Cantar o hino à la francesa: um possível caminho para os anos que se abrem no Brasil

gilet jaunes

Arco do Triunfo ocupado e pichado com a frase “Os coletes amarelos triunfarão”. De quebra, um lembrete para Emmanuel Macron do filósofo Michel de Montaigne (1533-1592): “Mesmo no mais alto trono do mundo, ainda estamos sentados sobre o nosso rabo”. 

Diga o que se dizer dos franceses, mas eles têm uma clara tradição de ligar patriotismo às lutas pelos seus direitos, em vez de tornar patriotismo em uma razão para aceitar comodamente a subtração daquilo que foi duramente conquistado.

Uma demonstração disso está no vídeo abaixo quando os chamados “gilets jaunes” ou “coletes amarelos” se preparavam para mais uma rodada de enfrentamentos nas proximidades do “Arco do Triunfo” com as forças policiais que tentam reprimir com violência os protestos contra os aumentos  abusivos nos combustíveis que foi determinado pelo governo de Emmanuel Macron.

Para quem não conhece o refrão do início francês que o “gilets jaunes” entoavam quando o “pau quebrou”, o mesmo diz “Às armas, cidadãos”. Pelo jeito, na França, os trabalhadores levam o seu hino à sério.

E o que isto nos diz? Que talvez seja a hora de se levar o hino nacional brasileiro à sério, especialmente e especificamente no que deveria representar para os direitos dos trabalhadores.

 

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s