Vacas de dinheiro: estratégias clandestinas do comércio de gado explicam a devastação da Amazônia

Como os vínculos da gigante da carne bovina JBS com o desmatamento da Amazônia e os abusos dos direitos humanos são auxiliados por financiadores, importadores e supermercados do Reino Unido, EUA e UE

confinados

Por Chris Moyer para a “Global Witness”

Resumo

Quando as negociações climáticas da COP26 das Nações Unidas em Glasgow chegaram ao fim em novembro passado, os governos de 141 países com mais de 3,6 bilhões de hectares de florestas adicionaram seus nomes a uma declaração prometendo acabar e reverter o desmatamento até 2030.

Todos reconheceram a importância das florestas no esforço global para limitar o aumento da temperatura a 1,5 graus Celsius, incluindo o Brasil – apesar do desmatamento em espiral sob o governo do presidente Bolsonaro.

No entanto, uma estatística chamou a atenção por sua ausência na conferência: a taxa de desmatamento do ano passado na Amazônia brasileira. Ministros anônimos que trabalham para Bolsonaro disseram à Associated Press que o governo reteve essas informações para evitar dificultar suas negociações.

Quando o número foi divulgado mais tarde , mostrou a pior taxa de desmatamento da Amazônia desde 2006, quase equivalente ao tamanho da extensa área metropolitana de Tóquio , com especialistas culpando o desmantelamento das salvaguardas ambientais pelo presidente.

A Amazônia brasileira foi devastada pela demanda por carne bovina. Lalo de Almeida/Folhapress/Panos

A pecuária está no centro dessa destruição. As análises mostraram que a carne bovina é o principal fator de desmatamento tropical, representando uma área de terra do tamanho da Suécia – quatro vezes maior que o óleo de palma, a segunda commodity mais destrutiva.No Brasil, a pesquisa mostrou que 70% da Amazônia derrubada agora é povoada por gado, com a empresa brasileira de carne JBS – supostamente a maior do mundo – a principal compradora. A gigante da carne bovina também esteve na COP26, assinando compromissos de alto nível sem desmatamento e alegando que tem tolerância zero para isso. Ele não mencionou que, semanas antes, uma auditoria de sua cadeia de suprimentos por promotores brasileiros em um estado da Amazônia o flagrou comprando mais de um terço de seu gado de fazendas responsáveis ​​pelo desmatamento ilegal.

Isso corroborou as descobertas de um relatório anterior da Global Witness que expôs como a JBS comprou gado de 327 fazendas contendo dezenas de milhares de campos de futebol no valor de desmatamento ilegal, contrariando suas obrigações legais de não desmatamento com os promotores.

Esta investigação agora conclui que, na esteira das promessas internacionais acima, a JBS continuou comprando de 144 das mesmas fazendas no estado do Pará no Amazonas que foram expostas em nosso relatório anterior, mais uma vez descumprindo seus acordos legais com os promotores ( JBS negou essas alegações).

Também não conseguiu monitorar 470 fazendas adicionais em sua cadeia de suprimentos, contendo cerca de 40.000 campos de futebol de desmatamento ilegal na Amazônia – também contrário às suas obrigações. Em resposta, a JBS disse que montou um novo sistema que monitora esses fornecedores e estabeleceu 15 escritórios de sustentabilidade em todo o Brasil para ajudar os pecuaristas a cumprir a lei ambiental.

A  JBS é supostamente uma das maiores empresas de alimentos do planeta. Luke Sharrett/Bloomberg Via Getty Images

JBS e a dinastia do gado Seronni

Também podemos revelar que um dos fornecedores regulares da JBS no Pará, a rica dinastia do gado Seronni, presidiu uma saga de uma década de supostos abusos de direitos humanos, uso de trabalho escravo, desmatamento ilegal, grilagem de terras e lavagem de gado – exemplificando como a carne bovina gigante contribui para muitos dos males que atualmente assolam a Amazônia.

Quando as denúncias de trabalho escravo foram apresentadas à JBS no ano passado, ela alegou ter bloqueado os fazendeiros. No entanto, descobrimos que continuou comprando gado de suas fazendas por meio de terceiros, mesmo após nossos avisos, repetidamente descumprindo suas obrigações legais.  

Em resposta, a JBS disse que os fazendeiros agiram de má fé e deliberadamente burlaram seu sistema de monitoramento. A empresa também disse que bloqueou os terceiros assim que avaliou nossas informações. Os Seronnis não responderam, apesar de várias ofertas de comentários. O fato de tais pecuaristas contornarem persistentemente os esforços de due diligence da JBS – seus produtos então vendidos em todo o mundo – é uma triste acusação do mercado global de gado.

Origens questionáveis

No entanto, não apenas o governo brasileiro e as empresas de carne bovina são cúmplices dessa destruição. Também está implicado um dos fabricantes de couro mais prestigiados do mundo, a empresa italiana Gruppo Mastrotto. Importou couro dos problemáticos abatedouros da JBS no Pará, encontrados por nós e por promotores brasileiros como tendo comprado centenas de milhares de gado de fazendas que continham desmatamento ilegal na Amazônia.  

A empresa também possui subsidiárias que fornecem couro no Brasil, mas foi classificada como tendo um registro de rastreabilidade de 0% para a fazenda de origem de seus produtos, o que significa que não tem ideia se seu couro está ligado ao desmatamento. Apesar disso, atende montadoras como a Volkswagen, proprietária da Audi, Porsche, Bentley, Lamborghini, além da Toyota e da fabricante de móveis Ikea.

A JBS também exportou couro de suas operações problemáticas no Pará para uma empresa que possui na Itália, a Conceria Priante, apesar do descumprimento generalizado de suas obrigações legais de não desmatamento. Os consumidores europeus arriscam-se assim a comprar produtos relacionados com os erros flagrantes mencionados acima.

A Mastrotto disse que não compra mais da JBS, mas não respondeu quando questionada sobre se poderia identificar a fazenda de origem do couro que suas subsidiárias brasileiras compram. Enquanto isso, a Volkswagen e a Toyota disseram que suas políticas garantem que o couro que compram não esteja ligado a crimes ambientais, mas não responderam se consideraram aceitável que um de seus fornecedores tenha falhado em rastrear seu couro. A Ikea afirmou que nenhum couro Mastrotto veio da JBS e que exige que seus fornecedores identifiquem a fazenda de origem de seus produtos.   

Uma fazenda de gado. Fábio Nascimento/GREENPEACE

Fornecedores de supermercado

Nossa nova investigação também mostra como supermercados britânicos como Morrisons , Sainsbury’s , Iceland e Asda , em fevereiro de 2022, estocaram carne enlatada da JBS proveniente do Brasil por um fornecedor do Reino Unido, mesmo quando alguns deles rejeitaram publicamente comprar diretamente da empresa e todos condenaram o presidente Bolsonaro. enfraquecimento das proteções florestais.

Morrisons nos disse que deixaria de lado o produto da JBS encontrado em suas lojas. A Sainsbury’s e a Islândia alegaram que se envolvem com fornecedores para garantir que eles obtenham sua carne de forma responsável, enquanto a Asda simplesmente não respondeu, apesar de vários pedidos de comentários.

Além disso, bancos globais e gestores de ativos como Deutsche Bank, HSBC, Barclays, JPMorgan, Santander e BlackRock há anos canalizam bilhões de dólares para a JBS e continuam a fazê-lo – ao mesmo tempo em que se comprometem a remover o desmatamento de seus portfólios.

Quando perguntados se as descobertas deste relatório afetaram sua exposição contínua à JBS, alguns alegaram que estavam se engajando com a empresa para melhorar seu desempenho ou exigindo que ela removesse o desmatamento de suas cadeias de suprimentos mais rapidamente. Outros se recusaram a comentar ou não responderam, apesar dos inúmeros pedidos.

TOLGA AKMEN/AFP VIA GETTY IMAGES

Todos esses atores financeiros são incentivados pelas agências de verificação de crédito S&P, Moody’s e Fitch, que repetidamente atribuem classificações favoráveis ​​à gigante da carne bovina, apesar de suas ligações com a destruição da Amazônia. Em resposta, os três responderam dizendo que apenas analisam se o desempenho ambiental da JBS impacta sua capacidade de pagar suas dívidas.

O setor financeiro global é, portanto, o combustível que alimenta o agronegócio nocivo. Regulamentá-lo é sem dúvida a melhor chance de reduzir sua contribuição para o desmatamento, dadas as falhas bem relatadas de suas iniciativas voluntárias de não desmatamento.

No entanto, enquanto os governos do Reino Unido, da UE e dos EUA planejam leis para garantir que suas empresas não importem commodities ligadas ao desmatamento, eles estão deixando de fora o setor financeiro. Ao mesmo tempo, o Reino Unido também está considerando apenas a introdução gradual de certos produtos ligados ao desmatamento para sua legislação de commodities. Isso significa que as importações de carne bovina e couro ligadas ao desmatamento podem não ser regulamentadas até pelo menos 2027.  

Esses atrasos correm o risco de prejudicar as novas leis. Apelamos aos governos para garantir que sejam rápidos e eficazes no combate a todas as principais commodities agrícolas associadas ao desmatamento, incluindo gado e seus produtos derivados, e introduzindo requisitos semelhantes para as instituições financeiras.

Só assim consumidores e correntistas inconscientes saberão que seus supermercados e bancos estão fazendo todo o possível para evitar o desmatamento ligado a empresas como JBS e pecuaristas como a Seronnis.

Introdução

O desmatamento da Amazônia está em seu nível mais alto desde 2006. GLOBAL WITNESS

Os trabalhadores eram obrigados a beber, tomar banho e limpar seus utensílios com água suja de poças estagnadas cheias de esterco de vaca. À noite, eram obrigados a dormir com animais de curral, sem água encanada ou eletricidade. Eles eram obrigados a trabalhar 17 horas por dia e não recebiam banheiros ou roupas.

Eles não receberam proteção contra produtos químicos tóxicos usados ​​na fazenda, nem qualquer equipamento de proteção ao operar máquinas pesadas. Os salários não foram pagos e eles foram informados de que tinham dívidas não especificadas para liquidar. Quando reclamaram, foram baleados e expulsos do rancho, com todos os seus pertences queimados. Em suma, eles eram tratados como trabalhadores escravos. 

Essas foram as conclusões do Ministério do Trabalho do Brasil durante as inspeções realizadas em 2006, 2018 e 2021 em duas grandes fazendas no estado do Pará, pertencentes a Sergio Xavier Luis Seronni e seu filho, Sergio Seronni. Descobrimos evidências de como esses fazendeiros destruíram vastas áreas da floresta amazônica, envolvendo grilagem de terras e lavagem de gado, enquanto repetidamente enviavam gado para a JBS, a maior empresa de carne bovina do mundo.

A gigante de carne bovina então exportou couro de seus abatedouros do Pará para o fabricante italiano de couro Grupo Mastrotto, conforme aprendemos. Esta empresa fornece o Grupo Volkswagen, proprietário da Audi, Porsche, Bentley, Lamborghini, Seat e Skoda. Toyota e Ikea também estavam entre os clientes. Algumas das maiores e mais prestigiadas marcas da Europa e seus clientes compram couro de uma empresa italiana ligada ao desmatamento da Amazônia e a graves violações dos direitos humanos.

Destruindo a Amazônia

A contribuição da JBS para o desmatamento da Amazônia está bem estabelecida. Em 2020, nosso relatório Carne, Bancos e Amazônia Brasileira revelou que entre 2017 e 2019, a JBS comprou gado de 327 fazendas no Pará contendo mais de 20.000 campos de futebol de desmatamento ilegal. Isso foi contrário aos seus acordos legais de não desmatamento com promotores federais e promessas voluntárias – embora tenha negado as alegações.

Também expusemos como a JBS deixou de monitorar 3.270 fazendas amazônicas adicionais em sua cadeia de suprimentos entre 2016 e 2019, contendo 98.000 hectares de desmatamento no Pará. A partir de setembro de 2020, a empresa alegou que estenderia seu monitoramento a esses fornecedores.

Repetindo a análise, constatamos agora que, em 2020, a JBS comprou diretamente de 144 das mesmas fazendas, descumprindo mais uma vez suas obrigações legais e apesar de seus anteriores protestos de inocência. Também podemos divulgar que para o mesmo ano, 470 de seus chamados ‘fornecedores indiretos’ – que criam gado vendido para fazendas de engorda e depois negociados para a JBS – continham cerca de 34.000 hectares de desmatamento ilegal da Amazônia em suas fazendas.

A maior parte do desmatamento na cadeia produtiva da JBS é encontrada nos fornecedores dos seus fornecedores. MARIZILDA CRUPPE / EVE / GREENPEACE

No total, cerca de 1.600 fornecedores indiretos no Pará continham 48.000 hectares de desmatamento em suas fazendas, legais ou não. As obrigações legais de desmatamento zero da JBS exigiam que ela começasse a monitorar essas fazendas já em 2011. A empresa anunciou no final de 2020 que só as monitoraria totalmente até 2025, descumprindo os compromissos assumidos há mais de uma década. Esses compromissos atrasados ​​ocorrem em um momento em que o desmatamento da Amazônia atinge níveis recordes sob o desmantelamento das proteções ambientais do governo Bolsonaro.

No entanto, a gigante da carne bovina continua a ser financiada e atendida pelo Deutsche Bank, HSBC, Barclays, Santander, JP Morgan e BlackRock no valor de centenas de milhões de dólares, apesar de sua conexão contínua com desmatamento, apropriação de terras e abusos de direitos humanos . No ano passado, por exemplo, o Barclays facilitou um acordo de títulos para a JBS no valor de quase US$ 1 bilhão. O banco tem feito negócios continuamente com ele ao longo de vários anos, apesar de nossos inúmeros relatórios sobre a empresa.

Ponto de inflexão

O fracasso da JBS em bloquear fazendeiros como os Seronnis, e seu apoio contínuo por grandes financiadores e importadores do Reino Unido, UE e EUA, mostra que é necessária uma due diligence mais rigorosa sobre o risco de desmatamento. Sublinha a necessidade urgente de os governos implementarem legislação para proibir o uso e o financiamento de carne bovina e couro que alimentam o desmatamento.

Os cientistas estão alertando que a Amazônia pode chegar a um ponto de inflexão e se tornar uma savana seca se essa destruição continuar. Permitir que bancos e fundos de investimento continuem atendendo ou financiando agronegócios nocivos enfraquece o impacto potencial que a nova legislação poderia ter na conservação desse ecossistema crucial e das pessoas que vivem e dependem dele.

Vamos agora nos concentrar no caso particularmente notório das fazendas Seronni e seu uso de trabalho escravo, bem como a destruição de vastas áreas da floresta amazônica, com as quais a JBS lucrava. Acompanhando a cadeia de fornecimento de couro dos frigoríficos da gigante da carne bovina, a investigação mostrará como os produtos de seus problemáticos frigoríficos paraenses foram exportados para uma das maiores fabricantes de couro do mundo, que mantém relações comerciais com algumas das marcas de automóveis e móveis mais prestigiadas da Europa. Daremos então um passo atrás para destacar as falhas contínuas e sistemáticas que permitem que o modelo de negócios destrutivo da JBS perdure, alimentado por financiamento barato de bancos que falam um grande jogo sobre o meio ambiente.

Os fazendeiros Seronni

Sergio Xavier Luis Seronni, chefão da dinastia Seronni, tem uma longa e conturbada história de desmatamento ilegal, abusos de direitos humanos e tratamento repetido de trabalhadores como escravos. Isso lhe proporciona um estilo de vida luxuoso. Ele possui um avião Cessna e um Piper e 10 empresas no valor de quase US$ 50 milhões. Imagens de satélite revelam uma grande casa com o que parece ser uma piscina em uma de suas fazendas, cercada por árvores e jardins cuidadosamente dispostos.

Imagem de satélite da Fazenda Santa Maria Boca do Monte dos Serronis. MAXAR TECHNOLOGIES

Em 1999, Seronni era o segundo maior destruidor da floresta amazônica em uma lista compilada pelo Ibama, órgão de fiscalização ambiental do Brasil. Ele financia as campanhas eleitorais de prefeitos barões do gado também multados por desmatamento ilegal e uso de trabalho escravo.

A família Seronni possui inúmeras fazendas no estado amazônico do Pará. Nossa análise agora mostra que duas de suas maiores fazendas contêm um total combinado de 2.700 campos de futebol de desmatamento ilegal da Amazônia realizado entre 1999 e 2018.

Dados de satélite do governo brasileiro mostram que 552 hectares de floresta foram desmatados ilegalmente em 2008 em sua fazenda Fazenda Terra Roxa. Entre 2012 e 2015, outros 30 campos de futebol de floresta foram derrubados ilegalmente dentro da mesma fazenda.

Em 2018, mais 1.600 hectares de desmatamento ilegal – equivalente a uma área quase do tamanho de Genebra – foram descobertos em outra fazenda pelo órgão de fiscalização florestal do Brasil, Ibama. Para isso, a fazenda foi colocada na lista de fazendas embargadas do Ibama.

Apesar desse histórico, estimamos que entre 2014 e 2020, o Seronnis pode ter lucrado entre US$ 2 e US$ 7 milhões com suas vendas de gado para a gigante de carne bovina JBS.

Escravidão moderna

A riqueza dos Seronnis foi adquirida não apenas às custas da Amazônia, mas a um custo trágico para seus trabalhadores. Esta investigação agora revela um padrão recorrente de abusos de direitos humanos e uso de trabalho escravo realizados em suas propriedades ao longo de muitos anos.

Em 2006, no município de Cumaru do Norte, no sul do Pará, dezesseis pessoas foram resgatadas de uma das fazendas dos Seronnis, a Fazenda Terra Roxa, onde trabalhavam em regime de escravidão. O mais velho tinha 66 anos. Os trabalhadores trabalhavam em turnos de 17 horas sem descanso, descobriram seus socorristas. Eles não receberam abrigo, nem água corrente, não foram pagos e disseram que tinham dívidas não especificadas. Eles limpavam seus utensílios de cozinha em poças cheias de esterco de vaca, enquanto suas favelas improvisadas tinham sacos de lixo como paredes e telhados.

Os trabalhadores foram indenizados após uma inspeção realizada pelo Ministério do Trabalho do Brasil , cujas conclusões agora obtivemos sob a legislação de Liberdade de Informação. Os fiscais julgaram Sergio Xavier Luis Seronni e seu filho Sergio Seronni como responsáveis.

Em 2010, um juiz decidiu que Seronni havia roubado ilegalmente 25 vacas de um fazendeiro. O caso foi resolvido fora do tribunal seis anos depois. Outro incidente em 2012 viu um trabalhador de Seronni encontrado morto em uma de suas fazendas. Um depoimento de testemunha do tribunal visto por nós alegou que o trabalhador pode ter morrido enquanto cortava uma árvore que caiu sobre ele. Ele não tinha equipamento de proteção para ajudá-lo a fazer o trabalho com segurança, disse a testemunha. Os Seronnis indenizaram a família do trabalhador para resolver o caso.

Os abusos continuaram. Outras solicitações da Global Witness Freedom of Information reveladas em 2018 , três trabalhadores foram resgatados pelo Ministério do Trabalho do Brasil de outra fazenda Seronni no Pará, a Fazenda Santa Maria da Boca do Monte. Um trabalhador disse que foi forçado a dormir com os animais da fazenda. Outro disse que os trabalhadores trabalhavam em turnos de 15 horas, muitas vezes não recebiam seus salários, desembarcaram com dívidas não especificadas e manusearam produtos químicos tóxicos sem equipamento de proteção.

Imagem do celeiro onde um dos trabalhadores supostamente dormia com animais de fazenda, tirada por fiscais do Ministério do Trabalho

Eles também foram indenizados por terem sofrido severas privações, enquanto os inspetores mais uma vez culparam Sergio Xavier Luis e Sergio Seronni. Em dezembro de 2020, a fazenda permanecia na lista do Ministério do Trabalho de empregadores envolvidos com trabalho escravo, mas apenas em nome do filho.

Em janeiro de 2021, o Ministério do Trabalho realizou outra fiscalização na Fazenda Terra Roxa, constatando mais uma vez o uso de trabalho escravo. Jornalistas investigativos do Repórter Brasil descreveram como homens da fazenda Seronni atiraram nos trabalhadores e queimaram seus pertences depois que eles reclamaram do tratamento.

Um dos trabalhadores disse ao Repórter Brasil: “Olha como a gente vive, com a água que bebemos cheia de bosta de vaca.

“A vida tem sido difícil… é tão surreal.”

‘Um problema generalizado’

O caso foi levado à Justiça pelo Ministério Público do Trabalho, onde um juiz observou que a lei brasileira recomenda a desapropriação da propriedade nesses casos. Os fazendeiros foram multados em quase US$ 260.000 por violar as leis trabalhistas. Em entrevista ao Repórter Brasil, o promotor disse: “Existe a intenção de resolver essa impunidade, e isso me dá esperança de que os Seronnis sejam responsabilizados”. 

O caso está em andamento enquanto os promotores procuram confiscar o rancho da família. Os Seronnis negam as alegações e lançaram vários recursos.

Desde 1995, mais de 17.000 trabalhadores foram resgatados em todo o país por inspeções estaduais de trabalhar em fazendas em condições de escravidão, segundo o Repórter Brasil. Especula-se que pode haver muitos mais casos, já que as inspeções foram atingidas por cortes orçamentários do governo Bolsonaro.

Também podemos agora revelar novas evidências de apropriação de terras passada e presente pelos Seronnis. A JBS novamente não conseguiu remover essas fazendas de sua cadeia de fornecimento, mais uma vez contrariando seus acordos de não desmatamento voluntários e juridicamente vinculantes.

A apropriação de terras

A grilagem no Brasil é conhecida como “grilagem” do português grilo ou grilo, referindo-se a uma antiga prática em que os grileiros forjavam títulos de terra e os deixavam em gavetas ou caixas com grilos. As mordiscadas e defecações dos insetos acrescentariam a pátina da idade aos documentos. Hoje, o termo é comumente usado para descrever a ocupação ilegal de terras públicas.

O Ipam, uma ONG brasileira, afirma que a grilagem de terras foi responsável por 2,6 milhões de hectares de desmatamento na Amazônia – uma área maior que a Turquia. O Imazon, outra ONG, informa que, desde 2017, a revisão do governo de uma lei de terras facilitou a disseminação dessa prática, aumentando o desmatamento na Amazônia.

Os grileiros ficaram tão encorajados que uma investigação da BBC descobriu que eles estavam vendendo abertamente lotes ilegais da floresta amazônica no Facebook – inclusive em áreas indígenas e protegidas. No ano passado, relatamos como uma competição tóxica entre grileiros na área indígena de Apyterewa, no Pará, levou ao desmatamento ilegal, à violência e à prisão de pecuaristas suspeitos de assassinato.

Isso provavelmente foi inflamado pela retórica de Bolsonaro sobre não reconhecer os direitos dos povos indígenas. Os grileiros que operam em Apyterewa alegaram aos jornalistas brasileiros que os preços dos terrenos no mercado negro triplicaram de valor ali após sua eleição. A JBS e a rival Marfrig – financiada por bancos como Santander, BNP Paribas e ING – compraram gado de pecuaristas ligados à disputa.

Novas evidências que descobrimos sobre o caso Seronni ilustram o contínuo fracasso da JBS em monitorar o problema da grilagem de terras.

O estado do Pará registrou algumas das piores taxas de desmatamento do mundo. VICTOR MORIYAMA / GREENPEACE

Sergio Xavier Seronni reivindica a propriedade de 13.555 hectares Fazenda Aparecida, no município de Santana do Araguaia, Pará. O Sr. Seronni enviou 7.239 vacas desta propriedade para duas fazendas de sua propriedade e de seu filho, Fazenda Boca do Monte e Fazenda Terra Roxa. Essas fazendas, por sua vez, entregaram gado à JBS em 2020 e em 2021. A JBS deve monitorar todas as três fazendas para garantir o cumprimento de suas obrigações de não desmatamento e grilagem com os promotores federais.

No Pará, todos os proprietários rurais devem registrar suas terras em um banco de dados eletrônico chamado Cadastro Ambiental Rural (CAR), que detalha o proprietário da fazenda, limites e cobertura florestal. Os proprietários enfrentam sanções criminais ou civis por qualquer informação falsa ou parcial que declarem no CAR. 

Obtivemos os títulos fundiários das propriedades de Sergio Xavier Seronni em posse dos cartórios municipais. Estes mostram que, em 2010, uma parte ocidental da fazenda Fazenda Aparecida reivindicada pelos Seronnis no CAR foi confiscada deles depois que um processo judicial decidiu que era apropriação de terras. No entanto, essa área no banco de dados do CAR ainda é declarada pelos Seronnis como pertencente a eles 12 anos depois.

Mostramos essa evidência a dois juristas brasileiros em disputas de terras, que disseram que isso mostra que a alegação dos Seronnis de serem os proprietários da propriedade no CAR é fraudulenta. Além disso, a lei brasileira proíbe a sobreposição de propriedades privadas em florestas estaduais sem licença. Estes só podem ser acessados ​​pelos pecuaristas depois de terem um uso definido pelo estado, e somente por meio de concessões temporárias. Qualquer desmatamento florestal é proibido.

No entanto, a extensão oeste da propriedade no CAR se sobrepõe a uma floresta que pertence ao Pará, mas ainda não foi designada. Dados de satélite do governo brasileiro também mostram que 13 hectares de floresta foram desmatados ilegalmente em 2012 dentro da área de grilagem, dois anos após o confisco judicial pela grilagem. Os advogados que consultamos informaram que isso também era ilegal.

Também detectamos o que parece ser gado pastando perto de uma fonte de água na área de apropriação de terras em imagens de satélite.

O que parece ser gado pastando próximo a uma fonte de água em uma área da fazenda aparecida foi declarada pela justiça como apropriação de terras, que os Seronnis erroneamente alegam possuir no CAR. MAXAR TECHNOLOGIES

Grupos ambientalistas alertam há anos que fazendeiros manipulam o registro do CAR para declarar fraudulentamente a propriedade das propriedades. Eles também alegam que novas leis propostas pelo governo Bolsonaro – intituladas 510/2021 e 2.633/2020 – legalizariam as ações de fazendeiros como os Seronnis, dando-lhes títulos de terras para florestas estaduais ocupadas ilegalmente dessa maneira. Os atos propostos são chamados no Brasil de “leis de apropriação de terras”.

Os compromissos legais e voluntários assumidos pela JBS em 2009 também se comprometeram a remover fazendeiros grileiros como os Seronnis de sua cadeia de fornecimento. No entanto, as duas últimas auditorias publicadas pelo Ministério Público Federal no Pará sobre o cumprimento dessa promessa pela JBS não acompanharam esses casos. Tampouco há planos para que tais verificações ocorram em auditorias futuras. Isso significa que ninguém pode saber se a JBS está cumprindo seus acordos legais sobre essa questão, nem está sendo exigido pelos promotores que fiscalizam sua implementação.Mas os fazendeiros também aparentemente usaram truques para ‘limpar’ o gado produzido em terras tomadas e desmatadas – apresentando-os então como criados legalmente.

Lavagem de gado

A Fazenda Boca do Monte, de 898 hectares, é retratada como um bloco de terra no cadastro ambiental do Pará – conhecido como Cadastro Ambiental Rural, o CAR. Cerca de 85% ainda é florestado, com 120 hectares desmatados no canto noroeste.

Imagem da Fazenda Boca do Monte no Cadastro Ambiental Rural (CAR)

Esta fazenda recebia gado da mencionada Fazenda Aparecida, parte do qual foi determinado pela Justiça como grilagem. Em seguida, vendeu gado diretamente para a JBS em 2020 e 2021. Por esse processo, o gado de propriedades contaminadas é lavado por meio de outras aparentemente “limpas” na cadeia de suprimentos da gigante da carne bovina. Ainda na Fazenda Boca do Monte há indícios de lavagem de gado que mostram que a fazenda está longe de ser “limpa”.

Sinais de aviso

Sob orientação endossada pelo Ministério Público Federal no Pará e pactuada pela JBS, os frigoríficos estão legalmente proibidos de comprar gado de fazendas onde a produção anual excede uma média de três vacas por hectare. Ele estipula que este é atualmente o limite superior de animais que podem ser engordados de forma viável em um terreno amazônico, mesmo com a melhor qualidade de ração, solo e grama.

Taxas de produção superiores a isso são um certo indicador de que o gado está sendo criado em outros lugares. No entanto, descobrimos que, em 2020, Boca do Monte enviou 1.298 vacas para os frigoríficos da JBS no Pará de apenas 120 hectares de pastagem – uma média de quase 11 vacas por hectare. Para 2021, recebeu 828 bovinos da mesma fazenda, uma média de quase 7 vacas por hectare e mais que o dobro da quantidade permitida.

Além disso, nenhuma infraestrutura de confinamento de gado – identificável por cercas e telhados e usada por fazendeiros com altas taxas de produtividade para pesar as vacas e fornecer ração extra – é visível nas imagens de satélite da fazenda. A orientação estipula que as empresas de carne bovina devem verificar se existe essa infraestrutura ao comprar de uma fazenda que produz mais de três vacas por hectare. Portanto, a JBS não deveria ter comprado da fazenda de acordo com seus acordos legais.

Imagens de satélite da Fazenda Boca do Monte. MAXAR TECHNOLOGIES
Além disso, um estudo de qualidade do solo no entorno entre 2018 e 2020 pela Universidade Brasileira de Goiás encontrou mais de 14% da pastagem continha solo degradado, sugerindo que a qualidade do capim estaria abaixo do necessário para uma taxa de produtividade tão alta. Considerando a quantidade total de gado que saiu da fazenda em 2020, e não apenas a quantidade enviada à JBS, a produtividade aumenta ainda mais para quase 14 cabeças de vaca por hectare. Tudo isso torna inconcebível o número de bovinos declarados engordados legalmente nesta fazenda.
Assim, os Seronnis se engajaram no uso de trabalho escravo, desmatamento ilegal, grilagem de terras e lavagem de gado, em um padrão de violação da lei civil e comportamento criminoso de vinte anos. No entanto, a JBS não conseguiu barrar os pecuaristas de sua cadeia de fornecimento, repetidamente adquirindo gado da família desde pelo menos 2014, contrariando suas obrigações legais de não desmatamento.

Essas alegações foram feitas a Sergio Luiz Xavier Seronni e seu filho, por meio de seu advogado, mas eles não responderam apesar de repetidos pedidos.

Mudança de local

Quando levamos as denúncias de trabalho escravo à JBS em abril de 2021, a empresa disse que bloqueou todas as fazendas dos Seronnis, afirmando que “mantém uma política de tolerância zero onde o trabalho forçado ou forçado é confirmado”. A empresa acrescentou que já havia bloqueado fazendas registradas para Sergio Seronni, que estava na lista de trabalho escravo do Ministério do Trabalho.

A JBS disse que Sergio Seronni usou o código tributário de seu pai, Sergio Luiz Xavier Seronni, e o código tributário da empresa de uma empresa de propriedade de ambos Seronnis que não estava na lista de trabalho escravo, para se esquivar de seu sistema de monitoramento de fornecedores.

“Quando tomou conhecimento desse fato, a JBS também bloqueou Sergio Luiz Xavier Seronni e sua empresa, embora os respectivos números [fiscais] não figurassem na lista negra”, disse um porta-voz na primavera passada.

Marizilda Cruppe/ EVE / GREENPEACE

Nossa análise das autorizações de transporte de gado confirmou que os nomes e códigos fiscais de pai e filho Seronni não foram mais usados ​​para enviar vacas para a empresa depois daquele mês. Ainda assim, outros nomes de Seronni começaram a aparecer com mais frequência na documentação de vacas compradas pela JBS.

Entre abril e agosto de 2021, Maria Aparecida Xavier Seronni, Sirlane Honorato Seronni e Gustavo Seronni aparecem na trilha do papel. O trio enviou um total de 426 vacas para a JBS das mesmas fazendas de pai e filho envolvidas em lavagem de gado e trabalho escravo que a empresa alegou ter bloqueado, Fazendas Boca do Monte e Terra Roxa, respectivamente. Uma das maiores empresas de carne bovina do mundo mais uma vez não conseguiu parar de comprar de fazendas que não cumprem suas obrigações legais, apesar de ter sido avisada.

Quando isso foi colocado para a JBS, ela disse que os Seronnis estavam “usando vários membros da família para continuar vendendo para a JBS”.

“Em linha com essas novas informações, a empresa bloqueou Sirlane Honorato Seronni, Gustavo Seronni e várias outras possíveis conexões com eles.

“Vários CPFs [códigos tributários exclusivos de pessoas físicas] e fazendas também foram bloqueados preventivamente até que possamos confirmar se estão ou não vinculados à família de Seronni.”

A empresa acrescentou: “Não toleramos esse comportamento e agimos para bloquear preventivamente os atores de má fé assim que essas novas informações estivessem disponíveis.

“Infelizmente, este episódio mostrou que mesmo quando há uma propriedade e um produtor aptos a fornecer de acordo com os termos dos protocolos e políticas já utilizados pela JBS e outras empresas do setor, alguns fornecedores podem estar burlando deliberadamente as obrigações socioambientais da JBS. critérios e seu sistema de monitoramento”.

O comunicado continuou: “Para apurar integralmente este e outros casos, a JBS estabelecerá um Comitê de Auditoria de Fornecedores para apurar os fatos e orientar a decisão da empresa.

“Durante a investigação, o produtor permanecerá bloqueado preventivamente para novas compras e terá a oportunidade de apresentar suas explicações.”

Acompanhamento da cadeia de suprimentos da JBS

O estudo de caso de Seronni ilustra a negligência da JBS em continuar comprando gado de 144 fazendas que descobrimos que continham desmatamento ilegal na Amazônia. Mas essas compras são uma gota no oceano em comparação com as centenas de fazendas que deveriam estar monitorando mais adiante em sua cadeia de suprimentos – os chamados fornecedores indiretos.

Nossa nova análise revela que somente no Pará, para 2020, 470 dessas fazendas continham cerca de 40.000 campos de futebol de desmatamento ilegal na Amazônia. Mais uma vez, isso violou o acordo legal da empresa com os promotores.

Pior ainda, 1.600 fornecedores indiretos da JBS continham cerca de 57.000 campos de futebol desmatados, legais ou não. A JBS se comprometeu a monitorar seus fornecedores indiretos na Amazônia desde 2009, mas agora disse que só o fará totalmente até 2025 – e apenas para desmatamento ilegal.

Nossa análise também se limita a apenas um estado amazônico dos muitos que a JBS opera. Ninguém sabe quantos casos como os de Seronnis estão escapando de suas verificações em outros ecossistemas como o Cerrado, o Pantanal, a Caatinga e a Mata Atlântica do Brasil.

A JBS respondeu dizendo que reconheceu as compras de gado de 143 das fazendas mencionadas. Acrescentou que 96 desses fornecedores solicitaram a adesão a um programa implementado pelo estado do Pará para garantir que eles comecem a cumprir as leis florestais do Brasil.

A empresa continuou dizendo que outras 41 fazendas tinham áreas de desmatamento menores que 6,25 hectares e, portanto, poderiam ser compradas de acordo com seus compromissos. Acrescentou que em seis casos o desmatamento nessas fazendas foi encontrado em um conjunto de dados de desmatamento do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais do Brasil que não estava usando anteriormente para monitorar o cumprimento de suas obrigações legais.

Sobre seus fornecedores indiretos, a empresa disse que em 2021 criou um sistema de monitoramento de seus “fornecedores dos fornecedores, sempre respeitando a confidencialidade dos dados exigida pela legislação brasileira. Por isso, a implantação dessa ferramenta exige o engajamento dos produtores, que precisam cadastrar voluntariamente suas informações”, disse a JBS.

A empresa afirmou que até 2025 toda a sua cadeia de abastecimento estará nesta plataforma, acrescentando que “parte essencial desta estratégia é a implementação de 15 Green Offices, que visam auxiliar os produtores em ações ambientais críticas ao nível da exploração, para que possam produzir preservando o bioma. Qualquer fornecedor não cadastrado até este momento não poderá fornecer para a JBS.”

Apesar dessa série de problemas, as potências globais de alimentos e finanças continuam fazendo negócios com a JBS.

Os auditores

Conforme dito acima, em dezembro de 2020, revelamos que entre 2017 e 2019, a JBS havia comprado gado de 327 fazendas que não cumpriram suas obrigações de não desmatamento. (Ele negou essas acusações.) Desde então, os promotores realizaram uma auditoria oficial da compra de gado da JBS no Pará entre 2018 e meados de 2019, que foi publicada em outubro do ano passado. 

Este constatou que 43,69% das compras auditadas da empresa não estavam em conformidade com suas obrigações legais embora a JBS tenha contestado 11,70% destas, argumentando que suas compras foram justificadas. Foi o pior desempenho das empresas auditadas para desmatamento, confirmando as conclusões do nosso relatório anterior, e em um momento em que o desmatamento da Amazônia é o maior desde 2006.

Como resultado dessas falhas, a JBS concordou com os promotores em pagar quase US$ 1 milhão ao estado do Pará, a ser gasto na melhoria da conformidade dos fazendeiros com a lei florestal brasileira. O novo acordo obrigou a JBS a adotar controles mais rígidos, espelhando uma das recomendações do nosso relatório . Os promotores também anunciaram uma investigação sobre as compras de gado da JBS de uma das fazendas apresentadas em nossa denúncia.

Os promotores abriram uma investigação com base em uma denúncia fornecida por um indivíduo anônimo. Essa pessoa afirmou como parte da denúncia de que a JBS “investe muito dinheiro em marketing, para encobrir os crimes que cometeu a qualquer custo, sem respeitar absolutamente nenhuma autoridade, inclusive o Ministério Público Federal…”, acrescentando que mesmo após ter assinado um acordo com a autoridade fiscalizadora mais importante do país “a empresa continua promovendo a concorrência desleal e, pior ainda, tolera e alimenta os danos causados ​​pelo desmatamento da Amazônia e estimula o comércio ilegal de animais”.

Essa crítica devastadora deve ser uma grande bandeira vermelha para qualquer empresa que apóia a JBS.

Também expusemos que auditorias falhas das promessas voluntárias de não desmatamento da JBS pelo auditor norueguês DNV-GL entre 2016 e 2019 mascararam a verdadeira exposição da empresa ao desmatamento da Amazônia. A JBS usou essas auditorias para exibir suas credenciais supostamente verdes para seus investidores e financiadores – embora tenha negado a alegação. A DNV disse na época que parou de auditar a JBS e alegou que restrições nas metodologias das auditorias podem ter sido responsáveis ​​pelas discrepâncias que encontramos.

Grant Thornton, o gigante auditor dos EUA também criticado em nosso relatório anterior, então assumiu a auditoria da JBS por suas promessas voluntárias. Em agosto de 2020, publicou os resultados da auditoria do cumprimento do compromisso voluntário da empresa para as compras de gado de 2019, constatando que de seus fornecedores diretos “nada chegou ao nosso conhecimento que nos leve a acreditar que os procedimentos adotados pela Companhia no período de 1º de janeiro a 31 de dezembro não atenderam, em todos os aspectos relevantes, aos critérios”.

Isso apesar de nosso relatório de dezembro de 2020 Beef, Banks and the Brazilian Amazon descobrir que pelo menos 117 fazendas que a JBS comprou gado no Pará em 2019 continham mais de 4.600 campos de futebol desmatados. Em resposta a essas alegações, a JBS insistiu que suas compras estavam em conformidade.


compass black

Este texto foi originalmente escrito em inglês e publicado pela “Global Witness” [Aqui!].

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s