Infeliz aniversário e a crise segue instalada na UENF

Há exatamente um ano, a reitoria da UENF realizou uma reunião do Conselho Universitário (principal órgão decisório da instituição) com a intuito de quebrar o regime de Dedicação Exclusiva que rege o trabalho dos professores desde o início de seu funcionamento em 1993 (Aqui!). A desculpa alegada, e depois negada pelos representantes do (des) governo Cabral/Pezão, é que esta seria a única forma de garantir a remuneração de um regime de trabalho que impede o seu exercício legal de qualquer outro emprego ou fonte de renda.

A pergunta que se coloca neste momento, como está a UENF no dia em que essa tentativa de alterar radicalmente o regime de trabalho de seus professores completa seu primeiro aniversário? Podemos começar dizendo que os atuais ocupantes da reitoria não aprenderam nada com seu erro, e acabam de repetir a mesma fórmula com a assinatura de um convênio para militarização da segurança do campus Leonel Brizola sem que uma verdadeira discussão fosse feita sobre a questão. Agora se sabe que quando o assunto foi levado para ser “aprovado” pelo CONSUNI, o convênio já havia sido assinado pelo reitor da UENF. Em suma, os membros do CONSUNI foram basicamente enganados!

Por outro lado, mesmo que haja pessoas que não gostem que se revela a situação dramática em que a UENF se encontra, o fato é que hoje a instituição criada por Darcy Ribeiro e construída por Leonel Brizola se encontra sob um pesado processo de asfixia financeira imposto pelo (des) governador Luiz Fernando Pezão. As dívidas se acumulam e detalhes básicos do funcionamento da instituição não estão garantidos e honrados pelo (des) governo do Rio de Janeiro, em que pese a existência de reservas orçamentárias. Esse processo de asfixia tende a se agravar até as eleições, e sabe-se lá como a UENF vai chegar até o final do ano de 2014!

Mas como a atual reitoria vai ainda estar a cargo de administrar a UENF até o final de 2015, é preciso que se diga que a situação que já é ruim poderá se agravar ainda mais. É que confrontados com sua incapacidade de gerir a instituição, muitos dos atuais gestores estão preocupando mais com o “Day After” de uma possível vitória da oposição do que conseguir resolver problemas candentes que hoje emperram o funcionamento de uma universidade que teima em continuar prestando seus serviços e contribuindo para o processo de desenvolvimento regional. E aqui uma nota curiosa é que, como se nada disso estivesse ocorrendo, a movimentação para formar candidaturas já está em curso.  E numa prova que as idiossincrasias que acompanham eleições normais já chegaram na UENF, tem gente que sempre esteve junto com a reitoria se preparando para lançar candidaturas “alternativas”, provavelmente para tentar manter “tudo como dantes no Quartel de Abrantes” a partir de 2016.

 

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s