Mudança do clima aumentou risco de incêndios florestais na Austrália, aponta novo estudo

Bush Fire

De acordo com cientistas, as chances de episódios como os incêndios recentes no sudeste da Austrália acontecer aumentaram ao menos 30% por conta da mudança do clima causada pelas emissões antropogênicas de gases de efeito estufa

A mudança do clima causada pela humanidade contribuiu para criar condições meteorológicas propícias para os incêndios florestais no sudeste da Austrália do final de 2019 e começo de 2020, aponta uma análise feita pelo World Weather Attribution, um grupo internacional que reúne renomados cientistas da área de clima.

Os pesquisadores concluíram que a mudança do clima causada pela elevação da concentração de gases de efeito estufa na atmosfera da Terra aumentou as chances da Austrália passar por episódios extremos de incêndio florestal em ao menos 30% – mas esse valor pode ser ainda maior, já que a tendência de calor extremo é um dos principais fatores nesse processo e os modelos climáticos ainda subestimam essa tendência na análise.

“As alterações climáticas fazem parte da paisagem atual da Austrália. O calor extremo é claramente influenciado pelas mudanças climáticas causadas pelo Homem, que podem influenciar as condições de fogo”, diz Sophie Lewis, pesquisadora da University of New South Wales, na Austrália. “Temos evidências de que as estações de fogo na Austrália se tornaram mais prolongadas e intensas, e as temperaturas extremas têm desempenhado um papel importante nisso”.

Se as temperaturas globais se elevarem até 2oC, o estudo aponta que as condições para episódios como esse na Austrália se tornarão ao menos quatro vezes mais comuns como resultado da mudança do clima.

O estudo de atribuição observou o Fire Weather Index, que mede as condições meteorológicas relacionadas ao risco de incêndios florestais nas áreas no sudeste da Austrália que foram as mais afetadas pelos incêndios em 2019/2020. Ele comparou as condições atuais, com pouco mais de 1oC de aquecimento global, com o clima observado por volta do ano 1900, usando registros e modelos climáticos.

Os pesquisadores também examinaram o calor extremo e a seca meteorológica (períodos de precipitação extremamente baixa), que são elementos importantes no Fire Weather Index. Uma semana de temperaturas quentes, como aquela vivida no sudeste australiano em dezembro de 2019, tornou-se ao menos duas vezes mais provável por conta da mudança do clima causada pela humanidade. Ondas de calor como aquela observada na Austrália em 2019/2020 são agora mais quentes em cerca de 1-2oC do que as registradas por volta de 1900.

Períodos de precipitação extremamente baixa são mais relevantes para o clima de incêndio do que as tendências de precipitação média, que são um motor da seca agrícola. Os extremos secos anuais tornaram-se um pouco mais comuns no sudeste da Austrália, com 2019 sendo o ano mais seco desde 1900, embora a tendência esteja dentro do intervalo esperado das flutuações climáticas naturais. Os pesquisadores não foram capazes de ligar diretamente o recente recorde de baixa pluviosidade anual nem o mês mais seco da estação de incêndios com a mudança do clima. Outros aspectos da seca não incluídos no estudo, como baixo suprimento de água e solos secos, são influenciados pelas temperaturas altas e, por isso, estão ligados à mudança do clima.

As condições de incêndios descritas pelo Fire Weather Index desde 1979 pioraram mais rapidamente do que as simuladas pelos modelos climáticos. O risco climático do fogo aumenta em grande parte devido a eventos de calor mais intenso. Os modelos climáticos subestimam essa tendência no sudeste da Austrália, como pesquisas anteriores também apontaram em outras partes do mundo. Assim, enquanto os modelos climáticos mostram que a mudança climática causada pela humanidade aumentou em pelo menos 30% as chances da Austrália ter registros extremos do Fire Weather Index, os pesquisadores concluíram que o verdadeiro aumento poderia ser muito maior, com base na sua análise observacional e na subestimação das tendências de calor extremo.

“Descobrimos que os modelos climáticos lutam para reproduzir esses eventos extremos e suas tendências de forma realista. No entanto, eles sempre subestimam o aumento das chances de risco extremo de incêndio, como a Austrália viu nos últimos meses”, aponta Geert Jan van Oldenborgh, do Instituto Real Meteorológico dos Países Baixos. “Isso significa que sabemos que o efeito é maior que os 30% de aumento observado, o que já é uma influência significativa do aquecimento global”.

Outras ligações entre mudança do clima e o risco de incêndio na Austrália estavam além do escopo do estudo, tais como fontes de ignição e estações de incêndio prolongadas que diminuem a janela para a redução segura do risco de incêndio.

Estudos de atribuição como esse são importantes para analisar o efeito da mudança climática global sobre eventos meteorológicos locais. “Diante de incêndios como estes, a questão não é apenas se o clima em transformação está tendo um efeito sobre o fogo, mas como essas mudanças estão afetando esses eventos e sua probabilidade”, explica Friederike Otto, da University of Oxford no Reino Unido. “Nossa pesquisa apontou que a mudança climática é, de fato, um fator importante nesses episódios em âmbito local. Por isso, precisamos continuar testando nossos modelos climáticos no mundo real, de modo a fornecer informações com maior confiança sobre riscos climáticos no nível local, na escala em que as pessoas vivem e tomam decisões”.

Para Maarten van Aalst, do Centro Climático da Cruz Vermelha e Crescente Vermelho Internacional, episódios como os incêndios recentes na Austrália reforçam as dificuldades que eventos climáticos extremos impõem às pessoas, especialmente aquelas mais vulneráveis. “As alterações no clima já estão tornando o trabalho humanitário mais difícil. Estamos enfrentando riscos maiores e mais surpresas. Este estudo mostra que esses riscos crescentes também se refletem em perda maciça como a que observamos na Austrália na virada para o ano de 2020. Pessoas e comunidades têm sido duramente atingidas e a recuperação pode levar muitos anos. Os riscos climáticos crescentes significam que a adaptação e a resiliência são críticos, mas por si só não são suficientes – reduzir emissões é crucial”.

Autores do estudo:
• Geert Jan van Oldenborgh, Instituto Real Meteorológico dos Países Baixos, De Bilt, Países Baixos
• Folmer Krikken, Instituto Real Meteorológico dos Países Baixos, De Bilt, Países Baixos
• Sophie Lewis, University of New South Wales, Canberra, Austrália
• Nicholas J. Leach, University of Oxford, Oxford, Reino Unido
• Flavio Lehner, Institute for Atmospheric and Climate Science, ETH Zurich, Zurique, Suíça; Climate and Global Dynamics Laboratory, National Center for Atmospheric Research, Boulder, Estados Unidos
• Kate R. Saunders, Delft Institute of Applied Mathematics, Delft University of Technology, Delft, Países Baixos
• Michiel van Weele, Instituto Real Meteorológico dos Países Baixos, De Bilt, Países Baixos
• Karsten Haustein, Environmental Change Institute, University of Oxford, Oxford, Reino Unido
• Sihan Li, Environmental Change Institute, University of Oxford, Oxford, Reino Unido; Oxford e-Research Centre, University of Oxford, Oxford, Reino Unido
• David Wallom, Oxford e-Research Centre, University of Oxford, Oxford, Reino Unido
• Sarah Sparrow, Oxford e-Research Centre, University of Oxford, Oxford, Reino Unido
• Julie Arrighi, Red Cross Red Crescent Climate Centre, Haia, Países Baixos; Global Disaster Preparedness Center, Washington DC, Estados Unidos
• Roop P. Singh, Red Cross Red Crescent Climate Centre, Haia, Países Baixos
• Maarten K. van Aalst, Red Cross Red Crescent Climate Centre, Haia, Países Baixos; Faculty of Geo-information Science and Earth Observation, University of Twente, Enschede, Países Baixos; International Research Institute for Climate and Society, Columbia University, Nova York, Estados Unidos
• Sjoukje Y. Philip, Instituto Real Meteorológico dos Países Baixos, De Bilt, Países Baixos
• Robert Vautard, Institut Pierre-Simon Laplace, França
• Friederike E. L. Otto, Environmental Change Institute, University of Oxford, Oxford, Reino Unido

Sobre o World Weather Attribution (WWA)

 

O World Weather Attribution (WWA) é um grupo de colaboração internacional que analisa e comunica a possível influência das mudanças climáticas em eventos climáticos extremos, tais como tempestades, chuvas extremas, ondas de calor, períodos de frio e secas.

Mais de 230 estudos examinaram se as mudanças climáticas tornaram mais prováveis determinados eventos climáticos. Um estudo recente do mesmo grupo descobriu que a mudança climática tornou mais provável a onda de calor recorde de junho na França. Também constatou que a chuva na tempestade tropical Imelda, que atingiu o Texas em setembro, foi tornada mais provável e intensa pelas mudanças climáticas.

Os incêndios florestais em toda a Austrália em 2019-20, particularmente ao longo da costa sudeste, queimaram mais de 11 milhões de hectares (uma área maior que a Irlanda ou Coreia do Sul), destruíram quase 6.000 edifícios e mataram pelo menos 34 pessoas e mais de 1,5 bilhões de animais. Os custos econômicos dos incêndios podem chegar a 100 bilhões de dólares, de acordo com estimativas separadas.

Mais informações em http://www.worldweatherattribution.org/

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s