Impactos indiretos da mineração aumentam a extensão do desmatamento

mineria-bosque-1-996x567

O Brasil responde por 10% da perda direta de florestas tropicais relacionada à mineração (327 km2), causada principalmente pela extração de minério de ferro e ouro. Crédito da imagem: Josue Marinho/Panoramio , sob licença Creative Commons (CC BY 3.0)

Por: Washington Castilhos para  o SciDev

O desmatamento causado pela mineração ocorre muito além dos limites da área de concessão, e a extensão total dos impactos ambientais é subestimada e pouco levada em conta, alerta artigo publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS).

De acordo com o estudo, 3.264 km2 de floresta tropical foram perdidos diretamente devido à mineração industrial, e 80% da perda ocorreu em apenas quatro países, dois deles latino-americanos: Indonésia, Brasil, Gana e Suriname.

A Indonésia sozinha foi responsável por 58% do desmatamento tropical causado diretamente pela atividade (1.901 km2), especialmente devido à mineração de carvão.

O Brasil responde por 10% da perda direta de florestas tropicais relacionadas ao setor (327 km2), causada principalmente pela extração de minério de ferro e ouro. Enquanto isso, a mineração de bauxita e ouro impulsionaram o desmatamento em Gana e Suriname, que ocupam o terceiro e quarto lugar, respectivamente, no novo estudo.

“Embora a mineração industrial não seja o principal fator de desmatamento, deveria fazer parte da equação. Nos próximos 20 anos, muito mais minerais serão necessários para tecnologias de energia renovável, como cobre, lítio e níquel. Se nada for feito, a mineração terá um impacto cada vez maior na perda de florestas.”

Anthony Bebbington, Clark University School of Geography (EUA)

Um dos autores do estudo, o geógrafo Anthony Bebbington, professor de meio ambiente e sociedade da Escola de Geografia da Clark University, diz ao SciDev.Net que, embora o impacto do desmatamento da mineração industrial seja pequeno em comparação com a agricultura , é importante avaliar seus efeitos para aumentar a atenção ao setor.

“Embora a mineração industrial não seja o principal fator de desmatamento, deveria fazer parte da equação. Nos próximos 20 anos, muito mais minerais serão necessários para tecnologias de energia renovável, como cobre, lítio e níquel. Se nada for feito, a mineração terá um impacto cada vez maior na perda florestal”, alerta.

Além da perda florestal direta, que ocorreu dentro da área autorizada para atividade industrial, os pesquisadores também analisaram o desmatamento fora dos locais designados, principalmente induzidos pela infraestrutura de acesso.

Assim, constataram que em 18 dos 26 países investigados há maior desmatamento próximo às minas. Portanto, os especialistas estimam que para cada metro de expansão da mina haverá quilômetros de perda adicional de floresta.

Embora tenham sido mais visíveis no Brasil e na Indonésia, esses efeitos também foram observados com particular intensidade em países como Guiana, Colômbia, Congo, Gabão e Zâmbia.

“Os impactos indiretos variam entre os países. Com este estudo também queremos mostrar que esses impactos são significativos”, acrescenta Bebbington.

Para Luis Enrique Sánchez, professor de engenharia de minas da Universidade de São Paulo (USP), que não participou do estudo, os dados são importantes porque chamam a atenção para os impactos indiretos da mineração como impulsionadores do desmatamento.

“As perdas indiretas não são levadas em consideração na realização dos estudos de impacto ambiental para a concessão de licenças. Assim, os impactos indiretos são pouco reconhecidos e não há medidas mitigadoras”, diz ele ao SciDev.Net .

O estudo relata que as maiores taxas de desmatamento foram observadas entre 2010 e 2014, impulsionadas por fatores como aumento da demanda e má governança . Na Indonésia, por exemplo, o período foi marcado pela duplicação dos volumes de produção de carvão devido ao aumento da demanda da China e da Índia. Desde então, as reformas institucionais frearam o desmatamento.

Também no Brasil, de acordo com o estudo, as perdas florestais devido à mineração diminuíram a partir de 2014, devido à queda dos preços mundiais das matérias-primas e à crise econômica do país. No entanto, as atuais tentativas de relaxar a mineração e a prospecção são motivo de preocupação. O relatório anual do projeto Mapbiomas aponta para um aumento de 20% no desmatamento, principalmente nas áreas de mineração.

“O estudo publicado na PNAS não incluiu a mineração ilegal, então o fator de desmatamento para a mineração industrial foi um pouco menor, pois eles estão olhando apenas para a chamada mineração legal”, explica Sánchez.

No entanto, os autores reconhecem que a mineração artesanal e a prospecção geram danos ambientais que requerem atenção. O estudo destaca a necessidade de medidas mais fortes para proteger as florestas tropicais , como avaliações de licenças que considerem os impactos potenciais fora das áreas reais de mineração. Também sugere a certificação da origem dos produtos minerais, pois muitas vezes o consumidor não sabe se um item mineral vem de uma área desmatada.

Os autores estão otimistas. “Sabemos que é possível conter os impactos ambientais da mineração pela própria experiência do Brasil, que reduziu suas taxas de desmatamento entre 2000 e 2012”, diz Bebbington.

O artigo, no entanto, afirma que “dado o atual contexto político em países como Brasil e Indonésia, é questionável se políticas pró-ambientais serão implementadas em um futuro próximo”.


compass black

Este artigo foi produzido pela edição da América Latina do  SciDev.Net em espanhol e publicado [Aqui!].

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s