Que cidade será o RJ pós Olimpíadas? Certamente não mais democrática

Tive a oportunidade de visitar Londres pouco mais de 60 dias antes dos Jogos Olímpicos de 2012 e observei cenas de encerramento de trabalhos de modificação de ruas e praças e que ocorriam de forma urgente, mas com jeito de que iriam estar prontas antes do “D”, o da abertura do megaevento esportivo.

Passados quatro anos me vi caminhando no centro da cidade do Rio de Janeiro que também deverá abrir em breve mais uma edição deste megaevento após gastos bilionários que comprometerão a saúde financeira do município e do estado por várias décadas.  Uma primeira constatação é de que as mesmas cenas de urgência se repetem com trabalhadores fazendo um esforço dobrado para completar obras, que dificilmente estarão prontas até o dia de abertura dado que paira uma injustificada (ao menos dado os preços das obras) aparência de completa improvisação.

Mas mesmo naqueles pontos em que as obras avançaram deu para notar que uma mudança capital no tecido urbano da cidade do Rio de Janeiro está emergindo e não é bom. Falo aqui da destruição de diversas singularidades que marcam a história da cidade para torná-la uma espécie de imitação cara das capitais européias.  E isso começa pelas obras na área do chamado “Porto Maravilha” e alcançam até as áreas de trânsito do VLT.

20160628_161704

O que parece estar em curso no centro do Rio de Janeiro é um processo de fechamento aos circuitos lentos de interação pessoal para um rápido onde se materializa a supremacia do grande capital internacional.

Apesar de eu não ser o primeiro a falar nesse “legado” dos megaeventos esportivos especificamente sobre a cidade do Rio de Janeiro, visto que pesquisadores como Gilmar Mascarenhas, professor e pesquisador da UERJ, e Carlos Vainer, professor e pesquisador da UFRJ, já vem tratando a mais tempo das mudanças nem sempre positivas que os megaeventos causam.  Nesse sentido, sugiro que assistam a um depoimento do prof. Vainer no programa Juca Entrevista do jornalista Juca Kfouri  (Aqui!)

Entretanto, enquanto alguém que transitou a pé pelo centro do Rio de Janeiro por mais de uma década entre os anos 1980 e 1990, posso já dizer que todo o dinheiro gasto nas supostas melhorias urbanísticas não serviu para democratizar a circulação ou acesso e, provavelmente, o que resulta dessas intervenções não será melhor para a população carioca. Os grandes ganhadores serão, sem nenhuma dúvida, as empreiteiras e as corporações financeirase, por que não, o Comitê Olímpico Internacional (COI).

Os Jogos ainda nem começaram, mas não hesito em dizer:  que triste legado!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s