As ameaças sobre a Uenf vão muito além dos que seus inimigos querem que vejamos

uenf

A Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) passa hoje por um sufoco inédito em sua história de 24 anos, fruto da política de asfixia financeira que vem sendo deliberadamente imposta pelo (des) governo Pezão. Os efeitos desse sufoco que já dura mais de 2 anos são os mais variados possíveis, mas permanecem invisíveis para a maioria das pessoas que não vivenciam o seu cotidiano. Aliás, arrisco a dizer que nem para um número significativo de pessoas que experimentam os efeitos da política de extermínio impetrada por Luiz Fernando Pezão, as condições críticas que estão afetando o funcionamento da Uenf ficam suficientemente claras.

Apenas à guisa de rápidos exemplos, posso mencionar o fato de que se alguém quiser se comunicar via telefone dentro do campus Leonel Brizola, essa pessoa terá que usar seu próprio aparelho. É que após um defeito catastrófico, a central telefônica parou de funcionar e depois de mais um mês, não há qualquer sinal de que será consertada.  Mas se não há telefone, há sempre a via da comunicação via internet, certo? Errado! É que também a rede interna está funcionando a passo de tartaruga (de pata quebrada, grifo meu) e usar a internet se tornou um exercício de completa paciência. Já está ruim o suficiente? Tentemos verificar como andam o processo de manutenção de aparelhos milionários que seguram pesquisas de ponta. Aí se verificará que a cada dia que passa, uma dessas máquinas é desligada porque foi atingida por algum defeito banal, mas que inviabiliza a sua operação e, por consequência, o andamento de alguma pesquisa importante. Não bastasse essas dificuldades operacionais, quase todos os dias se detectam roubos de equipamentos e atos de vandalismo que comprometem a infraestrutura. Nem as tampas de bueiro escapam disso, visto que os ladrões já verificaram que é só entrar e pegar o que quiserem, já que inexiste qualquer tipo de estrutura de segurança que possa proteger o patrimônio público da Uenf.

Em suma, se somarmos os três exemplos básicos acima, podemos dizer sem medo de errar que a Uenf está sendo lentamente levada à insolvência. E isso, friso, faz parte de um projeto deliberado de destruição da condição de instituição pública e gratuita voltada para a formação de capital social e criadora de conhecimento estratégica que sintetiza a existência da Uenf desde a sua fundação em 1993.

Então por que toda a narrativa oficial que envolve a Uenf reduz os seus problemas se reduz à culpar a greve dos professores pela alteração da normalidade institucional? Isso se deve por uma combinação de esforços dos inimigos internos e externos da Uenf que espertamente isolam a greve dos professores (esquecendo, inclusive, que os servidores técnicos também estão realizando o mesmo tipo de movimento) do contexto em que ela se dá, de forma a pressionar os docentes para que continuem trabalhando sem que seus salários sejam pagos. Essa é uma tática esperta que tenta colocar a culpa em quem resiste contra o desmanche em curso.  De quebra, se paralisa toda a reação que deveria estar sendo feita para pressionar o (des) governo Pezão para que encerre o cerco financeiro que tem feito contra a Uenf.

Em meio a essa conjuntura, outro elemento que complica toda a situação é o inevitável sentimento de desânimo que se abate sobre quem está acumulando dívidas pessoais, enquanto tenta manter algum tipo de normalidade nas atividades que vão além do oferecimento de aulas. É que até recentemente eram os salários dos docentes que estavam suprindo a ausência das verbas negadas pelo (des) governo Pezão. Agora com o confisco salarial que já alcança novamente quase 4 meses, muito professores estão tendo que se preocupar com coisas mais essenciais como o pagamento da escola de seus filhos, o plano de saúde e a mensalidades de seus empréstimos da casa própria e por ai vai.  Arrisco-me ainda a dizer que brevemente assistiremos ao início de um êxodo de profissionais de determinadas áreas em direção ao exterior. Essa fuga de cérebros está se tornando quase inevitável a cada dia que passa frente ao cerco montado por uma combinação de ações entre os (des) governos de Michel Temer e Luiz Fernando Pezão e deverá atingir áreas estratégicas dentro da Uenf e de muitas outras universidades brasileiras.

Se alguém me perguntar se há uma fórmula que possa impedir o assassinato de uma jovem instituição como a Uenf, eu responderia que na vida só não há saída para a morte. Entretanto, não me parece que haja uma saída fácil que possa magicamente nos retornar rapidamente a uma situação de conforto. É que os inimigos das universidades públicas são numerosos e, neste momento, estão com as rédeas do processo nas mãos.  Dito isso, para que seja possível começar a formular estratégias de saída, há primeiro que se reconhecer a complexidade do problema e suas múltiplas facetas. Passada esta fase de reconhecimento nos restará continuar o processo de resistência em curso, de preferência com o uso de ferramentas de arregimentação de aliados que extrapolem os limites conhecidos. É que numa condição tão precária, a primeira coisa que precisaremos fazer é vencer preconceitos e buscar aliados onde eles estiverem.

Finalmente, há que ficar claro o papel que a Uenf ocupa e deve continuar ocupando para colocar o Norte Fluminense no rumo de saídas estratégicas para a dependência econômica dos royalties do petróleo.  Sem a Uenf e as demais instituições públicas de ensino superior que existem na região, o futuro continuará sendo uma mera reprodução do presente e do passado que precisamos superar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s