Amazon Watch: o que acontece quando a floresta desaparece?

Em um local remoto onde a maior floresta tropical do mundo confina com terras desmatadas para a agricultura, cientistas brasileiros e americanos estão atentos a um ponto crítico – o momento em que a Amazônia deixa de ser um sumidouro de carbono e se transforma em uma fonte de emissões de carbono.

yale 4A fronteira entre a Fazenda Tanguro e a floresta amazônica no Mato Grosso, Brasil. CORTESIA DE CHRIS LINDER

Por Fred Pearce* para o Yale 360

O contraste é impressionante. De um lado de uma trilha estreita, encontra-se a floresta úmida, fresca e úmida, estendendo-se a noroeste por centenas de quilômetros através da quase intacta reserva indígena do Xingu. Do outro lado, está quente, o solo nu sendo preparado para plantar soja em uma fazenda do tamanho de 14 Manhattans. Isso, diz meu guia, o cientista de sistemas terrestres Michael Coe, é a linha de frente do desmatamento na Amazônia – onde a floresta tropical encontra o agronegócio, mas também onde um ecossistema da floresta tropical está sendo degradado em pastagens de savana.

É também “o laboratório perfeito” para explorar como as florestas interagem com o clima e como isso muda quando a floresta desaparece, diz Coe, do Centro de Pesquisa Woods Hole, em Massachusetts. E é aí que os cientistas brasileiros e americanos estão vigiando o ponto de inflexão previsto há muito tempo – o momento em que a Amazônia, a maior floresta tropical do mundo, inicia um processo de degradação descontrolada, quando tantas florestas foram perdidas que a transição para a savana é perdida. irreversível. Esse será o momento em que a Amazônia deixará de ser um sumidouro de carbono que ajudará a proteger o planeta das mudanças climáticas e se transformará em uma fonte global de emissões de carbono.

Estamos na Fazenda Tanguro, no estado brasileiro de Mato Grosso, uma das maiores fazendas de soja do mundo. A 16 horas de ônibus de Brasília, a fazenda fica na bacia do rio Xingu, um dos maiores afluentes do rio Amazonas. Há um século, quando a área ainda era uma selva remota, o excêntrico explorador britânico Percy Fawcett desapareceu aqui enquanto procurava a suposta “Cidade Perdida de Z” e onde cerca de 100 pessoas morreram procurando resgatá-lo.

Talvez nunca tenha havido uma “cidade perdida”. Mas a cidade local de Canarana está repleta de silos de grãos, bares e franquias da John Deere, atendendo às grandes fazendas. Uma dos maiores, a Fazenda Tanguro, foi parcialmente desmatada para o plantio de pastos na década de 1980 e convertida em cultivo a partir de 2003 pela corporação Amaggi, o maior conglomerado agrícola de soja do mundo. Hoje, metade é composta por fragmentos de floresta; o restante consiste em campos gigantes que cultivam soja, milho e, a partir deste ano, algodão.

Graças a um acordo fechado em uma reunião casual entre o pesquisador de Woods Hole, Dan Nepstad, e o CEO da empresa e então governador do estado, Blairo Maggi, pesquisadores e colegas americanos do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM) monitoram a floresta desde 2004 e pesquisam como o clima está mudando dentro e ao redor dele.

E após os incêndios generalizados estabelecidos este ano nas margens da Amazônia – quebrando uma série de 15 anos durante os quais o desmatamento foi dramaticamente reduzido – lugares como esse estão na linha de frente, pois a Amazônia enfrenta sua crise mais fundamental, com as temperaturas subindo, estações secas se prolongando e árvores da floresta tropical sendo substituídas por espécies de savana.

Mais de um terço da Bacia do Xingu, uma região maior que o Estado de Nova York, está desmatada. Restos de cobertura de árvores são tudo o que permanece fora da reserva indígena do Xingu, ainda densamente florestada, em seu coração. Sou mostrado por Coe e Divino Silvério, filho de um fazendeiro local. cujo trabalho de pesquisa na estação lhe rendeu um doutorado e uma série de artigos científicos conceituados. “Temos mais de uma década de dados aqui. Em nenhum outro lugar nos trópicos há isso ”, diz Coe.

yale 3Tanguro é uma das maiores fazendas do Mato Grosso. No total, mais de um terço da Bacia do Xingu foi desmatado, grande parte para o cultivo de soja. CORTESIA DE MICHAEL COE

O que eles estão vendo é alarmante.

O desmatamento está aumentando drasticamente as temperaturas locais. O ar sobre a fazenda é em média 5 graus Celsius mais quente do que na reserva florestal sobre a cerca: 34 graus C, em vez de 29 graus C. A diferença sobe para impressionantes 10 graus no final da estação seca, diz Coe.

E a estação seca está aumentando. Em toda a bacia do Xingu e na região sul da Amazônia, conhecida como “arco do desmatamento”, dura quase quatro semanas a mais do que meio século atrás.

Por que essas grandes mudanças? As respostas não estão nas mudanças climáticas globais, mas no impacto do desmatamento, diz Coe. Antigamente, as árvores da floresta agiam como bombas de água, reciclando a maior parte da água da chuva, que bombeavam do subsolo e liberavam na atmosfera os poros de suas folhas, um processo conhecido como transpiração.

A transpiração requer grandes quantidades de energia, extraídas da radiação solar. “Todo metro quadrado de floresta remove o equivalente ao calor de cerca de duas lâmpadas de 60 watts que queimam 14 horas por dia”, calculou Coe em um estudo. Então, esfria o ar da floresta intacta. Mas tire a floresta e o ar fica instantaneamente muito mais quente.

A transpiração de uma típica grande árvore amazônica também libera cerca de 500 litros de água por dia na atmosfera. A umidade cria nuvens e chuva que sustentam a floresta. Três quartos da chuva que cai nas partes florestadas da Bacia do Xingu são reciclados de volta ao ar dessa maneira. Mas essa proporção cai para 50% ou menos se as árvores forem substituídas por pastagens ou áreas de cultivo.

Atualmente, a Amazônia ainda gera cerca de metade de suas próprias chuvas, com alguma chuva soprando nos ventos alísios do Oceano Atlântico caindo e transpirando de volta para o ar cinco ou seis vezes enquanto atravessa a vasta bacia. Mas o desmatamento reduziu a reciclagem anual de umidade na Bacia do Xingu em 35 quilômetros cúbicos nas últimas duas décadas, segundo Silvério.

Assim, o desmatamento cria o que Coe chama de “uma mudança gigante no balanço de água e energia. O clima muda. ”A selva permanentemente úmida é substituída por um clima mais quente e seco, com demônios de poeira substituindo árvores transpirantes.

A mudança é especialmente importante no final da estação seca. Tocando a água no subsolo, as árvores continuam transpirando mesmo depois de meses sem chuva. De fato, graças à energia do sol implacável, elas transpiram ainda mais na estação seca do que na estação chuvosa. Pesquisas em Tanguro confirmaram que isso é vital para o término da estação seca, porque fornece a primeira umidade para que as chuvas sejam retomadas, diz Coe.

À medida que o clima muda, o mesmo acontece com a vegetação. O aumento da temperatura e uma estação seca mais longa, ambos causados ​​pela perda de árvores, criam estresse hídrico que inverte os ecossistemas da floresta tropical para a savana.

Uma longa estação seca também torna as florestas mais suscetíveis a incêndios. E os incêndios, por sua vez, aceleram a mudança na vegetação. Como Coe coloca: “O fogo é a maneira da natureza começar de novo”. E agora, quando começa aqui, muda para as espécies de savana.

yale 2Incêndios experimentais na Fazenda Tanguro permitem que os cientistas estudem como a floresta amazônica responde e se recupera após os incêndios. CORTESIA DO WHRC E DO IPAM

A combinação de temperaturas crescentes, estações secas mais longas e mais incêndios está impulsionando a “savanização” das florestas – um processo previsto pela primeira vez em 1991 pelo preeminente cientista climático brasileiro Carlos Nobre. “Quando a estação seca se prolonga por mais de quatro meses, a floresta tropical se transforma em savana”, ele me disse quando nos encontramos em sua cidade natal fora de São Paulo após minha visita a Tanguro.

Por muitos anos, isso foi apenas uma previsão dos modelos climáticos. Mas, afirma Paulo Moutinho, cientista sênior do IPAM e membro do Woods Hole, “nossos estudos sobre incêndio em Tanguro foram os primeiros a testar o modelo de savanização de Nobre em campo. Estamos demonstrando o que Nobre previu – que o fogo transforma a floresta tropical em savana, acelerando a invasão de árvores de cerrado. ”Silvério supervisionou um inventário detalhado de milhares de árvores nas áreas florestadas da Fazenda Tanguro. O segundo censo, atualmente em andamento, encontrou um declínio no número de espécies nos últimos quatro anos. As grandes árvores da floresta tropical, em particular, estão sendo substituídas por espécies pioneiras de rápido crescimento, muitas mais conhecidas nas regiões de savana.

Parcelas experimentais em Tanguro, nas quais pedaços de floresta são submetidos a queimadas, mostram como os incêndios, as savanas e as ervas se movem para substituir a floresta perdida. As gramíneas, em particular, são mais inflamáveis; portanto, o próximo incêndio queima mais ferozmente que o primeiro.

Os gerentes da Fazenda Tanguro tentam seguir o Código Florestal do governo, que exige que plantem espécies nativas de árvores da floresta tropical em terras próximas a rios que foram ilegalmente derrubados pelos pecuaristas que os precederam. Mas o novo clima da savana significa que as mudas da floresta tropical não crescerão, diz Coe. “Provavelmente as espécies de savana cresceriam, mas o código diz que você precisa restaurar o que havia antes.” Então, em vez disso, a empresa deixa essas áreas ribeirinhas cercadas na esperança de que as espécies nativas encontrem uma maneira de retornar. Ninguém está prendendo a respiração.

Nobre argumentou em 2007 que poderia chegar a um ponto em que a savanização é imparável em grandes áreas da Amazônia. Ele disse que o ponto de inflexão pode ocorrer se 40% da floresta for perdida. Mais recentemente, ele alertou que, com o aumento global das temperaturas em segundo plano, esse limite poderia estar muito mais próximo – com perda de 20 a 25%. Com cientistas do governo brasileiro estimando a perda atual em 19,7%, o dia do juízo final pode estar próximo.

Alguns dos principais pesquisadores brasileiros entrevistados para este artigo questionaram se existe um único ponto de inflexão que se aplica a toda a Amazônia. Poderia ser um processo mais gradual. O norte e o oeste mais primitivos poderiam sobreviver. Mas outras regiões do sul e leste, incluindo Mato Grosso, já superaram a perda de 25%. E em Tanguro, a aceleração da savanização parece estar ocorrendo agora.

Isso é importante para o planeta como um todo. Pois, diz Jose Marengo, diretor de pesquisa do Centro Nacional de Monitoramento e Aviso Prévio de Desastres Naturais do Brasil, a mudança da floresta tropical para a savana mudará a Amazônia de sua posição atual como uma pia para cerca de um bilhão de toneladas de dióxido de carbono atmosférico por ano, em uma fonte de CO2. “Isso significaria adeus a Paris”, diz ele, referindo-se ao acordo de Paris de 2015 que visa manter o aquecimento global abaixo de 2 graus.

Uma pesquisadora me disse que acredita que a troca já aconteceu. Seu estudo ainda não foi concluído, mas pode produzir algumas descobertas interessantes no próximo ano.

Para os cientistas brasileiros que lutam para salvar a Amazônia, a tragédia é que eles estão vendo décadas de trabalho que estabeleceram a importância da floresta para o Brasil e o mundo aparentemente desfeitos nos meses desde que Jair Bolsonaro assumiu o cargo de presidente do Brasil em janeiro. Ele efetivamente deu uma luz verde para o desmatamento. Isso reverteu um declínio no desmatamento de mais de 75% desde 2004, logo após a ativista ambiental Marina Silva se tornar a ministra do Meio Ambiente do país. Ela introduziu uma moratória na venda de carne bovina ou soja de terras recentemente desmatadas e policiou a Amazônia com monitoramento por satélite em tempo real da destruição da floresta.

Bolsonaro diz que o Brasil não pode permitir que seu desenvolvimento econômico seja prejudicado por restrições impostas por estrangeiros à derrubada de florestas para agricultura. Isso é bobagem, diz a maioria dos cientistas de seu país. A maior parte do desmatamento é realizada ilegalmente por especuladores que capturam terras florestais estatais. “Eles cortam e queimam as árvores. Depois, plantam gado e esperam uma anistia para legalizar sua anexação, para depois venderem ”, diz Moutinho.

yale 1A reserva indígena do Xingu, uma das poucas áreas remanescentes em grande parte intactas da floresta. CORTESIA DO WHRC E DO IPAM

Não se trata de desenvolvimento econômico, diz Moutinho. É sobre tolerar a criminalidade. O desenvolvimento econômico genuíno envolveria o uso mais intensivo de terras já desmatadas. De fato, diz Nobre, o país poderia aumentar a produção de carne e soja e ainda devolver a terra para a regeneração natural da floresta. “Se você dobrar a intensidade do gado, o que é totalmente viável, poderá liberar mais de meio milhão de quilômetros quadrados para a restauração da floresta”, ele me disse.

Tais políticas progressistas agora são apoiadas por muitos grandes agronegócios, diz Nobre. Eles temem que o desmatamento continuado possa trazer boicotes ao consumidor internacional de carne bovina, soja e outros produtos. Mas ainda não está claro se o governo continuará apoiando especuladores de terras ou ouvindo uma aliança emergente de ambientalistas e agronegócios.

Com um ponto de inflexão se aproximando, as apostas são imensamente altas para a Amazônia e o planeta. As florestas e grande parte de sua biodiversidade poderiam, com a assistência certa, ainda se recuperar. Mesmo os enormes campos de soja em Tanguro não são tão inanimados quanto se poderia esperar. Altos pássaros que não voam voam por aí à procura de sementes. Faixas e excrementos de anta estão por toda parte. Os tatus escavam nas margens. E até vi uma onça-pintada passeando por uma trilha a apenas 20 metros de um campo esperando para ser plantada com soja.

Mas no caminho de volta a Canarana, a poucos quilômetros do portão da fazenda, Silvério e eu encontramos os restos enegrecidos de uma floresta nativa. Ele havia sido engolido pelas chamas após um incêndio para limpar a vegetação no pasto apenas uma semana antes de se espalhar pela estrada. Foi deliberado ou acidental? Aqui na fronteira selvagem do Brasil, ninguém sabia – ou estava dizendo.

* Fred Pearce é um autor freelancer e jornalista baseado no Reino Unido. Ele é um colaborador do Yale Environment 360 e é autor de vários livros, incluindo The Land Grabbers, Earth Then and Now: imagens surpreendentes do mundo em mudança e The Climate Files : A batalha pela verdade sobre o aquecimento global.

________________________________________________

Esta reportagem foi originalmente publicada em inglês pelo Yale 360 que é produzido pela Yale School of Forestry and Environmental Studies [Aqui! ].

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s