Além de ultraneoliberal, Paulo Guedes agora se revela ser anti-ciência

paulo guedes

Reprodução/TV Globo. Paulo Guedes, ministro da Saúde, sendo vacinado com a CoronaVac

O dublê de banqueiro e ministro da Economia do governo Bolsonaro, Paulo Guedes, vinha mantendo uma fachada de não ser anti-ciência como o presidente Jair Bolsonaro.  Em diferentes ocasiões, Guedes destoou de Bolsonaro ao ligar a realização de uma campanha de vacinação em massa à retomada da economia. Com isso, o banqueiro/ministro se manteve em uma posição que o mantinha relativamente a salvo das críticas dirigidas contra as posturas anti-científicas do presidente da república, enquanto seguia aplicando seu receituário ultraneoliberal que está reconduzindo à miséria extrema milhões de famílias brasileiras (ver vídeo abaixo).

 Mas sabe-se lá por quê, Paulo Guedes decidiu tirar a máscara, e em uma reunião do Conselho de Saúde Complementar, que estava sendo gravada,  decidiu afirmar que o “chinês inventou o vírus”, mas que a “vacina chinesa” é menos efetiva que a dos americanos.  Com isso, Guedes se alinhou completamente ao negacionismo e ao discurso anti-ciência de Jair Bolsonaro. 

É preciso lembrar que uma delegação organizada pela Organização Mundial da Saúde, que inspecionou inclusive o mercado onde o Sars-Cov-2 primeiro apareceu em Wuhan, e não concluiu que fosse possível ligar o surgimento da pandemia a algum tipo de manipulação realizada em laboratório. Além disso, a maioria da comunidade científica tem rejeitado a tese da produção artificial do novo coronavírus, na medida em que esta família de vírus está presente em populações de animais, especialmente de morcegos (estes sendo considerados como os mais prováveis hospedeiros originais do Sars-Cov-2) e pangolins. 

Além disso, já é sabido que a instalação de megafazendas industriais na China tem possibilitado o ambiente ideal para que haja o surgimento de novas variantes de coronavírus que têm logrado desenvolver a capacidade de infectar sres humanos.  São essas fazendas e a destruição dos habitats naturais de morcegos e pangolins que estão mais provavelmente por detrás da atual pandemia.

Nesse sentido,  as razões para Paulo Guedes aderir à tese do “vírus chinês” podem estar mais ligadas às suas necessidades pragmáticas para se manter à frente do Ministério da Economia, para continuar aplicando sua receita ultraneoliberal, do que uma crença propriamente dita de que isto seja verdade e não apenas mais uma teoria da conspiração dos negacionistas com quem convive no governo Bolsonaro.

Entretanto, com essa adesão Paulo Guedes também mostra que, além de ser ultraneoliberal, ele também é anti-ciência, o que, aliás, não tem nada de incoerente. Aliás, muito pelo contrário.

Vídeo “agradece” Paulo Guedes de forma bem humorada

super

Recentemente o ministro Paulo Guedes, comentou em uma live que as pessoas que o encontravam em supermercados aproveitavam a ocasião para agradecer para a sua gestão à frente do Ministério da Economia. Aproveitando a deixa, um grupo de “entusiastas pauloguedianos” resolveu lançar o vídeo abaixo para agradecer publicamente a situação dos preços nos supermercados brasileiros.

Que supermercado frequenta Paulo Guedes?

paulo guedes

Após visualizar o vídeo abaixo, pense profundamente e responda: que supermercado frequenta o dublê de banqueiro e ministro da Economia, o Sr. Paulo Guedes?

Eu pessoalmente penso que ele deve frequentar um daqueles estabelecimentos que só “Faria Limers” podem entrar. Eu que frquento os “Super Bons” da vida, não consigo me imaginar agradecendo a Guedes. 

Fome, a outra pandemia mortal assolando o Brasil

Nos últimos dias temos sido distraídos não apenas pelos altíssimos números de novas infecções e mortes pela COVID-19, mas também pela volta triunfal do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva ao centro do picadeiro politico em que o presidente Jair Bolsonaro transformou o Brasil. De quebra, ainda tivemos a aprovação da famigerada PEC-186 que congela os salários dos servidores públicos até ainda longínquo ano de 2036.

Todas essas questões vem servindo para ocultar o recrudescimento de uma pandemia que há muito tempo afeta os brasileiros mais pobres, a da fome. Os sinais de que mais gente está passando fome estão por todas as esquinas brasileiras, mas a maioria da mídia corporativa trata de ocultar esse fenômeno, pois certamente sabe do potencial explosivo que o avanço da fome, em meio a reformas ultraneoliberais possui não apenas entre aqueles que já estão com a barriga roncando, mas também naqueles que a barriga irá roncar. 

Mas a imagem abaixo vinda da edição de ontem no jornal “A Tribuna” que é publicado na cidade de Santos (SP), mas que circula na maioria dos municípios da Baixada Santista mostra com clareza o processo que está germinando pelo Brasil afora que é de um grave convulsão social causada por uma mistura das duas pandemias: a da COVID-19 e da fome.

fome pandemia

Contraditoriamente, a imagem mostra uma fila quilométrica em uma unidade do chamado “Bom Prato”, a versão paulista do “Restaurante Popular”. Em tese, quem está ali terá a sua fome, ainda que parcialmente, saciada. O problema é que essa imagem mostra o grau da crise, em um momento em que a tesoura ultraneoliberal da dupla Bolsonaro/Guedes extermina várias políticas sociais que poderiam servir como apoio à da alimentação. Com isso, é muito provável que não apenas faltem recursos para novas políticas sociais, como também para a que impulsiona o “Bom Prato” e seus congêneres pelo Brasil afora.

Eu digo e repito: o que está sendo fermentado no Brasil, e a imagem acima não me deixa mentir, é uma gigantesca crise social que cedo ou tarde explodirá em dimensões avassaladoras. É que, ao contrário, do que se propala, não há povo que fique na mansidão quando a fome aguda se estabelece em proporções significativas como as que estamos gerando no Brasil neste momento. Depois que os governantes não digam que foram pegos de surpresa, pois as evidências estão aí para quem quiser ver.

Em sincericídio, Paulo Guedes admite que objetivo do governo Bolsonaro é “tirar o Estado do povo brasileiro”

guedes granadaO dublê de banqueiro e ministro, o Sr. Paulo Guedes, usou hoje a página oficial do Ministério da Economia para dizer com todas as letras que o objetivo do governo Bolsonaro é “tirar o Estado do povo brasileiro” (ver imagem abaixo).

guedes sincero

E para quem será entregue o Estado depois de ser tomado do povo brasileiro? Alguém se arrisca a dizer… banqueiros? latifundiários? especuladores internacionais?

Não é à toa que o governo Bolsonaro só é bom em destruir coisas, pois o objetivo desde o início é esse… tirar o Estado do povo brasileiro.

Ao menos por um momento, temos a sinceridade de Paulo Guedes, o mesmo que quer colocar uma granada no bolso dos servidores públicos.

Para se combater o governo Bolsonaro há que se separar a encenação dos seus fins práticos

 

fotojet-2021-01-01t163846.804

As cenas do presidente Jair Bolsonaro nadando (ainda que tropegamente) em meio a uma multidão de apoiadores nas águas de uma praia na Baixada Santista fez com que muitos analistas sérios o equiparassem ao ditador fascista Benito Mussolini que um dia também usou dessa estratégia para mostrar estratégia. Além de derivar comparações com um passado fascista, as cenas de Bolsonaro nadando deixaram muita gente boa atônita pelos simples fato de ainda existirem brasileiros que se disponham a tratá-lo como “mito”.  A solução para esse mistério está surgindo em narrativas de pessoas que estavam na areia da mesma praia quando as cenas envolvendo o presidente brasileiro ocorreram.  Segundo pelo menos uma testemunha, toda a situação pode ter sido simulada, provavelmente para energizar a base mais sólida sobre a qual Bolsonaro se apoia para governar.

Mas qual seria a surpresa se as cenas vindas de Praia Grande tenham sido realmente apenas uma bem elaborada encenação teatral? Para mim, nenhuma. É que ao longo de 2020, Bolsonaro foi flagrado realizando várias encenações dessa natureza, inclusive uma em que ele acena de forma animada para o vazio em um aeroporto em Goiás como se acenasse para uma multidão (ver vídeo abaixo). Coisa de um político que está há muito tempo no teatro da política, e que sabe manejar como poucos as emoções de uma base pequena, mas aguerrida, de fieis seguidores.

Contudo, se todos já deveriam saber que Bolsonaro e seus ideólogos são versados nas técnicas de manipulação da realidade, por que tantos ainda caem facilmente em seus truques? Em minha opinião, isso ocorre porque Bolsonaro é o espantalho perfeito para que as forças políticas que o apoiam, mas também supostamente o atacam, fujam das responsabilidades em relação ao projeto que ele e Paulo Guedes estão tendo implementar que é, basicamente, desmontar e reduzir a pó os elementos progressivos da Constituição Federal de 1988, incluindo não apenas os direitos sociais, mas também a proteção do meio ambiente e dos povos tradicionais. 

Como a imensa maioria dos partidos políticos fugindo do debate sobre o projeto que está sendo executado, à direita e também à esquerda, ficam todos apontando o dedo para Bolsonaro, enquanto Paulo Guedes continua avançando com as privatizações espúrias e com o desmanche das políticas sociais.  Essa é a tônica inclusive das análises feitas pelos chamados “intelectuais de coleira” que lotam os programas da mídia corporativa e cujas análises contribuem para esse clima de fim feira em meio à pandemia que contribui para a persistência da paralisia política. Se levarmos ao pé da letra o que muitos desses intelectuais amestrados, nem será preciso fazer eleição em 2022, pois já se sabe que Jair Bolsonaro será reeleito.

A saída para essa verdadeira “chave de cadeia” em que o Brasil está metido começa pela questão básica que é destrinchar o papel de Jair Bolsonaro no atual teatro de operações, mas continua com a identificação dos atores que estão ganhando com o avanço de seu projeto de desconstrução do sistema de direitos sociais e trabalhistas que está sendo aplicado por seu governo. Entender a relação entre a aparência e a essência da situação política que nos envolve será a principal tarefa nos primeiros meses de 2021, sob pena de ficarmos todos boquiabertos se os trabalhadores e a juventude resolverem desmontar por conta própria as caixas de ilusão de ótica que o presidente monta para esconder sua própria fragilidade.  Por isso, é essencial que se mantenha claro que com Bolsonaro só há uma verdade absoluta: nem tudo é o que parece. E isso como regra básica.

Mas mais do que a natureza e a finalidade da máquina de propaganda do Bolsonarismo, o essencial será sair da inação letárgica em que as forças políticas que dizem se opor ao projeto político convenientemente estão colocadas. E isso deverá começar por questionários desde os municípios a aplicação do receituário ultraneoliberal da dupla Bolsonaro/Guedes.  Essa será a chave para se sair das cordas e partir para a ofensiva política que a conjuntura requer.

 

Espiral inflacionária de Bolsonaro e Guedes prejudica os mais pobres

FILES-BRAZIL-ECONOMY-GUEDES-TOP AIDES-HEALTH-VIRUS

A inflação dos alimentos, que recai sobre os mais pobres, está explodindo no Brasil em 2020. De janeiro a dezembro, óleos e gorduras subiram 55,22%; cereais, 54,84%; legumes, 51,28%. Óleo de soja saltou 94,1%; tomates, 76,5%. Inflação dos alimentos já está em 15,7% desde o início do ano. Os números, com base no  IPCA do IBGE foram consolidados pelo NAPP Agrícola, da Fundação Perseu Abramo.

Os números são expressivos: óleo de soja, 94,1%; tomates, 76,5%; arroz, 69,5%; feijão fradinho, 60%; batata 55.9%. Por grupos alimentares, a inflação está acima de 50% em três deles: óleos e gorduras; cereais, leguminosas e oleaginosas; e tubérculos, raízes e legumes. Seguem-se os grupos de hortaliças e verduras (17,68%), frutas (17,49%), leites e derivados (15,62%) e carnes (13,9%).

Veja o quadro elaborado pelo NAPP Agrícola, da Fundação Perseu Abramo.

napp agricola

fecho

Este texto foi inicialmente publicado pelo Brasil 247 [Aqui!].

Efeito Guedes/Bolsonaro: custo de vida dispara e Brasil vive período de inflação alta

O custo de vida disparou no Brasil sob o governo Bolsonaro. Pesquisa da Fundação Getúlio Vargas mostra o país sob risco aumento da inflação

inflação

 Pesquisa do Ibre/FGV (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas) divulgada nesta segunda-feira (7), mostra que dispara o custo de vida no país, com reflexos negativos para o poder aquisitivo da população. Os preços de insumos que servem de base para a cadeia produtiva brasileira registram a maior alta desde o início do Plano Real. A pressão desse aumento é tal que está espalhando a inflação, antes concentrada no produtor, por vários setores da economia, chegando ao consumidor de forma cada vez mais intensa.

O levantamento indica que o preço das matérias-primas brutas, como soja, milho, carnes e minério de ferro, acumula alta de 68% nos 12 meses encerrados em outubro, aumento inédito desde o fim do período de hiperinflação, informa o jornalista Eduardo Cucolo na Folha de S.Paulo.

Esses aumentos tendem a chegar ao consumidor final, o que já se reflete reajustes elevados nos preços de muitos alimentos e bens industriais, como eletrodomésticos e eletrônicos.

Ao contrário de todo o debate feita pela mídia corporativa para pautar as eleições presidenciais de 2022 entre um suposto centro com a extrema-direita representada por Jair Bolsonaro, a situação no Brasil deverá levar a embates que não esperarão pelo calendário para serem resolvidos. É nessa perspectiva que a chamada esquerda institucional deveria se orientar para retomar o controle da narrativa que se encontra totalmente sob o controle daqueles que podem até tirar Jair Bolsonaro, mas vão querer manter as suas políticas desastrosas, a começar pela econômica.

Sob intensa pressão, Bolsonaro recua de decreto para privatização da UBS. Mas a pauta continua posta

bolsonaro 1Presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia no Palácio do Planalto. Por ADRIANO MACHADO

Os veículos da mídia corporativa estão noticiando que o presidente Jair Bolsonaro acaba de anunciar que irá revogar o Decreto No.10.530 de 26 de outubro de 2020 em função da repercussão altamente negativa que o anúncio do início da privatização do Sistema Único de Saúde causou em diversos segmentos da sociedade brasileira.

Essa tática de recuar rapidamente após jogar um mega bomba em meio a uma pandemia letal em que a necessidade de uma sistema público de saúde ficou clara no mundo inteiro não deve servir para enganar ninguém.

bolso pazuello

General Pazuello toma posse no ministério da Saúde ao lado do presidente Jair Bolsonaro.  Por Marcelo Camargo/Agência Brasil

A verdade é que ainda esta tarde o ministro da Fazenda, Paulo Guedes, havia jogado sobre as costas do general Eduardo Pazuello o custo político de haver demandado a implantação de uma medida de que se provou altamente impopular.

Mas a verdade é que o objetivo básico do decreto já foi alcançado pelo governo Bolsonaro. Esse objetivo era simplesmente colocar na pauta política a privatização de um sistema de saúde que está garantido pela Constituição Federal de 1988 como sendo universalmente gratuito.

Essa bomba semiótica se combina com outra lançada pelo indescritível Ricardo Barros (PP/PR), líder do governo Bolsonaro na Câmara de Deputados que na última segunda-feira (26/10) havia proposto a realização de uma assembleia nacional constituinte para escrever uma nova constituição federal, visto que a de 1988 seria uma “que só tem direitos” e que  “torna o Brasil ingovernável”. 

O centro de toda essas manobras aparentemente despropositadas é sedimentar a ideia de que precisamos ter uma profunda reforma do Estado que remova todos os direitos que estão garantidos na Constituição de 1988. Esse, aliás, é o projeto com o qual Jair Bolsonaro foi acolhido pelas elites financeiras e pelos latifundiários como o candidato que defenderia um processo de destruição das garantias sociais existentes no Brasil.

Por isso, antes de que alguém queira celebrar o último recuo de Jair Bolsonaro, é bom lembrar que todas essas aparentes sandices irão emergir com força logo após as eleições municipais. A profundidade e a ferocidade dos ataques que virão dependerão dos resultados das eleições, mas não apenas deles.

Governo Bolsonaro zera os estoques públicos de alimentos por causa da opção pelo latifúndio agro-exportador

Preço do arroz e feijão pesa mais no orçamento das famílias ameaçadas pela  fome - Economia - Extra Online

Em um artigo publicado no site do UOL, o jornalista Hygino Vasconcellos revela que o Brasil está com os estoques públicos dos principais itens da cesta básica dos brasileiros completamente zerados (ver figura abaixo).

estoques públicos

Fonte: UOL

Esta situação decorre da decisão do governo Bolsonaro, sob os auspícios do receituário ultraneoliberal do dublê de banqueiro e ministro da Fazenda, Paulo Guedes, de deixar com o que o mercado (ou seja os grandes latifundiários) a regulação dos estoques de alimentos disponíveis para a população brasileira consumir.

O fato é que no governo Bolsonaro, a inexistência de estoques internos de alimentos foi agravada pela depreciação do Real frente ao dólar, o que fez que também os estoques privados fossem totalmente exportados. Essa política de depreciação do Real também não é nova, mas foi agravada pelo Paulo Guedes. Essa é questão de fundo que fez agravar ainda mais a falta de estoques internos, já que ficou mais lucrativo exportar tudo o que o Brasil produz.

Essa lógica responde a pressões dos grandes exportadores para que a maximização dos seus lucros e não a garantia de que a maioria dos brasileiros, especialmente os mais pobres, tenham condições de adquirir comida sem que tenham que, por exemplo, deixar de tomar banho ou comprar remédios para que isso ocorra.

Em outras palavras, é a opção por transformar comida em commodity que está na base da decisão que está deixando o Brasil cada vez mais dependente de importações para abastecer o mercado interno com arroz e feijão, enquanto a soja deverá ocupar cada vez mais área de cultivo (ver abaixo as projeções para as 5 maiores culturas para a safra 2027/2028)

 

Além disso, é preciso lembrar que para financiar ainda mais o latifúndio agro-exportador, o governo Bolsonaro vem não apenas zerando os investimentos em reforma agrária, mas também não dá sinais que vá aumentar o financiamento para a agricultura familiar, a qual sabemos ser responsável pela maior parte da produção de alimentos no Brasil.

Qual é o mais provável resultado dessa opção pelos latifundiários em detrimento da agricultura familiar? O cenário mais óbvio será não apenas de uma maior dependência das importações de alimentos, mas também um aumento ainda maior nos preços ao varejo. Essa situação, como já alertei em postagem anterior, deverá se provar um desafio muito maior ao presidente Jair Bolsonaro do que todos os partidos de oposição juntos. O problema será o custo social e político do cenário que está sendo criado pelo próprio governo apenas para beneficiar os grandes produtores rurais que o apoiaram na campanha eleitoral de 2018 e continuam apoiando até agora.

Apenas à guisa de comparação, posto abaixo um vídeo produzido pelo TVT sobre uma das chamadas “lojas da reforma agrária” mantidas pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) em diversas capitais, onde a contradição entre commodity e alimento é muito bem explicada.  Entender essa diferença será fundamental para organizar a luta por uma nova política agrícola no Brasil, de modo a garantir o acesso a alimentos por uma ampla faixa de brasileiros que hoje está passando fome por causa da opção feita pelo governo Bolsonaro.