Destruição na Amazônia brasileira retoma ritmos explosivos. E novo estudo aponta que desmatamento já calculado pode estar subestimado

defor

O Jornal Folha de São Paulo produziu uma reportagem especial sobre a situação vergonhosa que está ocorrendo em trechos da Rodovia Transamazônica entre os municípios de Lábrea (AM) e Altamira (PA). A reportagem assinada pelos jornalistas Fabiano Maisonnave e Lalo de Almeida levantam alguns dos elementos mais agudos do processo que combina desmatamento, exploração ilegal de madeira e mineração de ouro.

Um fato que é mencionado, mas não aprofundado, se refere ao encurtamento da ação de fiscais ambientais  a partir do enxugamento do orçamento de órgãos como FUNAI, IBAMA E ICMBIO. Apesar deste enxugamento já vir ocorrendo há algum tempo, as perspectivas de congelamento associado à chamado PEC 241 prometem um agravamento do ambiente de faroeste que já está estabelecido nessa nova frente de desmatamento.

Aqui também é importante mencionar que em um estudo que já foi aceito, mas ainda está em fase de editoração, pela revista CONSERVATION LETTERS, um grupo de pesquisadores liderado pelo professor Peter Richards da Brown University (EUA), são apontados diversos elementos que apontam para uma subestimação do total já desmatado na Amazônia Brasileira (Aqui!). Essa subestimação estaria relacionada basicamente a problemas metodológicos na mensuração que é feito pelo projeto PRODES que é executado pelo Instituo Nacional de Pesquisas Espaciais.

Em outras palavras, o cenário de devastação, violência e pobreza que é mostrada pelos jornalistas da Folha de São Paulo pode ser apenas um fragmento do que está acontecendo em toda a Amazônia. 

As implicações para o Brasil e para outros países que possuem porções da bacia Amazônia em seus territórios podem ser devastadoras, tanto no plano interno como no internacional, já que a perspectiva de um avanço na devastação de seus biomas certamente terão repercussões econômicas profundas.

Abaixo a primeira parte da reportagem da Folha de São Paulo. Quem quiser ler o material por completo, basta clicar Aqui!

TRANSAMAZÔNICA crime e abandono

Pobreza, desmatamento e extração ilegal de madeira e ouro margeiam rodovia na floresta

transamazonica

Por  FABIANO MAISONNAVE E LALO DE ALMEIDA,  ENVIADOS ESPECIAIS À TRANSAMAZÔNICA

Na Amazônia, nenhuma intervenção humana provoca tantas transformações como uma rodovia. E nenhuma rodovia causa tanto impacto na maior floresta tropical do mundo como a Transamazônica.
Pouco mais de 40 anos após a inauguração da estrada símbolo da ditadura militar, a reportagem da Folha percorreu quase todo o seu trecho amazônico, entre Lábrea (AM) e Altamira (PA). Do total de 1.751 km, pouco menos de 10% estão asfaltados.
Tal qual ouroboros, a mítica serpente que morde o próprio rabo, a Transamazônica parece andar em círculos desde que foi aberta, sob o lema nacionalista de “Integrar para não entregar”.
Último município da rodovia, Lábrea (a 700 km em linha reta de Manaus) é uma das mais novas e destrutivas frentes de desmatamento ilegal da Amazônia, acompanhadas por grilagem e violência. A zona rural do município soma sete assassinatos por disputa agrária em dez anos, segundo a Comissão Pastoral da Terra (CPT).

Em Altamira (a 450 km em linha reta de Belém), outra megaobra estatal, a hidrelétrica Belo Monte, vem aprofundando impactos negativos na rodovia, como o encurralamento de populações indígenas e a aceleração do desmatamento. A ameaça de violência é permanente: em 13 de outubro passado, o secretário municipal do Meio Ambiente, Luiz Araújo, foi assassinado em circunstâncias ainda não esclarecidas.

Entre as duas pontas da rodovia, predominam na paisagem pastos subutilizados, intercalados por unidades de conservação e terras indígenas sob pressão de madeireiros e garimpeiros. As grandes queimadas continuam no período seco, e, com a exceção de urubus, é raro avistar um animal silvestre.

As cidades têm IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) abaixo da média do país e são dependentes de repasses federais. Todas sofrem de administração ineficiente, segundo o ranking de municípios da Folha (REM-F), incluindo Placas (a 691 km em linha reta de Belém), a última colocada.

A maioria sobrevive do comércio ilegal do ouro e da madeira, cujos lucros compensam os custos de extração em remotas áreas protegidas. O saque se beneficia da repressão esporádica –em duas semanas, a reportagem testemunhou apenas uma ação fiscalizatória.

“Aqui é o mundo da ilegalidade”, afirma a irmã franciscana Ângela Sauzen, que desde 1986 atua em favor de pequenos agricultores em Uruará (a 635 km em linha reta de Belém), onde até o prefeito é madeireiro. “Quem pode mais, domina.”

Com os cortes orçamentários, órgãos como a Funai (índios) e o Ibama (ambiente) vêm diminuindo as suas ações na região. O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) tem 52 servidores para cuidar de uma área pouco maior que o Paraná: 20,7 milhões de hectares, divididos em 21 unidades de conservação.

“Na Amazônia, o fiscal está em extinção, é uma espécie rara”, diz o chefe da Reserva Extrativista Médio Purus, José Maria de Oliveira, que dispõe de dois servidores para atender a uma área de 604 mil hectares (cerca de quatro vezes a área da cidade de São Paulo), 600 km de rios e 6.000 moradores.

Em meio ao desmatamento crescente, uma constatação comum de índios e fazendeiros é o aumento da temperatura e a diminuição das chuvas. “O sol está mais forte” foi uma das frases mais ouvidas ao longo estrada.

É uma época de extremos climáticos. Em Humaitá (distante 590 km em linha reta de Manaus), o rio Madeira registrou neste ano sua terceira pior seca desde o início da medição, em 1967. Dois anos atrás, a cidade foi submersa na maior enchente da história.

Tratores fazem terraplanagem em trecho da rodovia Transamazônica ainda em construção (Foto: Folhapress)

 

Mas a estrada também reserva surpresas mais agradáveis. À beira do rio Maici, os misteriosos índios pirahãs mantêm alguns dos mesmos hábitos relatados no primeiro contato com os brancos, há três séculos, e se recusam a aprender português.

Em Medicilândia (a cerca de 540 km de Belém, em linha reta), maior produtor de cacau do país, uma cooperativa que fabrica chocolate viu as perspectivas melhorarem após a recente pavimentação da Transamazônica até Altamira –uma viagem de 90 km que, antes disso, podia durar quatro dias por causa dos atoleiros.

Em reservas extrativistas, comunidades ribeirinhas têm superado os desafios logísticos e de financiamento para viver da exploração da floresta em pé por meio da castanha-do-pará e de outros produtos.

“A gente tem uma população que conseguiu construir coisas boas aqui”, diz Lucimar Souza, coordenadora do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam) para a Transamazônica. “Se os projetos dialogassem com as pessoas da região, teríamos melhores resultados.”

As passagens aéreas dos repórteres Fabiano Maisonnave e Lalo de Almeida foram custeadas pelo Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam), por meio do Projeto Ford Movimentos Sociais e do Projeto Assentamentos Sustentáveis da Amazônia, financiado pelo Fundo Amazônia.

 
FONTE: http://arte.folha.uol.com.br/cotidiano/2016/transamazonica/#territorio-livre

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s