COVID-19: “As novas roupas da globalização”

covid 19 globalizationReuters, AFP/Getty Images, The Associated Press

Alguns são peremptórios: a COVID-19 teria matado a globalização, dizem eles. Outros vão mais longe: a COVID-19 seria a globalização. Finalmente, a COVID-19 seria a personificação final de uma globalização moribunda. Sem globalização do comércio, não haveria pandemia, disseram – sem saber que a peste bubônica, fronteira desconsiderando, milhões de mortos de europeus na XIV ª  século como influenza chamado de “gripe espanhola” no rescaldo da Primeira Guerra Mundial ,  era galopante nos Estados Unidos e em toda a Europa.

Na verdade, o anúncio da morte da globalização parece prematuro. Mas a COVID-19 provavelmente está acelerando sua evolução. A pandemia marcaria o fim de um ciclo que começou no início dos anos 1980, em meio a um renascimento do pensamento econômico liberal.

No hemisfério Norte, esses quarenta anos de liberalização comercial ficaram com má reputação. Ela é responsabilizada pelo rebaixamento das classes médias e pela desindustrialização, ainda que a destruição de empregos seja resultado tanto da automação quanto da competição dos trabalhadores do Norte com os do hemisfério Sul. Mas no Sul, precisamente, a globalização não conta a mesma história. Para centenas de milhões de homens e mulheres, marca a saída da extrema pobreza e, muitas vezes, o acesso à classe média. É a epopeia do surgimento industrial do Sul, essa poderosa dinâmica que transformou nosso mundo.

O que a COVID-19 revelou, nos Estados Unidos, na Europa e em outros lugares, é a dependência em que as realocações no Sul, e em particular na China, nos colocaram em áreas-chave como a saúde. É também o absurdo de certas cadeias de valor – processos de fabricação divididos em vários países – que parecem ter sido pensadas por uma agência de viagens sobrecarregada com uma única lógica: deslocar a fabricação o mais longe possível do local de consumo.

Três “áreas privilegiadas de influência”

Um movimento reverso está em curso: a reconquista da soberania econômica em alguns setores, mesmo que isso signifique assumir os custos adicionais. Este desenvolvimento não acabará com a globalização. Intimamente ligada à tecnologia, a internacionalização do comércio continuará. Mas talvez seja mais regional do que global. Podemos falar de uma globalização da proximidade? Há dez anos, Jean-Louis Guigou, presidente do Instituto de Prospectiva Econômica do Mundo Mediterrâneo (Ipemed), fala sobre três “áreas privilegiadas de influência” chamadas a formar as grandes áreas de integração econômica de amanhã: o Bloco americano; os asiáticos; finalmente, um eixo Europa-África.

As duas primeiras áreas, observa Guigou, economista e ex-alto funcionário do governo francês, estão equipadas com os instrumentos para tal evolução: think tanks econômicos comuns; bancos regionais ad hoc; organizações políticas multilaterais (seja a Organização dos Estados Americanos ou a Associação das Nações do Sudeste Asiático).

A guerra tarifária que Donald Trump declarou contra a China é um fracasso. Não produziu qualquer realocação para os Estados Unidos de empresas americanas estabelecidas na China. Não fez nada para melhorar a situação dos trabalhadores americanos. Por outro lado, a renegociação de Trump do mercado comum norte-americano (anteriormente Alena, agora USMCA) entre o Canadá, o México e os Estados Unidos é um bom exemplo dos desenvolvimentos em curso na globalização.

Ele protege esta zona: as mercadorias circulam lá livres de direitos assim que são amplamente fabricadas neste espaço. Protege os trabalhadores: no automóvel, um mexicano não pode ganhar menos de 70% do que ganharia em Detroit. A integração comercial envolve a harmonização gradual de padrões – salariais, ambientais e outros.

Jean-Louis Guigou olha seus mapas geográficos: “O Norte da África deveria ser o México da União Europeia. “ O desenvolvimento de amanhã não é a troca de ontem (matéria-prima para bens de alto valor agregado), mas a coprodução. O Mediterrâneo, afirmou, “não é um obstáculo, mas um elo de ligação entre a Europa e todo o continente africano” . À “falta de visão, antecipação, paixão” que caracterizaria o Velho Continente, Guigou opõe-se à ambição de uma “Vertical África-Mediterrâneo-Europa”.

No entanto, este eixo não possui nenhum dos instrumentos – locais de encontro institucional ou banca de investimento – nem mesmo um centro de estudos económicos África-Europa, o que facilitaria o desenvolvimento para a integração regional. A globalização local é o negócio das próximas gerações.

fecho

Este texto foi originalmente escrito em francês e publicado pelo Le Monde [Aqui!].

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s