Governo Bolsonaro zera os estoques públicos de alimentos por causa da opção pelo latifúndio agro-exportador

Preço do arroz e feijão pesa mais no orçamento das famílias ameaçadas pela  fome - Economia - Extra Online

Em um artigo publicado no site do UOL, o jornalista Hygino Vasconcellos revela que o Brasil está com os estoques públicos dos principais itens da cesta básica dos brasileiros completamente zerados (ver figura abaixo).

estoques públicos

Fonte: UOL

Esta situação decorre da decisão do governo Bolsonaro, sob os auspícios do receituário ultraneoliberal do dublê de banqueiro e ministro da Fazenda, Paulo Guedes, de deixar com o que o mercado (ou seja os grandes latifundiários) a regulação dos estoques de alimentos disponíveis para a população brasileira consumir.

O fato é que no governo Bolsonaro, a inexistência de estoques internos de alimentos foi agravada pela depreciação do Real frente ao dólar, o que fez que também os estoques privados fossem totalmente exportados. Essa política de depreciação do Real também não é nova, mas foi agravada pelo Paulo Guedes. Essa é questão de fundo que fez agravar ainda mais a falta de estoques internos, já que ficou mais lucrativo exportar tudo o que o Brasil produz.

Essa lógica responde a pressões dos grandes exportadores para que a maximização dos seus lucros e não a garantia de que a maioria dos brasileiros, especialmente os mais pobres, tenham condições de adquirir comida sem que tenham que, por exemplo, deixar de tomar banho ou comprar remédios para que isso ocorra.

Em outras palavras, é a opção por transformar comida em commodity que está na base da decisão que está deixando o Brasil cada vez mais dependente de importações para abastecer o mercado interno com arroz e feijão, enquanto a soja deverá ocupar cada vez mais área de cultivo (ver abaixo as projeções para as 5 maiores culturas para a safra 2027/2028)

 

Além disso, é preciso lembrar que para financiar ainda mais o latifúndio agro-exportador, o governo Bolsonaro vem não apenas zerando os investimentos em reforma agrária, mas também não dá sinais que vá aumentar o financiamento para a agricultura familiar, a qual sabemos ser responsável pela maior parte da produção de alimentos no Brasil.

Qual é o mais provável resultado dessa opção pelos latifundiários em detrimento da agricultura familiar? O cenário mais óbvio será não apenas de uma maior dependência das importações de alimentos, mas também um aumento ainda maior nos preços ao varejo. Essa situação, como já alertei em postagem anterior, deverá se provar um desafio muito maior ao presidente Jair Bolsonaro do que todos os partidos de oposição juntos. O problema será o custo social e político do cenário que está sendo criado pelo próprio governo apenas para beneficiar os grandes produtores rurais que o apoiaram na campanha eleitoral de 2018 e continuam apoiando até agora.

Apenas à guisa de comparação, posto abaixo um vídeo produzido pelo TVT sobre uma das chamadas “lojas da reforma agrária” mantidas pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) em diversas capitais, onde a contradição entre commodity e alimento é muito bem explicada.  Entender essa diferença será fundamental para organizar a luta por uma nova política agrícola no Brasil, de modo a garantir o acesso a alimentos por uma ampla faixa de brasileiros que hoje está passando fome por causa da opção feita pelo governo Bolsonaro.

 

Reforma administrativa de Bolsonaro ameaça criar um Brasil sem professores

professores

A (anti) reforma administrativa recém-enviada pelo governo Bolsonaro (e recebida com saudações efusivas pelo presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia (DEM), deixou de fora as carreiras mais caras do serviço público (justamente aquelas que deveriam ser as primeiras a passarem por mudanças para acabar com uma série de regalias).

Por outro lado, a reforma Bolsonaro/Guedes vai criar condições ainda mais difíceis para as categorias que recebem os menores salários, a começar pelos professores. É curiosamente sobre esses segmentos já conhecidos por serem altamente sacrificados em termos da demanda de serviços, condições difíceis de trabalho e adoecimento que a chamada administrativa mais deverá pesar. E saliente-se que isso trará pouca ou nenhuma mudança na situação daquelas carreiras que causam mais custos aos cofres públicos.

Uma consequência dessa (contra) reforma seria uma menor atratibilidade para a profissão de professor no Brasil.  E note-se que já há algum tempo que os cursos de licenciatura, justamente aqueles que formam profissionais para a área da Educação, estão com cada vez menos interessados nas vagas abertas, seja na rede privada ou pública de ensino superior.

Corte de turmas de colégios estaduais causa superlotação em salas no ensino  fundamental - Educação - Extra OnlineSalas de aulas lotadas são apenas um dos elementos que diminuem o interesse na carreira de professor

Esta perda de interesse dos jovens em se tornarem professores já resultou em um envelhecimento da população de professores em atividade em nosso país. Com a falta de renovação que a (contra) reforma de Bolsonaro e Guedes deverá criar, não é impensável que até o final desta década, o Brasil talvez tenha que importar professores se não quiser que suas escolas fechem.

Problema semelhante deverá ocorrer também na área da Saúde, onde igualmente as condições de trabalho já são bastante difíceis. Com a perda de direitos e a consequente perda de poder aquisitivo, não será surpreendente que também faltem pessoas interessadas em oferecer seus serviços em ambientes altamente insalubres como os existentes na maioria das unidades hospitalares.

reforma

O interessante é que nada disso parece ter sido pensado pela genial equipe do dublê de banqueiro e ministro da Fazenda, o Sr. Paulo Guedes.  Há que se ver se haverá alguém que lembre a Rodrigo Maia que esta reforma que ele tanto parece apreciar é uma espécie de um Cavalo de Tróia que arriscar tornar o Brasil em um deserto pedagógico, onde ninguém vai querer ser professor.

A culpa da recessão é de Guedes e Bolsonaro, não da COVID-19

bolsoguedesNão culpem a COVID-19, pois Jair Bolsonaro e Paulo Guedes são os pais da recessão que ameaça a pior da história do Brasil

A mídia corporativa está trombeteando hoje que os desastrosos números relativos à performance da economia brasileira se devem única e exclusivamente à pandemia da COVID-19. Essa forma de apresentar o problema, exonerando a dupla Bolsonaro/Guedes das devidas responsabilidades pela recessão em curso, é a forma pela qual os donos dos grandes veículos de imprensa estão encontrando para salvaguardar seus próprios interesses, já que a maioria deles opera com extrema agilidade no mercado financeiro. E com isto tentam manter no posto de ministro da Fazenda, o sr. Paulo Guedes, que ainda é a melhor garantia de que os negócios continuarão como sempre.

Na real, a situação da economia brasileira já vem mal das pernas desde o início do segundo mandato de Dilma Rousseff, e tudo o que foi feita até aqui pelos governos de Michel Temer e Jair Bolsonaro foi no sentido de preservar os ganhos das grandes instituições financeiras nacionais e internacionais, com a imposição de perdas cada vez maiores aos direitos trabalhistas e sociais. São os trabalhadores que estão sentindo na pele a opção por alocar cifras trilionárias para preservar um sistema financeiro parasitário.

Assim, não nos enganemos, sem que seja rompido o chamado “Teto de Gastos“, de modo a quebrar a atual incapacidade do Estado brasileiro de realizar investimentos que coloquem a economia brasileira no caminho de uma retomada mínima que seja, a tendência será o aprofundamento dos ataques aos trabalhadores e uma piora ainda maior dos índices de funcionamento da economia brasileira, com repercussões devastadoras sobre a vida da maioria da nossa população.

Por isso, em vez de se ficar discutindo questiúnculas acerca do próximo pleito municipal, o que precisamos fazer é colocar o debate sobre o modelo econômico em curso na ordem do dia, de modo a acelerar o desgaste do modelo pró-banqueiros que o governo Bolsonaro tão bem representa. Qualquer outra coisa significará adaptação à agenda neoliberal de Paulo Guedes. 

De mãos beijadas: BB entrega carteira de R$ 3 bi para BTG Pactual, criado por Paulo Guedes

guedes-bb

Por Daniel Valença*

Em “estranha” movimentação ocorrida no dia primeiro de julho deste ano, o Banco do Brasil cedeu uma carteira com 3 bilhões em créditos “perdidos”, isto é, em que os empréstimos concedidos são considerados difíceis de serem quitados.

Um exemplo nos ajuda a entender a questão: vamos supor que o BB tenha emprestado R$ 30 mil para um de seus clientes. Receando não receber o pagamento, o Banco do Brasil vende os direitos de crédito contra os tomadores de empréstimo por R$ 3 mil. Daí o banco comprador da carteira, por meio de investigação, consegue reaver R$ 10 mil, resultando num lucro de R$ 7 mil. 

Na prática, por R$ 371 milhões, o banco BTG Pactual se tornou credor de quase 10 vezes o preço que pagou, podendo, em cima desse crédito, ter lucros gigantescos. 

A estranha venda de créditos podres do Banco do Brasil ao BTG Pactual - GGN

Mesmo tendo sido uma operação de valor e tamanho inéditos no mercado financeiro brasileiro, não se tem notícia de nenhum processo licitatório pela carteira. Suspeito, para dizer o mínimo.

Mais estranho ainda é que, coincidentemente ou não, a dinheirama foi arrebatada pelo banco fundado por ninguém menos que Paulo Guedes, que – vejam só – foi quem indicou o presidente do Banco do Brasil. 

Mandatário este que, assim como o ministro da “granada no bolso dos servidores” que o nomeou, defende a privatização do banco público que preside.

Ou seja, além de ir sorrateiramente privatizando riquezas públicas, este governo ainda beneficia os amigos do Chicago Boy. Para os bancos privados, tudo, para amplas massas da população, “trabalhem”, senão vira “vida boa”.

Precisamos, portanto, construir a política oposta: se, neste governo, o Estado está totalmente voltado para aumentar os lucros do rentismo e espoliar as classes trabalhadoras, precisamos construir um projeto político da classe trabalhadora, que oriente o Estado para as amplas massas e exproprie o rentismo e as classes possuidoras.

Movimento sindical, movimento feminista, movimento negro, sem terra e sem teto, os partidos de trabalhadores, as mais diversas das frações das classes trabalhadoras – aqueles e aquelas que vivem do seu trabalho – devem construir uma ampla frente de esquerda que tenha uma premissa: para salvar vidas, fora Bolsonaro e fora Mourão; que a classe trabalhadora possa exercer seu direito ao isolamento e que os quase 200 mil milionários brasileiros paguem a conta da luta contra a pandemia.

Ouça podcast sobre o assunto  abaixo

.

*Daniel Valença é professor da graduação e mestrado em Direito da UFERSA, Vice-Presidente do PT/RN, e associado do IPDMS (GT – Direito e Marxismo)

fecho

Este texto foi originalmente publicado pelo jornal “Brasil de Fato” [Aqui!].

Paulo Guedes, o primata neoliberal

Monkey Uncle Sam with pointing finger at viewer. Vintage engraving

Seguindo uma prática política, Bolsonaro fez acordos espúrios para se eleger presidente do país. Dentre esses acordos, o mais notório é com o mercado financeiro – materializado na figura de Paulo Guedes. O Ministro da Economia ostenta o apelido de primata neoliberal, atribuído em razão de sua total incapacidade de pensar num Estado-Nação. Ainda assim, a incompetência e o fracasso de sua equipe frente à pasta não parecem intimidar nem abalar a convicção que o ainda ministro nutre por encaminhar o país ao colapso social.

Estamos diante de um comportamento que pode ser desvendado ao lançar um olhar atento aos fatos: o que move e estimula nosso ministro são as bananas jogadas pelos famosos “investidores internacionais”, que o fazem como recompensa a cada truque bem executado pelo primata. De fato, talvez seja uma cena pitoresca, já que não é sempre que nos deparamos com um primata de terno e gravata ostentando títulos da Escola de Chicago. A cartilha de Guedes é óbvia e previsível. Todos sabem quais serão suas reações e opiniões – mesmo assim, parecem não conseguir conter o impulso suicida de colocarem uma granada em suas mãos, mais interessados pelo espetáculo do que se importando com o desastre.

Da mesma maneira, há pouco presenciamos o flagrante episódio em que o ministro da economia deste país esteve usando seu Terminal Bloomberg – uma espécie de teclado utilizado para operar em tempo real nas Bolsas de Valores. Não bastasse estar operando no mercado de ações durante o expediente como chefe da economia brasileira, torna-se inequívoco criminoso conflito de interesses e, principalmente, seu total descompromisso com a nação, bem como sua tara – única e exclusiva – pelas bananas do mercado financeiro.

É válido o lembrete de que a absurda “Secretaria de Desinvestimento” tenha sido chefiada por um picareta comerciante de automóveis – quem imaginava em suas alucinações que um Estado-Nação funcionaria igual e conforme os mandos e desmandos em sua loja de automóveis, onde seus subordinados simplesmente dizem amém a todos os seus sermões em troca de um salário de fome. Mais do que expor a fragilidade da equipe montada pelo “primata neoliberal” à frente da pasta econômica deste país, revela-se que um profundo desconhecimento sobre a República e uma dose extra de incompetencia são requisitos para ocupar secretarias. Afinal, o primata parece ser desleal inclusive na competição interna: não aceita de bom grado dividir as bananas, preferindo cercar-se de personagens decorativos.

Eis que na névoa escura da pandemia e durante o profundo colapso da economia, surgem alguns ministros com espírito republicano, bem mais evoluídos e conhecedores do país que governam. Exalando competência, apresentam um plano de reformas estruturantes, um programa gerador de empregos e renda, e um arrojado projeto de escoamento de produção. Sem surpresas, tal pacote foi obviamente estercado por Guedes, o primata que encena conduzir a economia nacional. Mesmo diante dos alertas do capitão à tripulação de que o barco está afundando, Guedes continuou fazendo suas macaquices, preferindo as bananas dos “investidores estrangeiros” à labuta de construção de um estado nação.

Para a sorte do Brasil, Paulo Guedes – O Primata – murchou muito desde o início do mandato. Sua autoconfiança foi se esvaindo conforme a realidade pública batia forte em seu estômago. Ele, que já havia se acostumado com as bananas jogadas a cada novo truque duramente ensaiado, viu suas bananas diminuírem conforme o repertório ia se repetindo. Nisso, tomou consciência de sua limitação e mediocridade: não trouxe solução para coisa alguma. Num momento em que o país exige criatividade incomum de seus ministros, Guedes continua tentando repetir o que aprendeu em Chicago na década de 1970 – num gesto repetitivo e desesperado, implorando por aplausos e bananas. O espetáculo não é novo, mas ainda assim, não é sempre que se vê um primata neoliberal engravatado fazendo malabarismos.

Então, o que poderia ser pior do que ter um incapacitado à frente do ministério mais importante de um país? A resposta é mais que simples: aceitar ser refém nas mãos desse incapaz. É o dilema enfrentado pelo presidente Jair Bolsonaro, que parece estar cada vez mais certo de sua decisão a respeito de demitir ou não essa atração circense que faz papel de ministro da economia.

por Vicentino

fecho

Este texto foi originalmente pelo Jornal Puro Sangue

Vaquinha virtual levanta recursos para postar outdoors anti-Bolsonaro em Campos dos Goytacazes

Seguindo o que está acontecendo em todas as partes do Brasil, a disputa política em torno do legado do governo ultraneoliberal de Jair Bolsonaro (ver imagem abaixo) chegou a Campos dos Goytacazes e deverá aquecer o debate pré-eleitoral já que haverá candidato dos dois lados da divisão estabelecida.

outdoors antibolsonaro

O interessante é que, no caso dos outdoors que estão sendo preparados para denunciar as ações do governo Bolsonaro, os recursos estão sendo levantados a partir de uma “vaquinha” virtual no site “vakinha.com.br“, tendo já alcançado o valor de R$ 5.005,13 que foram doados por cidadãos campistas que se opõe à receita ultraneoliberal imposta pela dupla Jair Bolsonaro e Paulo Guedes (ver figura abaixo).

outdoor anti bolso 2

Esse tipo de levantamento de recursos de forma pública e via a internet é bem diferente daquele que pagou os outdoors favoráveis ao governo Bolsonaro, já que nunca ficou claro como os recursos necessários foram obtidos. No caso dos outdoors dos opositores, a forma é pública e as contribuições estão se dando de forma voluntária.

Como alguém que acredita na necessidade de termos um movimento de oposição socialmente capilarizado para frear o projeto anti-Nação do governo Bolsonaro, eu convido os leitores do “Blog do Pedlowski” a apoiarem essa vaquinha virtual. A democracia brasileira precisa neste momento que cada ofereça o que puder para que as ações pró-desmanche do Estado-Nação brasileiro sejam freados.

Quem desejar contribuir com a campanha pela colocação desses outdoors pró-democracia, basta clicar [Aqui!].

Paulo Guedes e sua ideia fixa de “vouchers” emperram aprovação do Fundeb

paulo guedesO ministro da Fazenda, Paulo Guedes, quer tirar R$ 6 bi do Fundeb para financiar a educação privada, setor onde possui investimentos bilionários

Em uma reportagem assinada pelos jornalistas Bernardo Caram e Danielle Brant intitulada “Governo quer R$ 6 bilhões do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb para bancar ‘voucher-creche’ no setor privado”,  o jornal Folha de São Paulo joga luz sobre uma manobra que foi engendrada pelo ministro da Fazenda, Paulo Guedes, para empurrar uma ideia que ele tirou da experiência malsucedida das reformas educacionais promovidas pela ditadura de Augusto Pinochet (ver imagem abaixo).

voucher creche

Se houvesse uma real preocupação com o acesso de crianças pobres a creches, o governo Bolsonaro tentaria aumentar o montante de contribuição do governo federal para compor os fundos que formam o Fundeb em vez de diminuir como está propondo na prática.

Mas é preciso lembrar que tanto o ministro Paulo Guedes, como sua irmã Elizabeth Guedes, não só possuem laços com os setores privados da educação, como o ministro da Fazenda possui investimentos bilionários no setor educacional privado e a distância, chegando a captar R$ 1 bilhão de fundos de pensão. Aliás, não custa nada lembrar que é por causa desses investimentos que Paulo Guedes acabou enrolando na chamada Operação Greenfield, onde ele é acusado de ter ganho mais do que devia nas transações que fez com vários fundos de pensão, entre eles o Previ (Banco do Brasil), Petros (Petrobras), Funcef (Caixa), Postalis (Correios).

Como se vê, quando se trata das investidas de Paulo Guedes contra a coisa pública, o mais provável é que ele esteja mirando em ganhos privados para ele e seus associados. 

Enquanto Paulo Guedes sonha em vender tudo, empresas privatizadas sinalizam para colapso iminente no transporte público do Rio de Janeiro

Depois de passar anos cobrando tarifas escorchantes e prestando serviços de qualidade duvidoso, SuperVia e Metro Rio ameaçam parar em agosto se não receberem apoio financeiro estatal

A cada dia que passa cresce a percepção de que o ministro da Fazenda Paulo Guedes ainda não entendeu que o sonho dourado que ele acalanta de privatizar estatais estratégicas, não obstante os anúncios bombásticos de que o governo Bolsonaro irá promover uma liquidação na bacia das almas no segundo semestre de 2020.

Mas os sinais de alerta não estão vindo apenas para as privatizações que se pretende fazer, mas as que já foram feitas em governos passados. Exemplo disso está ocorrendo nos serviços privatizados de transporte no estado do Rio de Janeiro, onde, por um lado, a Supervia está indicando que deverá interromper serviço de trens no Rio de Janeiro a partir de agosto e, por outro, o Metro Rio, que promete fazer a mesma coisa.

O problema poderá ser maior ainda se se confirmarem as  informações da Fetranspor de que as empresas de ônibus poderão seguir o mesmo caminho sob a alegação de que estão acumulando prejuízos milionários em função da diminuição do número de passageiros causada pelas medidas de isolamento impostas para controlar a pandemia da COVID-19.

Em comum, além da suposta crise financeira, o que as empresas de transporte que foram privatizadas estão demandando é o aporte de centenas de milhões de reais por parte dos governos estadual e federal, sob a alegação (a correta por sinal) de que o transporte público é um serviço essencial. A única coisa que estas empresas  estão esquecendo de informar é de quanto foi os lucros fabulosos que obtiveram antes da erupção da COVID-19.

Por essa situação em pleno andamento, e no caso do Rio de Janeiro inexistirem recursos em caixa para socorrer as empresas privatizadas, não será de se estranhar se nas próximas semanas o ministro da Fazenda, Paulo Guedes, tiver que fazer malabarismos extremos para dizer que vai mesmo vender estatais lucrativas para, pasmemos todos, socorrer empresas privatizadas a preço de banana no passado, e que agora ameaçam ir a pique.

No fundo o que está mesmo afundando é a lógica neoliberal de entregar setores estratégicos para empresas privatizadas sob a alegação de que isto irá melhorar a qualidade dos serviços prestados. É que ao primeiro sinal de que suas margens de lucro irão diminuir, essas empresas correm para demandar ainda mais dinheiro público. Assim, diria meu falecido pai, é mole.

Com Carlos Alberto Decotelli, governo Bolsonaro tem mais um ministro da Educação com perfil acadêmico de baixo impacto

decotelli e bolsonaro_3O presidente Jair Bolsonaro anunciou hoje a indicação de Carlos Alberto Decotelli, ex-presidente do FNDE, para ocupar o cargo de ministro da Educação

O anúncio de Carlos Alberto Decotelli para ser o terceiro ministro da Educação do governo Bolsonaro me deixou por poucos minutos que algo de errado tinha acontecido no processo de seleção,  já que ele foi anunciado como o possuir até de um pós-doutorado em uma universidade no norte da Alemanha, a Universidade de Wuppertal.  Em um primeiro olhar nas notas publicadas pela mídia corporativa foi dada a impressão de que Decotelli representaria uma espécie de partida do padrão “Weintraub” de ministro da Educação.

Mas bastou olhar o Currículo Lattes de Carlos Alberto Decotelli para notar que, apesar da  sua condição de possuidor de um título de doutor,  sua produção acadêmica é de alguém com perfil acadêmico de baixo impacto. Entre outras evidências disso está o fato que o ministro Decotelli não publicou sequer um artigo científico em sua carreira acadêmica, iniciada quando ele entrou no curso de graduação em Ciências Sociais em 1975. Além disso, o mais saliente de seu perfil profissional é não apenas a sua relação com uma série de cooperativas de crédito agrícola, mas também sua atuação em outros cargos do governo Bolsonaro, notadamente a sua efêmera passagem pela presidência do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). Isto sem falar na sua passagem no Centro de Jogos de Guerra na Escola de Guerra Naval – EGN.

Mas foi justamente no FDE que a primeira menção negativa surgiu em em relação ao agora ministro Decotelli, visto que foi na sua gestão  que ocorreu a suspensão, pelo Tribunal de Contas da União (TCU), de uma licitação de R$ 3 bilhões por causa dos “riscos de  sobrepreço e de propostas de venda fictícias“; licitação essa que teve sua autorização.

Além disso, a mídia já tratou de informar que Carlos Alberto Decotelli fez parte da equipe de transição do presidente Jair Bolsonaro, por possuir relações profissionais com o ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro, e com o ainda ministro da Fazenda, o banqueiro Paulo Guedes. Tais relações o habilitam como alguém que não apenas compartilha dos valores reinantes no governo Bolsonaro, mas como um ator importante no estabelecimento de uma visão pró-mercado na Educação brasileira.

Aliás, convenhamos, se o perfil de Carlos Alberto Decotelli não fosse o que é, ele dificilmente seria alçado a qualquer cargo importante, como são os casos da presidência do bilionário FNDE e agora do ministério da Educação.

Diante desse quadro, não tenho qualquer perspectiva de mudança nos rumos do ministério da Educação no governo Bolsonaro, ainda que esteja entrando um ministro que não será tão incompetente quanto Abraham Weintraub. E isto, meus caros leitores, poderá representar ainda mais prejuízos para a sustentabilidade do sistema público de ensino no Brasil. É que boa parte dos ataques pretendidos por Weintraub nunca decolaram por causa da sua inépcia para o cargo.  Dai que ainda pode prevalecer aquela Lei de Murphy que postula “que nada está tão ruim que não possa piorar”. A ver!

1 milhão de infectados e e os erros do Brasil no combate à COVID-19

Um milhão de infectados e os erros do Brasil no combate à COVID-19

Cidade do Rio de Janeiro flexibiliza medidas de isolamento socialFotomontagem de Beatriz Abdalla/Jornal da USP sobre fotos de Palácio do Planalto

O novo coronavírus desembarcou em terras nacionais em um momento de fragilidade política, econômica e social que contribui para piorar um cenário que já seria naturalmente complicado

Por Luiz Roberto Serrano para o Jornal da USP*

A pandemia da COVID-19 chegou ao Brasil num péssimo momento. Qualquer um seria ruim, evidentemente, mas ela desembarcou aqui num momento de confusão e desagregação política, fragilidade econômica e carências sociais historicamente acumuladas. O potencial infeccioso e mortal dessa doença desconhecida exigia que o país a enfrentasse sob o comando de uma liderança firme, clara, decidida, que orientasse, e até mesmo guiasse, a sociedade na travessia do deserto que se vislumbrava à frente.

O primeiro sinal já foi desanimador. Ainda no início de fevereiro, o governo brasileiro hesitou em enviar aviões para resgatar brasileiros em Wuhan, na China, origem da pandemia, alegando que seria uma operação muito cara. Felizmente, enviou. O sofrimento pelo qual passaram, antes de nós, a China, a Itália, Espanha e os Estados Unidos – só para citar alguns países – apontaram caminhos a serem seguidos no combate à covid-19, especialmente em relação ao isolamento social, mas não foram observados e absorvidos, a não ser isoladamente pelo Ministério da Saúde, e a oportunidade de nos precavermos por antecipação foi jogada pela janela.

O fato é que tudo degringolou, com o presidente da República desdenhando da gravidade da pandemia, desautorizando as orientações emanadas do seu próprio Ministério da Saúde, entrando em guerra com os governadores que tentaram conter o avanço da doença, e o Ministério da Economia, de tendência liberal, resistindo e demorando para colocar recursos à disposição de empresas e trabalhadores e da população em geral para preservar, pelo menos, os sinais vitais da economia. Resultado: já alcançamos a marca de um milhão de brasileiros infectados, ultrapassamos os 49 mil mortos e o Produto Interno Bruto desliza perigosamente para uma queda que aponta para 10% em 2020.

O presidente Jair Bolsonaro insistiu desde o princípio que a pandemia não passava de uma “gripezinha”, que a morte é um fato inevitável da vida, participou de manifestações políticas sem máscaras e distanciamentos recomendados para todos os brasileiros e concentra todas as suas energias apenas na permanente disputa política que envolve o seu governo, o congresso, o sistema judiciário e a sociedade. Sua postura mina e combate a orientação de médicos e cientistas e governadores de que o isolamento é a melhor arma no momento para combater o alastramento do vírus e estimula parcela considerável dos brasileiros a não cumpri-lo e a se arriscarem nas ruas e nos locais de trabalho e públicos, especialmente o transporte coletivo.

Cidade do Rio de Janeiro flexibiliza medidas de isolamento socialJair Bolsonaro, durante manifestação recente em Brasília – Foto: Reprodução/Twitter

É compreensível que a parcela da população cuja renda depende de atividades diárias, especialmente os trabalhadores informais e as empresas produtivas e de serviço, que só dependem da presença física de sua clientela para operar, se sintam prejudicadas pela política de isolamento e estejam angustiadas para gerar caixa. Até mesmo as grandes empresas, com maior lastro financeiro, sofrem ao operar abaixo de sua capacidade de produção e comercialização, mesmo, entre estas, as que têm canais de venda digitais. É de se esperar que almejem que tudo volte ao normal rapidamente. A questão é que esse rapidamente, esse retorno precoce, pode gerar um aumento na taxa de contaminação na população cujas consequências ainda são imprevisíveis.

Esse sufoco seria menor, em parte evitável, se o governo, principalmente o Ministério da Economia, irrigasse a economia com recursos que azeitassem o seu funcionamento em patamares pelo menos de sobrevivência. Este deveria ser o papel de um Estado que compreendesse e aceitasse sua função de estimulador da atividade econômica em momentos de grave crise. Não é o caso do Ministério da Economia dirigido por Paulo Guedes, de orientação liberal e preocupado, acima de tudo, com o desequilíbrio fiscal sensível que herdou de governos anteriores. Claro, o governo ofereceu recursos às empresas e à população, mas insuficientes, boa parte dos quais ficou empoçado nos bancos, eternamente preocupados com a inadimplência, e chegaram à ponta, a quem deveria recebê-los, lentamente, quando chegaram. Numa crise como a atual, um governo deveria fazer um balanço entre o que é mais importante e urgente para a sociedade e o que é administrável com políticas de longo prazo. O equilíbrio fiscal ou o combate à COVID-19?

Cidade do Rio de Janeiro flexibiliza medidas de isolamento socialO auxílio emergencial foi criado para socorrer trabalhadores informais durante a pandemia. Foto: Leonardo Sá/Agência Senado

Como efeitos colaterais graves, é preciso registrar o desmonte do Ministério da Saúde, órgão gestor e gerador de imprescindíveis políticas públicas, especialmente do SUS, que é o sustentáculo do atual combate à pandemia, de norte a sul do Brasil. Qual a perspectiva de reconstrução desse órgão vital para a saúde pública no Brasil quando os especialistas da área foram afastados e não há sinais de que profissionais do ramo voltem a ter espaço em seus quadros, especialmente os diretivos?

At last but not at least, o que será da educação e da ciência no Brasil? Não foi a COVID-19 que instalou uma séria crise na educação brasileira, ela vem de antes, graças à desimportância que o atual governo dá ao tema, vital para o futuro do país. Os recentes titulares do Ministério da Educação não tinham qualquer intimidade com o tema e se guiavam por dogmas ideológicos retrógrados. Não há perspectiva de melhora.

Nestes tempos de COVID-19, o isolamento aconselhava pesados investimentos num sistema de aulas à distância nos ensinos fundamental e médio, cujo alunato, em sua maioria, é carente de recursos tecnológicos eficientes para acompanhá-lo. Não foi feito com a necessária abrangência, até porque é uma tarefa de grande porte num país com as dimensões do Brasil. Haverá sérias lacunas a preencher quando as aulas forem retomadas.

O esforço e a eficiência das Universidades, especialmente as públicas, na promoção de pesquisas sobre medicamentos, terapias, equipamentos para o combate à COVID-19, deu-lhes uma notoriedade ímpar diante da sociedade brasileira, evidenciando sua importância para a ciência brasileira e o desenvolvimento do país. Parte significativa delas, entre elas a USP, mobilizou seus recursos para o ensino à distância para que a formação dos quadros que dirigirão o país no futuro prosseguisse com o mínimo de prejuízo no momento. Mas dos Ministérios da Educação e da Ciência e Tecnologia não emanou qualquer orientação.

A retomada da vida normal na sociedade brasileira no período pós-pandemia, que não se sabe, ainda, quando e como se dará, é profundamente desafiador, exigirá um grande esforço de reconstrução e renovação em todas as áreas da vida da sociedade. Aprendemos com os acertos e erros cometidos neste período tão perturbador? Sairemos melhor do outro lado?

A resposta está nas mãos de todos os brasileiros.

*Luiz Roberto Serrano é Superintendente de Comunicação Social da USP

fecho

Este artigo foi originalmente publicado pelo Jornal da USP [Aqui!].