Paradoxos do neoliberalismo brasileiro: Amazônia virando pasto e o povo sem dinheiro para comer carne

QUE1 QUERÊNCIA 29/01/2008  VIDA & DESMATAMENTO QUERÊNCIA MATO GROSSO  . FOTO: JF DIORIO/AEParadoxo neoliberal brasileiro: pastagens e bois avançam na Amazônia, mas o povo brasileiro não tem dinheiro para comprar carne

A maioria de nós normalmente para pensar sobre o tamanho do rebanho bovino no Brasil e de seus variados impactos sobre o meio ambiente. Segundo dados do IBGE, o nosso país possui hoje um rebanho bovino de algo em torno de 213,5 milhões de animais, o que representa dizer que temos mais bois do que seres humanos vivendo no território brasileiro. Além disso, quando levado em consideração as estimativas globais, o Brasil possui 2 em cada 10 bovinos vivendo na Terra neste momento.  Em função disso, o Brasil é atualmente o maior exportador mundial de carne bovina, algo que normalmente é apresentado como um feito da pecuária nacional.

Agora, após o país ter experimentado o melhor mês em termos de exportações de carne da história com a venda de 185.537  toneladas ao valor de US$ 808,4 milhões,  o governo Bolsonaro, por meio da ministra da Agricultura, Tereza Cristina, acena com a possibilidade do Brasil importar carne para “equilibrar” os preços no mercado nacional.  O fato é que o mesmo país que mais exporta carne no planeta, agora não tem como oferecer esse produto a preços que a maioria da sua população possa almejar ter em suas refeições diárias.

Essa situação é aparentemente paradoxal, mas se explica pela completa dependência do Brasil na geração de moedas fortes para não ter uma balança comercial ancorada no vermelho.  Em função disso, com a demanda aquecida na China pela peste suína africana que obrigou o sacrifício de milhões de animais, agora o brasileiro médio tem que conviver com preços que são caros demais até para aquelas carnes menos nobres. E isso está visível em qualquer supermercado ou açougue.  Enquanto isso, a China representa quase 40% das exportações brasileiras de carne bovina, algo que aparentemente não mudará até que os estoques do rebanho suíno sejam restabelecidos.

Mas para os membros do governo Bolsonaro, cujas ações estão rebaixando salários e exterminando políticas sociais que beneficiavam os segmentos da população brasileira que antes não comiam carne e agora voltarão a não mais comer, isto tudo faz parte da normalidade neoliberal que dita que come quem pode comprar.   E a única coisa que a ministra Tereza Cristina parece querer propor é a importação de carne sabe-se lá de onde.

Mais pitoresca é a posição da mídia corporativa, capitaneada pelas Organizações Globo, que ocultam o paradoxo e celebram a repentina alta na venda de ovos no Brasil.  O problema aqui é não há como se comer tantos ovos sem que os mesmos tenham seus preços elevados, também pela simples regra de come quem pode pagar. Em outras palavras, vai comer ovo quem puder.

Agora, o real paradoxo dessa história toda é que na Amazônia todo o suporte governamental à expansão da pecuária bovina resultou na destruição de 500.000 km² de florestas para a implantação de pastagens, algo que representa cinco vezes o tamanho de Portugal.  Agora, em que pese o avanço da franja de desmatamento para regiões mais interiores da Amazônia justamente para ampliar ainda mais o alcance da pecuária bovina, vivemos um momento em que o brasileiro não pode comer carne por causa dos preços impagáveis que estão sendo aplicados.

Aliás, não me surpreenderei se mais florestas amazônicas forem destruídas sob a alegação de ampliar a oferta barata de carne dentro do Brasil, e com o apoio entusiasmado do ministro (ou seria anti-ministro?) do Meio Ambiente, Ricardo Salles. É que do governo Bolsonaro só podemos esperar fórmulas de recorte neoliberal que ampliam os paradoxos existentes. 

 

 

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s