Estudo mostra que uso de agrotóxicos afetou sistema imunológico de agricultores gaúchos

The food scientist checks the potato for chemicals and pesticides. Study quality of soil and crop. Growing organic vegetables. Eco-friendly products. Pomology. Agriculture and farming. GMO test.

The food scientist checks the potato for chemicals and pesticides. Study quality of soil and crop. Growing organic vegetables. Eco-friendly products. Pomology. Agriculture and farming. GMO test.

Um estudo que acaba de ser publicado pela revista Environmental Science and Pollution Research traz resultados preocupantes sobre os impactos trazidos um coquetel de agrotóxicos sobre o sistema imunológico dos agricultores familiares que o utilizam.  Um questionário foi elaborado para coletar dados como informações sociodemográficas dos participantes, hábitos e condições de saúde, dados ocupacionais e de manejo de pesticidas e percepção de risco. Um aspecto inovador da pesquisa foi o uso de biomarcadores para estabelecer potenciais mudanças no sistema imunológico dos agricultores em função da exposição intensiva e continuada a agrotóxicos altamente tóxicos.

O artigo intitulado “Exposição ocupacional de trabalhadores rurais a agrotóxicos em região produtora de hortaliças do Brasil” é de autoria de pesquisadores ligados a três instituições de ensino superior gaúchas conduziram o estudo na principal área de produção de batata do Rio Grande do Sul e detectaram o uso de  agrotóxicos pertencentes a grupos químicos como piretróides (inseticidas), triazóis e etileno-bis-ditiocarbamatos (fungicidas) e bipiridílios (herbicidas) (ver figura abaixo).

rs potato

Os agrotóxicos identificados como sendo os mais utilizados na área estudada já foram documentados na literatura científica como estando associados ao surgimento de várias doenças por meio da exposição cumulativa devido à sua neurotoxicidade e sua capacidade de induzir o estresse oxidativo. No caso especíico do herbicida Paraquat, o mesmo pode participar ativamente dos mecanismos de indução do estresse oxidativo por meio do consumo de NADP, o que aumenta consideravelmente a concentração de ROS, precursores de lipoperoxidação e níveis de malondialdeído (MDA), conhecidos por causar distúrbios no metabolismo celular . Outros estudos experimentais também sugeriram que piretróides sintéticos e etileno-bis-ditiocarbamatos podem atuar como desreguladores endócrinos  e os etileno-bis-ditiocarbamatos também podem levar à toxicidade crônica da tireóide. Finalmente, os fungicidas triazólicos têm efeitos de interferência hormonal e, acima de tudo, são altamente tóxicos para os humanos devido à clastogênese (i.e., mutação gênica).

É interessante notar que mais de 100 agrotóxicos (na verdade, o site da ANVISA mostra que o total oficial chega a 124) estão autorizados para uso apenas nessa cultura em todo o território brasileiro.

As mudanças observadas no organismo dos agricultores incluíram o aumento dos níveis de TBARS e da proteína carbonilada, e a diminuição do nível de GSH. Também foi observada uma diminuição da atividade enzimática de BuChE, SOD, CAT, GR e GPx, bem como expressão irregular dos biomarcadores imunológicos IL-8 e IL-10. Os autores apontam que todos esses sinais indicam uma a perda iminente da função dos mecanismos de defesa, tanto antioxidantes quanto imunológicos, que podem desencadear efeitos adversos no sistema imunológico desses indivíduos.

Os autores concluíram que os agricultores familiares estudados estão expostos a múltiplos agrotóxicos e podem apresentar alterações bioquímicas e imunológicas em seus organismos.  Porém,  foi observado a presença de um alto desconhecimento e baixa percepção dos riscos à saúde causados ​​pelos agrotóxicos, bem como a falta de orientação para o manuseio correto dos agrotóxicos e, principalmente, o uso inadequado de EPIs. Tais aspectos indicam que estes agricultores familiares vivem em alto grau de vulnerabilidade, não só pela possibilidade de desenvolver doenças crônicas associadas à intoxicação, mas também pela maior probabilidade de sofrer acidentes de trabalho, como intoxicações agudas.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s