Queda econômica sem precedentes no Brasil, em meio a uma crise política e de saúde

Os economistas preveem uma queda no PIB de até 10%, e a situação não está prestes a melhorar: o país está prestes a se tornar o principal foco da epidemia causada pelo coronavírus.

le monde 1Em frente a uma loja, no Rio de Janeiro (sudeste do Brasil), 2 de junho. OLIVARES / REUTERS PILARES

Por Bruno Meyerfeld (Rio de Janeiro, correspondente) para o Le Monde

O Brasil não está perto de uma crise. Atingido com força pela pandemia da COVID-19, assolado pelas convoluções políticas de seu presidente, Jair Bolsonaro, o gigante sul-americano também deve enfrentar um colapso econômico de gravidade sem precedentes.

A perspectiva é muito sombria: o Ministério da Economia conta agora com uma queda no produto interno bruto (PIB) de 4,7% em 2020. Previsões dramáticas, mas que parecem muito otimistas para a maioria dos institutos de pesquisa e economistas. Eles prevêem uma queda de 6% a 10% da riqueza nacional este ano: uma recessão nunca registrada na história do Brasil.

A onda da COVID-19 causou uma desaceleração geral da economia, em especial após as medidas de restrição impostas pelas autoridades locais, prefeitos ou governadores, que fecharam, desde meados de março, a maioria das lojas e atividades não essenciais. Estes fechamentos foram particularmente rigorosos no Estado de São Paulo, epicentro da epidemia e pulmão econômico do país, que gera um terço do PIB nacional.

“Mal se recuperou da grande recessão de 2016-2017”

Ainda faltam dados oficiais para saber o impacto exato da pandemia no desemprego e na pobreza. Mas já em meados de maio, a muito séria Fundação Getulio Vargas (FGV) publicou números preocupantes: segundo ela, 40% das empresas do comércio, indústria, serviços e a construção já foi forçada a demitir todo ou parte de seu pessoal por causa da crise. Mais de uma em cada duas famílias viu um de seus membros afetado pelo desemprego ou uma queda nos salários. Quase oito em cada dez brasileiros hoje dizem que limitam suas compras a bens essenciais.

A única medida verdadeiramente forte e emblemática adotada pelo poder de extrema direita de Jair Bolsonaro é a ajuda de emergência mensal de R$ 600 (109 euros)

A situação é ainda mais difícil, pois a crise atinge um país ” mal recuperado da grande recessão de 2016-2017, com alto desemprego, acima de 11%, e desigualdades muito profundas, onde dois terços da população vivem na pobreza ou na precariedade ”, insiste Monica de Bolle, economista e professora da American Johns-Hopkins University. Acima de tudo, segundo ela, “o  Brasil infelizmente é liderado por um governo passivo, que negou semanas durante a severidade da pandemia, bem como seu impacto na economia e que reage hoje de maneira totalmente improvisada”. .

A única medida verdadeiramente forte e emblemática adotada pelo poder de extrema direita de Jair Bolsonaro é a ajuda de emergência mensal de 600 reais (109 euros), hoje paga, segundo as autoridades, a quase 60 milhões Brasileiros desempregados ou trabalhando no setor informal. “Mas o governo adotou com relutância essa medida, sob pressão da sociedade civil e do Parlamento. Hoje, ele não tem mais nenhum projeto estruturado sobre como ajudar a economia a lidar com a recessão “ , denuncia Monica de Bolle. O Ministério da Economia também anunciou, terça-feira, 9 de junho, que o auxílio emergencial seria pago por mais dois meses, mas por um valor reduzido pela metade (apenas R$ 300).

As caixas estão esvaziando

A situação não está prestes a melhorar: enquanto grande parte do planeta vive no momento do desconfinamento, o Brasil está no caminho de se tornar o principal centro ativo da epidemia, com quase 40.000 mortos e 772.000 casos identificados até 10 de junho, segundo dados oficiais. Ameaças de demissão ou golpe de estado pairando sobre o país provavelmente não tranquilizarão os investidores. Segundo a Reuters, o investimento direto no país foi interrompido em abril: apenas US $ 234 milhões (207,8 milhões de euros), o pior resultado mensal desde 1995.

O governo brasileiro, portanto, terá que enfrentá-lo sozinho, enquanto as caixas estiverem vazias. Um estudo publicado pelo jornal Folha de S. Paulo e coordenado pelo renomado economista Marcos Lisboa prevê um déficit recorde nas contas públicas para 2020, superior a 1,2 trilhão de reais, e uma dívida que, sem dúvida, deve explodir e exceder a barra simbólica de 100% do PIB (contra 76% antes da crise).

A recuperação será lenta, muito lenta mesmo

Para piorar a situação, uma luta opõe dois campos no topo do estado sobre o procedimento a seguir. Por um lado, o ministro ultraliberal da Economia Paulo Guedes, que gostaria de desregular ainda mais o mercado de trabalho e buscar um vasto plano de privatização. Por outro lado, a ala militar, representada por Walter Braga Netto, ministro-chefe da Casa Civil (equivalente ao chefe de gabinete do presidente), que milita a favor de um grande programa de investimentos em infraestrutura , concebido como um “plano marechal brasileiro”, e estimado em 300 bilhões de reais.

No momento, Jair Bolsonaro concordou com seu ministro da Economia. “Um homem decide a direção da economia no Brasil: o nome dele é Paulo Guedes” , disse ele no final de abril. Desde o início da crise, o chefe de Estado negou a gravidade da pandemia e pediu uma reabertura total da economia. Após semanas de conflitos com prefeitos e governadores, ele parece estar no caminho certo para vencer sua aposta: diante da extensão da recessão, vários estados, incluindo São Paulo e Rio de Janeiro, começaram uma recuperação gradual dos negócios e atividades não essenciais.

Tudo isso, no entanto, não significa o retorno do crescimento, longe disso. A recuperação será lenta, muito lenta esmo. Mesmo que a pandemia diminuísse, o Brasil não retornaria à sua situação pré-coronavírus (já muito sombria …) por vários anos. Até o final de seu mandato, em 2022, Jair Bolsonaro poderia, portanto, ser reduzido a ter que gerenciar a crise. Uma pena para um homem que se gabava de “não entender nada” sobre a economia.

Este artigo foi escrito originalmente em francês e publicado pelo jornal Le Monde [Aqui!].

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s