O Tsulama de Brumadinho expõe o ministro do Meio Ambiente condenado por favorecer mineradoras

ricardosalles_e_jairbolsonaro-780x440

O  presidente Jair Bolsonaro manteve Ricardo Salles no cargo de ministro do Meio Ambiente, apesar de sua condenação por favorecer mineradoras. O Tsulama da Vale em Brumadinho poderá mudar a situação.

Tanto o presidente da república Jair Bolsonaro e seu vice, o general Hamilton Mourão, estão tentando se desvencilhar das responsabilidades do Tsulama da Vale que irrompeu hoje no município de Brumadinho levando algo em torno de 13 milhões de metros cúbicos de rejeitos da mineração de ferro no sentido do Rio Paraopeba, um afluente do Rio São Francisco.

Em declaração à imprensa, o general Hamilton Mourão teria dito que o governo não pode ser culpado pelo rompimento da barragem em Brumadinho (MG). Segundo, a Folha de São Filho, o vice-presidente teria dito que “Essa conta não pode vir para a gente, porque nós assumimos há 30 dias“.  De quebra, Mourão teria dito que a Vale é uma empresa privada.

Mas voltando a Jair Bolsonaro, segundo informa o site UOL, ele teria criado dois gabinetes de crise para responder às consequências do Tsulama da Vale em Brumadinho, e ter ainda determinado que os ministros do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, e Minas e Energia, almirante Bento Albuquerque, e o secretário Nacional de Proteção e Defesa Civil, Alexandre Alves, se deslocassem para a região.

Ainda segundo o UOL, Jair Bolsonaro teria informado que  ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, também está a caminho de Minas Gerais para acompanhar “in loco” os desdobramentos do Tsulama da Vale em Brumadinho. E é justamente no ministro de Meio Ambiente que a porca torce o rabo.  É que Ricardo Salles foi condenado na justiça por improbidade administrativa, por ter sido considerado culpado de favorecer empresas de mineração ao alterar ilegalmente mapas de zoneamento do plano de manejo da Área de Proteção Ambiental (APA) do Rio Tietê, que envolve 12 municípios da região metropolitana de São Paulo, inclusive a capital.

Assim, além de ser irônico de ter um condenado por improbidade administrativa na condição de ministro do Meio Ambiente,  Jair Bolsonaro agora é obrigado a mandá-lo para, digamos, o “battle front” criado por um grave incidente ambiental causado pela maior mineradora brasileira.

Eu não me surpreenderia se Ricardo Salles acabar sendo sacrificado para tentar melhorar uma imagem que já apresenta sérios arranhões com menos de 30 dias de governo.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s