Capitalismo em convulsão agita os piores instintos da moral burguesa

Um dos aspectos mais peculiares e contraditórios da chamada “Globalização” foi o reforço das tensões locais e regionais, e a emergência de uma onda de uma forma de nacionalismo que incorpora todos os males da sociedade burguesa, incluindo xenofobia, misoginia e homofobia.  O maior símbolo desse nacionalismo foi a eleição do bilionário Donald Trump nos EUA. 

Mas não é apenas nos EUA que os bilionários resolveram tomar o controle do Estado para tentar aplicar uma forma brutal de quase retorno ao período que Karl Marx chamava de “acumulação primitiva”. É o vale tudo sendo transformado em política de governo, substituindo o discurso globalista que emergiu após a queda do Muro de Berlim e o subsequente desaparecimento da URSS.

Entretanto, como a história só repete como tragédia ou como farsa, essa reviravolta sob o comando de personagens que não hesitam em serem politicamente incorretos nada passa de mais uma tentativa dos capitalistas para estancar o apodrecimento do seu sistema econômico.  

Há que se lembrar de que o uso de estratégias de extrema violência já ocorreu em diferentes momentos de crise do Capitalismo, incluindo as duas grandes guerras mundiais e o surgimento de forças políticas que se fundavam no exercício da força extrema contra os trabalhadores como foi o caso do Nazismo na Alemanha e do Fascismo na Itália. Aliás, se voltarmos ao Século XIX poderemos verificar como as forças imperialistas atuaram na África, sendo o Rei Leopoldo II da Bélgica o maior exemplo do terror que foi aplicado para garantir a submissão das colônias.

O que me parece diferente nessa atual fase de convulsão do Capitalismo é que o uso do novo discurso nacionalista não sente a menor vergonha de pregar a supressão dos chamados direitos democrático que tanto foram usados para mostrar uma suposta superioridade moral contra a URSS. Aliás, depois das barbaridades cometidas pelas forças estadunidenses em Abu Ghraib e Guantánamo, essa superioridade já tinha ido pelo ralo mesmo.  Nessa mesma toada, a construção de um muro para separar os EUA do México nem causa qualquer enrubescimento na face dos falsos moralistas que ontem pregavam a derrubada de muros, e hoje não hesitam em construí-los. 

E o que falar da guerra na Síria e do apoio dado por governos nacionais a grupos ligados Al Qaeda e, por que não, ao Estado Islâmico.  Aliás, na guerra da Síria todos os lados envolvidos não hesitaram de rasgar todos os supostos compromissos com a dignidade humana.

Um aspecto que deveria preocupar aos brasileiros é que, curiosamente para um país de minoria branca, o Brasil também tem se mostrado um terreno fértil para a propagação desse discurso supostamente politicamente correta que tolera a proliferação de discursos de ódio contra os mais pobres, especialmente se estes são negros, mulheres ou homossexuais.  

Entretanto, dada a posição de economia dependente que o Brasil historicamente tem tido, a verdade é que não haveria como essa onda de ódio não chegasse por aqui sob uma cobertura de indignação com o sistema político. O fato é que sempre uma sociedade autoritária e segregada, e o que acontece agora é que setores mais ressentidos das camadas médias e altas não hesitam mais em mostrar o que realmente pensam. Assim, temos uma combinação clara entre a convulsão do sistema e o aumento da intolerância no plano nacional.

Quanto mais cedo os que não toleram a fluxo livre destas tendências autoritárias acordarem para essa ligação mais provável será a possibilidade de que essas forças desagregadoras das relações societárias sejam derrotadas. Mas se demorarmos muito a reagir, não há nenhuma razão para acreditar que não nos vejamos imersos num imenso reino de terror, seja no plano local, nacional ou global. 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s