Sérgio Moro: o que aconteceria com ele nos EUA?

moro

Os ânimos estão bastante exaltados entre os que querem a saída e os que querem a permanência da presidente Dilma Rousseff no cargo de presidente do Brasil. Como já explicitei aqui várias vezes, não apoio o governo de coalizão que ela comanda há quase 6 anos. Acho-o tecnicamente fraco e antipopular.

Esse preâmbulo, desnecessário para quem me conhece melhor e se dá o trabalho de ouvir o  que venha dizendo e escrevendo nos últimos 14 anos, é necessário neste momento em que a manipulação da mídia corporativa tende a obscurecer o fato de que a realidade não é tão preto e branca como se pinta.

Agora, vamos ao que interessa. Toda a celeuma que corre o Brasil neste momento decorre da liberação “via expressa” de conversas grampeadas, algumas ilegalmente, entre o ex-presidente Lula (e hoje ministro da Casa Civil) e várias autoridades, inclusive a presidente Dilma. Esse vazamento é inconstitucional, tal como a realização da própria gravação que ocorreu sem amparo de mandado judicial.

Não fosse isso grave o suficiente, o juiz Sérgio Moro e seus aliados na Polícia Federal disponibilizaram, ao contrário do que determinam as leis vigentes, a gravação dessas conversas para a mídia corporativa (a começar pelas Organizações Globo).

Bom, como muitos os que querem tirar Dilma Rousseff do poder vêem os Estados Unidos da América (EUA) como seu Nirvana existencial, é preciso ver o que ocorreria ao juiz Sérgio Moro se o gravado ilegalmente fosse o presidente Barack Obama. Eu que conheço minimamente os EUA, onde vivi quase 7 anos, e quando pude frequentar alguns corredores do poder em Washington, D.C., não hesito em dizer que Sérgio Moro, se fosse um juiz de primeira instância e fizesse lá o que fez aqui, estaria preso e incomunicável em alguma prisão federal.

É que, independente de quem seja o presidente, os estadunidenses tratam o cargo de presidente como algo que precisa ser protegido e não vilipendiado como está sendo no Brasil neste momento.  O risco de se enfraquecerem as garantias institucionais que cercam  o cargo de presidente é muito alto para se deixar nas mãos de qualquer um a possibilidade de partir para o tudo ou nada, sejam quais forem os motivos.

Agora, vamos ver quais serão as respostas do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e do Supremo Tribunal Federal (STF) que foram igualmente jogados na sarjeta pela ação de Sérgio Moro. E sim, há que se ver como se comportará o novo ministro da Justiça em relação à própria Polícia Federal que está envolvida até o pescoço nesse rolo todo. Deixar de tomar alguma ação contra os agentes envolvidos nessa ação desastrada seria péssimo para a nossa frágil democracia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s