Vitória acachapante do MAS na Bolívia confirma que Evo Morales foi vítima de um golpe de estado

luis-arce--700x466

Depois de cinco dias finalmente chegou ao fim a contagem de votos das eleições presidenciais na Bolívia, com o resultado acachapante de 55,1% dos votos sendo dados para o candidato do Movimiento Al Socialismo (MAS), Luís Arce, ex-ministro do golpeado Evo Morales (ver imagem abaixo).

bolivia eleições

Esse resultado acachapante, ao confirmar a vitória do MAS, reafirma o fato de que Evo Morales foi vítima de um golpe de estado, orquestrado internamente pelos candidatos novamente derrotados da direita e extrema-direita e externamente pelo Organização dos Estados Americanos (OEA).

Apesar da volta triunfante do MAS ao controle do governo federal boliviano, a principal tarefa das forças que se opõe à soberania, que foi a remoção de Evo Morales do poder, foi objetivamente alcançada. Além disso, como o novo presidente da Bolívia representa uma ala mais à direita do MAS, muitos esperam que haja uma movimentação para o mesmo espectro do novo governo boliviano, algo que só se saberá após o início efetivo da gestão de Luís Arce.

Entretanto, há que se observar ainda com mais atenção as movimentações dos partidos de direita, especialmente as do CREEMOS, partido do extremista de direita de Luís Fernando Camacho (que obteve apenas 14% dos votos), pois dificilmente a vitória do MAS será aceita de forma quieta, pois, objetivamente, o que foi executado por essas forças na Bolívia foi um golpe de estado, e a saída dessas forças do governo boliviano contraria grandes interesses globais, principalmente em torno das grandes reservas de lítio que o país possui.

De toda forma, há que se frisar que não apenas a realização das eleições como a vitória do MAS só foram possíveis em função de uma forte mobilização dos sindicatos e do movimento indígena boliviano. Com isso, qualquer guinada à direita do MAS não será tão fácil quanto aparentemente gostariam os veículos da mídia corporativa brasileira que têm enfatizado o tom mais moderado de Arce em relação a Evo Morales. Aliás, o próprio Luís Arce deve saber que seus atos serão observados com grande atenção não apenas pela direita boliviana, mas, principalmente, pelos trabalhadores. 

Finalmente, o grande temor de outros governos de direita na América Latina neste momento não é ver partidos de esquerda repetirem o caso boliviano e vencerem eleições de forma arrasadora. O que a direita ultraneoliberal deve estar mesmo temendo é que a gigantesca mobilização da classe trabalhadora em prol da realização de eleições minimamente democraticamente tenha sido apenas a primeira fase de um grande ascenso anti-neoliberal em toda a América Latina.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s