Portaria do Trabalho do Escravo: o agro não é pop, o agro não poupa ninguém

temertemer 1

Por repetidas vezes escrevi que um dos catalisadores da derrubada da presidente Dilma Rousseff foi o inconformismo por parte das elites agrárias com o ato de outra mulher, no caso a Princesa Isabel, que terminou formalmente com a escravisão negra no Brasil. Essa minha afirmação ganhou sentido mais explícito com a  promulgação pelo  governo “de facto” de Michel Temer da Portaria nº 1.129/2017, a qual foi publicada no Diário Oficial da União  no dia 16/10.

E o que determina a Portaria 1.129/2017? Trocando em miúdos, esta portaria determina que jornadas extenuantes e condições degradantes, a partir de agora, só serão consideradas trabalho análogo à escravidão se houver restrição de locomoção do trabalhador.  Em outras palavras, a escravidão humana que ainda ocorre em diferentes partes do Brasil se tornou ainda mais difícil de ser detectada e, pior, punida.

Qualquer cidadão com uma capacidade mínima de indignação deveria se perguntar o porquê da promulgação desta portaria vergonhosa. Mas até agora o que se viu foi quase um completo silêncio sobre a mesma, mesmo aqui em Campos dos Goytacazes que foi a capital mundial do trabalho escravo em 2009 quando nesta planície foram encontrados e libertados centenas de seres humanos escravizados [1].

Mais revelador das verdadeiras razões da fragilização do combate ao trabalho escravo no Brasil foi a celebração feita pelo dublê de latifundiário e ministro da Agricultura, Blairo Maggi, que festejou efusivamente a Portaria 1.129/2017, afirmando que “que não considera um “retrocesso” as novas regras para fiscalização de trabalho escravo e afirmou que só tem a “comemorar” a portaria” [2].

Uma coisa que está se esquecendo nos circulos que elaboraram esta portaria é que existirão repercussões comerciais com o afrouxamento das regras de combate ao trablho escravo no Brasil. É que por razões que extrapolam a vontade das corporações multinacionais que controlam hoje boa parte da cadeia agrícola brasileira, a tolerância para esse tipo de prática é baixa nos países do capitalismo central. Com isso, essa manobra para voltarmos as relações do trabalho ao início do Século XIX deverá trazer prejuízos econômicos que vão superar os eventuais ganhos com a proliferação da escravidão, especialmente em áreas rurais.

Entretanto, independente das punições comerciais, o que temos de ter no Brasil é uma ação contundente contra os escravocratas do Século XXI. Esses abutres da carne humana não podem ser tolerados, sob pena de que a sociedade brasileira afunde de vez na barbárie.  E aqui não há como sair pela tangente: há que se ver quem está contra ou a favor da escravidão humana. E o silêncio em torno do assunto será indicativo dos que estão a favor. Simples assim.


[1] http://reporterbrasil.org.br/2009/10/entre-a-morte-e-a-escravidao-em-campos-dos-goytacazes/

[2] http://g1.globo.com/politica/blog/andreia-sadi/post/so-temos-comemorar-diz-blairo-sobre-regras-para-trabalho-escravo.html

2 pensamentos sobre “Portaria do Trabalho do Escravo: o agro não é pop, o agro não poupa ninguém

  1. Nell Ribeiro disse:

    E uma pena que esses canalhas que ditam leis como essas não sejam aqueles que iriam trabalhar debaixo de açoites pelo menos por um dia, pois se fossem pensariam duas vezes em impor a população mais pobre tais medidas. E digo mais, se a população não se unir e tomar uma atitude drástica contra esses políticos sem vergonha, nós estaremos mais perdidos do que cachorro que cai do caminhão de mudança.

  2. […] via Portaria do Trabalho do Escravo: o agro não é pop, o agro não poupa ninguém — Blog do Pedlowsk… […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s