Diretor do Inpe dá exemplo de como agir em tempos de negação da ciência

Galvao-x-Bolsonaro_00165314_0

Confrontando por Jair Bolsonaro por causa dos dados de desmatamento na Amazônia, o presidente do Inpe classificou as declarações presidenciais como sendo pusilânimes e covardes.

Confrontando com as declarações do presidente Jair Bolsonaro dando conta que os dados divulgados sobre o desmatamento da Amazônia seriam “mentirosos“, o presidente do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), professor titular da Universidade de São Paulo (USP) e membro da Academia Brasileira de Ciências,  o engenheiro com doutorado em física Ricardo Magnus Osório, usou de semelhante contundência para dizer que as declarações presidenciais seriam pusilânimes (i.e., eivadas de vulnerabilidade moral) e covardes. Além disso, Magnus Osório ainda disse que as declarações de Jair Bolsonaro eram equivalentes a um papo de botequim.

Além de posicionar em campo moral mais elevado, Ricardo Magnus Osório lembrou que os dados do Inpe são a maior série histórica sobre registros de sensoriamento remoto em florestas tropicais, remontando ao início da década de 1970; sendo por isso uma referência mundial em estudos sobre mudanças na cobertura da terra. 

Aliás, a alta qualidade da ciência produzida pelos pesquisadores do Inpe está demonstrada nos milhares de artigos científicos, relatórios técnicos, dissertações de mestrado e teses de doutorado que usaram os dados gerados pelo Inpe. Essa repercussão extrapola faz muito tempo os limites das fronteiras brasileiras. Bastaria a algum assessor (talvez o “impoluto” Onyx Lorenzoni) realizar uma rápida busca no Google para que o presidente do Brasil não estivesse sendo agora motivo de piadas desairosas em nível mundial por causa das declarações de botequim sobre a ciência produzida por uma das jóias preciosas da ciência brasileira.

Confrontado com as declarações de Ricardo Magnus Osório de que gostaria de um encontro “frente a frente” para esclarecer eventuais dúvidas sobre os dados do desmatamento da Amazônia, o presidente Jair Bolsonaro fez o que sempre faz quando se defronta contra um oponente que não pisca diante dele, empreendeu um recuo que tem a aparência de um avanço. É que perguntado pela imprensa sobre a crise com o Inpe, Jair Bolsonaro afirmou duas coisas em relação às declarações ao que disse. A primeira é que enviaria o seu ministro da Ciência Tecnologia, o “astronauta”  Marcos Pontes ou talvez o do Meio Ambiente, o improbo Ricardo Salles, para conversar com o presidente do Inpe.

A segunda declaração de Jair Bolsonaro foi de reclamar de que a divulgação dos dados de desmatamento estariam prejudicando a imagem externa do Brasil. De quebra, Bolsonaro renovou suas dúvidas sobre a validade dos dados gerados pelo Inpe, dizendo que os mesmos se pareceriam muito com os do ano passado (o que é verdade). Aqui o caso é de um atirador que tenta matar o mensageiro por não gostar da mensagem que ele carrega. É que o que verdadeiramente prejudica o Brasil neste momento e por décadas que ainda virão é o ritmo acelerado de desmatamento que está ocorrendo na Amazônia, sob a aprovação tácita do governo Bolsonaro que desmanchou as estruturas de governança e prejudicou fortemente as operações de comando e controle que continham a sanha dos saqueadores das riquezas naturais na Amazônia.  

desmatamento

Os dados do desmatamento na Amazônia que tanto irritaram Jair Bolsonaro fazem parte da maior série histórica existente no mundo sobre florestas tropicais.

O grande engano do presidente Jair Bolsonaro é pensar que atacando o Inpe ele estará resolvendo o problema que suas políticas de economia de fronteira estão criando na Amazônia. Pelo contrário, o Inpe é uma instituição que apesar de ser vista como cientificamente independente sempre agiu de forma pragmática para não ferir os interesses econômicos e políticos brasileiros. Se houver uma degradação da capacidade de ação do Inpe, com certeza sobressairão os estudos de organizações internacionais que possuem igualmente bases de dados robustos sobre desmatamento, e que as usarão para defender melhor determinadas posições que não sejam as do Brasil. Esse é um fato tão fácil de medir quanto o desmatamento que os garimpeiros, madeireiros e latifundiários que votaram em Jair Bolsonaro estão causando na Amazônia.

Reitero mais uma vez a necessidade de que se faça uma ampla defesa da autonomia científica dos pesquisadores do Inpe. É que nessa defesa repousa a capacidade de toda a comunidade científica brasileira continuar produzindo ciência de forma autônoma.  Nesse sentido, são positivas as notas da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência e da Sociedade Brasileira de Física apoiando o Inpe e seu corajoso diretor. Entretanto, esse movimento de solidariedade deve ser generalizado, independente dos campos do conhecimento. O que está posto na mesa é o futuro da ciência nacional, ainda que reverberado a partir de um discurso que parece papo de botequim.

Finalmente, quero apontar que a postura do presidente do Inpe de responder de forma pronta e papas na língua ao ataque que ele e os pesquisadores receberam de Jair Bolsonaro deveria ser o modus operandi enquanto durar esse governo que opera para amedrontar e calar os que são percebidos como críticos e, em muitos casos, são apenas portadores de verdades que são inconvenientes aos poderosos de plantão.

 

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s