Capitalismo precário dá as condições ideais para o coronavírus aumentar sua letalidade

covid precariado

Muita tinta tem se gasto para imprimir artigos científicos e livros sobre os impactos da financeirização do Capitalismo neste início de Século XXI.  Uma quantidade menor de publicações trata da questão da precarização das relações de trabalho, e me lembro imediatamente do excelente “O privilégio da servidão” do sociólogo e professor da Unicamp, Ricardo Antunes.

Para mim, a eclosão da COVID-19 oferece uma chance espetacular de revisitarmos a situação do Capitalismo e dos efeitos da precarização das relações de trabalho na piora significativa das condições de vida da maioria da Humanidade que vive de vender sua força de trabalho.  É que a precarização da maioria tem servido apenas para um enriquecimento exponencial de uma fração específica dos capitalistas, que são os donos de bancos e daqueles que vivem de apostar nos múltiplos cassinos do rentismo globalizado.

Se olharmos de perto a forma pela qual a COVID-19 está a devastar sem dar um tiro sequer a maior potência militar que a Terra já conheceu, não poderíamos entender como os EUA estão desabando com um castelo de cartas, se não olhássemos de perto a extrema precarização das condições de vida da classe trabalhadora estadunidense, que em menos de 30 dias de crise já assistiu a uma perda de pelo menos 16 milhões de postos de trabalho, a maioria deles precarizados.  Por cima disso, o que se vê são filas quilométricas de carros que são conduzidos por desempregados, e que estão se dirigindo para pontos de distribuição de alimentos.  Essas filas são o maior testemunho do desabamento do capitalismo precarizado “Made in USA”.

car lines

Mais de dois milhões de pessoas na Califórnia pediram subsídios de desemprego desde meados de março, quando o coronavírus começou a se espalhar rapidamente pelos EUA. 

Mas e o Brasil nessa situação toda? Como já abordei em outras postagens, vivemos, como bem demonstra Ricardo Antunes na obra acima citada, um reinado absoluto da precarização. A opção por precarizar é tal ordem que desde o golpe parlamentar que derrubou Dilma Rousseff em 2016 está em curso uma operação desmanche da Consolidação das Leis de Trabalho (CLT) cujos únicos resultados palpáveis têm sido a perda de massa salarial e o aumento no número de desempregados.

Essa sanha precarizadora não foi detida sequer pela COVID-19, pois em plena madrugada, a Câmara de Deputados aprovou a MP 905 com a qual o governo Bolsonaro pretende implantar a chamada “Carteira Verde e Amarela“,  que na verdade é uma mini contrarreforma trabalhista que se concentra em diminuir direitos trabalhistas e aumentar o poder dos patrões sobre a classe trabalhadora.

arton33211

No meio da pandemia, governo Bolsonaro opera para precarizar ainda mais os direitos dos trabalhadores brasileiros

A precarização das relações de trabalho, entretanto, é apenas uma das faces do estabelecimento de uma versão precarizado do capitalismo dependente brasileiro.  É que nessa nova faceta do capitalismo no Brasil, a classe capitalista está operando para precarizar não apenas os serviços públicos para transformá-los em mercadoria, como também se volta para reprimarizar completamente a economia brasileira. A combinação dessas precarizações é que resulta na opção de deixar muitos morrerem por causa da COVID-19, em vez de realizar todas as ações possíveis para minimizar o número de óbitos.

É por causa desse somatório de precarizações que, muito provavelmente, teremos os EUA e o Brasil como os líderes mundiais de casos de infecção e mortes causados pelo coronavírus. A única forma disso não acontecer será multiplicar as ações de base que já estão acontecendo nesses dois países, onde movimentos sociais e ativistas independentes estão organizando a resistência ao coronavírus dentro dos maiores bolsões de precarizados, que são as periferias urbanas.  Essas experiências podem não apenas reduzir a letalidade do coronavírus, mas também pavimentar o caminho para que haja uma resistência efetiva ao processo de precarização da vida que as elites econômicas adotaram para acumular a maior parte riqueza gerada pelos trabalhadores.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s