Qualis CAPES “quântico” abriga revistas científicas potencialmente predatórias e deixa cientistas brasileiros à mercê dos tubarões

Businessman chased by shark

A classificação de revistas científicas se tornou uma das formas mais práticas para pesquisadores escolherem o potencial destino do resultado de suas pesquisas.  Com o crescimento exponencial do número de revistas que se colocam no mercado editorial, a tarefa de classificar se tornou um grande desafio, pois é preciso orientar de forma confiável o resultado de grandes investimentos com o dinheiro público. No Brasil, o instrumento de classificação mais conhecido é o chamado “Qualis Capes“. A prática é que todo pesquisador que tem em mãos um trabalho potencialmente publicável se dirige ao sítio que abriga o “Qualis” para verificar a “nota” que uma dada revista alcançou. 

Mas aí é que começam os problemas de quem quer fazer a escolha correta, pois o Qualis continua adotando um tipo de classificação que pode dar notas completas díspares para uma mesma revista, dependendo do comitê setorial que a avalia, criando o que o jornalista Mauricio Tuffani, do Direto da Ciência, já classificou como sendo um “sistema quântico de notas“.  Com isso, todo pesquisador que sinceramente deseja publicar em uma revista qualificada acaba sem saber qual é efetivamente o nível de qualidade de uma dada publicação.  Para piorar a situação, a difusão das chamadas “revistas de acesso aberto” colocou no mercado editorial científico milhares de publicações que hoje aposentado bibliotecário da Universidade do Colorado-Denver, Jeffrey Beall, denominou de “revistas predatórias“, tendo impulsionado uma lista que se tornou célebre entre os pesquisadores e fortemente perseguida pelos donos das editoras que eram identificadas como predatórias (ou como eu chamo produtoras de “trash science“.

A situação é tão grave que desde o nascimento deste blog venho abordando a situação criada pelas revistas predatórias na disseminação de ciência de baixíssima qualidade ou mesmo de pseudo ciência sobre a qualidade das publicações científicas, além das inúmeras distorções que isso causa nos sistemas de premiação e concessão de recursos públicos para a ciência, inclusive no Brasil. 

Entretanto, confesso que tinha deixado um pouco de lado a questão das revistas predatórias pela premência de outros assuntos, incluindo principalmente as consequências do retrocesso ambiental imposto pelo governo Bolsonaro. Mas hoje um colega me fez uma provocação sobre a presença de uma possível revista predatória no Qualis Capes que havia lhe enviado um e-mail “convite” para que enviasse um artigo para ser publicado, no caso a “International Journal of Advanced Engineering Research and Science (IJAERS Journal)”. A peculiaridade da IJAERS é que o e-mail enviado por seus diretores citava explicitamente ter a nota A2 (o segundo mais alto) no Qualis (ver imagem abaixo).

IJAERS 0

Curioso para ver a a IJAERS estava realmente indexada no Qualis Capes, e não ser apenas um caso de propaganda enganosa, acessei a plataforma e inseri o título da revista para verificar se a mesma estava listada, obtendo o resultado mostrado abaixo.

IJAERS 1

Como pode se ver o IJAERs possui uma dispersão razoável no Qualis,  com C em Astronomia/Física e Engenharias IV, B4 em Engenharias III, B3 em Ciências Ambientais, e atinge o pico na área Interdisciplinar com um A2 (confirmando parcialmente o conteúdo do e-mail convite do editor da revista).

Após verificar se a IJAERs estava mesmo indexada no Qualis Capes e tendo confirmado a sua classificação “quântica”, acessei a Lista de Beall para verificar se esta revista foi incluída como predatória por Jeffrey Beall. Para nenhuma surpresa minha, a IJAERS está classificada como uma “standalone predatory journal” (ou em um português, uma revista predatória independente).

Dois detalhes ficaram evidentes após eu acessar o site da IJAERS, verifiquei várias questões peculiares: 1) a inexistência de informações claras sobre os custos de publicação, apesar de haver uma menção de que isto deveria  estar explicitado para os interessados em publicar ali, 2) a ampla dispersão de assuntos, muitos sem qualquer ligação aparente com o avanço da pesquisa em engenharia ou em ciência, 3) a forte presença de pesquisadores brasileiros que no “current issue” representam a imensa maioria dos artigos publicados, e 4) o tamanho relativamente pequeno dos artigos, sendo que um deles tem apenas 2 páginas.

Uma curiosidade final sobre o IJAERS é que o mesmo é supostamente publicado na cidade de Jaipur, no estado do Rajastão,  que fica localizada a 260 km da capital da Índia, New Delhi. Essa curiosidade geográfica reforça a minha curiosidade de como uma publicação indiana logrou chamar a atenção de tantos pesquisadores brasileiros, a ponto de ser ranqueada, ainda que quanticamente, no Qualis Capes.

Finalmente, o que o caso da IJAERS me mostra é que não há revista predatória que se sustente se não houver interessados em adquirir o produto que elas oferecem, no caso publicações publicadas no máximo após 60 dias após serem submetidas para serem supostamente avaliadas pelo sistema de revisão por pares. Eu particularmente estou aguardando há quase 2 anos que uma renomada revista brasileira da área dos estudos ambientais decida se vai publicar um artigo do qual sou co-autor.  Mas, apesar de toda essa demora, não irei tomar a “rota das Índias”, enquanto que outros já o fizeram, e provavelmente já ostentam os produtos dessa “viagem” em seus respectivos CV Lattes.   

Quanto ao Qualis Capes, fica evidente que é preciso fazer uma descontaminação e remover da lista as revistas identificadas como predatórias. Do contrário, ficará impossível que se cobre qualidade dos pesquisadores brasileiros que usam justamente o Qualis para se orientar sobre onde publicar.

4 comentários sobre “Qualis CAPES “quântico” abriga revistas científicas potencialmente predatórias e deixa cientistas brasileiros à mercê dos tubarões

  1. Eis uma questão desafiadora e que a comunidade científica brasileira precisa enfrentar de forma transparente e racional. Infelizmente é quase inexistente uma política científica séria no atual governo e mudanças numa situação dessas seria arriscado. Também recebi e-mails de revistas do tipo (desta inclusive), aludindo boa avaliação no Qualis CAPES, mas sendo predatória.

    Curtir

  2. A classificação do QualisCAPES tem sido equivocada desde sempre. Há revistas internacionais de know-how científico consolidado há anos mal avaliadas (B1, B2,…) e revistas desconhecidas avaliadas com A2.

    Curtir

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s