Cidades capixabas são devastadas novamente por chuvas intensas. O que fará o governador Casagrande?

chuvas intensasDiversas cidades capixabas estão novamente debaixo da água trazida por chuvas extremamente intensas que caíram nas últimas 48 horas, repetindo um cenário de destruição que já havia ocorrido em janeiro de 2020 (ver vídeo produzido ontem na cidade de Alfredo Chaves).

Como moro em um município limítrofe com o estado Espírito Santo e também orientei diversos trabalhos acadêmicos realizados por estudantes capixabas no âmbito de dois programas de pós-graduação da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf), não posso dizer que estou surpreso com o ritmo da devastação que seguidos eventos climáticos extremos estão ali causando.

O fato é que o Espírito Santo reúne vários elementos que contribuem para que haja uma potencialização da destruição. Desde a configuração do seu relevo, passando pelo intenso desmatamento da Mata Atlantica, até a configuração segregada da maioria das suas cidades, a verdade é que o Espírito Santo é uma espécie de vítima preferencial dos novos padrões meteorológicos que acompanham as mudanças climáticas. É como se o estado governado pelo castelense (i.e.; nascido no município de Castelo) Renato Casagrande tivesse sido alçado a ser um exemplo primário do que as mudanças climáticas podem trazer em termos de devastação humana e ambiental.

es caos

Trânsito caótico na cidade de Cachoeiro do Itapemirim em função das chuvas ocorridas nas últimas 48 horas.

Falando em Renato Casagrande, é interessante notar que sua cidade natal tem sido palco de eventos impressionantes de inundação a partir da elevação das águas do rio Castelo. Mas aparentemente nem a repetida destruição do lugar onde nasceu está fazendo com que o governador capixaba tome as medidas urgentes que a ocorrência repetida de eventos climáticos extremos requer. 

Como sei disso? Para mim bastou olhar o sítio oficial da Secretaria Estadual do Meio Ambiente (Seama) do Espírito Santo para notar a inexistência de projetos ou programas direcionados a planejar e organizar medidas de curto, médio e longo prazo no sentido de promover a adequação da ação do estado em face das mudanças climáticas e das agudas transformações que as mesmas trarão sobre o território capixaba. É como se as chuvas devastadoras não tivessem um padrão que foi previsto pela comunidade científica, e que os habitantes das cidades devastadas tivessem apenas que esperar que o pior não se repita tantas vezes em tão curto espaço de tempo.

O trágico é que o despreparo do Espírito Santo não é exceção, mas sim a regra entre a maioria dos governadores brasileiros. Não há ainda qualquer resposta organizada para aprender o que a ciência já descobrir e transformar as informações científicas em políticas de governo para enfrentar as mudanças climáticas. O pior é que sequer as medidas paliativas estão sendo tomadas, e não é raro que prefeitos como Marcelo Crivella (Rio de Janeiro) ou governadores como João Dória  (São Paulo) retirem verbas destinadas a combater enchentes e deslizamentos para usá-las em propagandas dos (mal)feitos de suas administrações.

Mas ser regra e não exceção não livrará Renato Casagrande de suas responsabilidades em termos de enfrentamento dos múltiplos gatilhos que estão para ser detonados pelos repetidos eventos climáticos que estão infringindo muita dor e devastação no Espírito Santo. A verdade é que, para o bem ou para mal, o território capixaba está se tornando um laboratório a céu aberto para testar a resiliência governamental em face das mudanças climáticas. A palavra está agora com Renato Casagrande.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s