes da corona. Por outro lado, a iniciativa chamada “ACT Accelerator” lançada pela OMS deve ajudar. Uma “Cúpula Mundial da Saúde” separada da UE e dos países do G-20 em Roma discutiu como ela deveria ser fortalecida na sexta-feira.

A iniciativa, que também inclui o programa de vacinação da Covax, está faltando US $ 18,5 bilhões, além de vacinas, testes da COVID-19, oxigênio e ventiladores, ou seja, praticamente tudo o que é escasso e cobiçado na pandemia. A UE prometeu mais 100 milhões de doses de vacina para os países mais pobres do mundo na sexta-feira, e os fabricantes prometeram bilhões de doses.

No entanto , isso não altera a escassez aguda na maioria dos países do mundo por enquanto. Já os bem vacinados representantes dos países industrializados estão menos preocupados com o presente do que com o futuro.

“Depois que a pandemia é antes da pandemia, devemos estar o mais bem preparados possível para a próxima”, disse a chanceler Angela Merkel no início. Ela fez campanha por um “tratado de pandemia” global que obrigaria os estados a cooperar e ser mais transparentes sobre a próxima pandemia. O problema: a negociação de um contrato desse tipo poderia levar anos, se fosse para ser alcançado. China, Rússia e Brasil estão resistindo a tal acordo, que permitiria à OMS, por exemplo, publicar informações sobre o curso de uma pandemia sem o consentimento dos estados envolvidos.

Os EUA também mostraram pouco interesse até agora. É verdade que três comissões que examinaram o trabalho da OMS durante a pandemia pediram o fortalecimento da organização. Mas se isso realmente acontecerá na próxima semana é, na melhor das hipóteses, incerto. Uma resolução apresentada pela UE, que deve dar à OMS mais oportunidades para investigações independentes sobre suspeitas de pandemias, foi diluída a tal ponto antes do início da assembleia que provavelmente não passará de outro apelo não vinculativo para fortalecer a organização quando a decisão é tomada. E quando se trata de mais dinheiro, de que a OMS precisa com urgência, com seu orçamento anual de pouco menos de dois bilhões de euros, os europeus também falham.

Por um lado, países como a Alemanha já aumentaram suas doações durante a pandemia, outros doadores apontam para os custos da pandemia corona em seu próprio país. Quase todos também se limitam à destinação da maior parte de seus fundos. Mas isso priva a OMS exatamente do que as comissões pedem: mais independência.

Para o chefe da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, esse é um problema que afeta não só a organização que lidera, mas também a si mesmo. Seu mandato expira no próximo ano. Se ele será proposto novamente por cinco anos no topo da OMS depende acima de tudo se a luta global contra a pandemia COVID-19 será melhor do que antes nos próximos meses. Ainda não parece.

fecho

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo “Neues Deutschland [Aqui!].