A Inglaterra, que já vacina, decide fazer um lockdown radical contra a COVID-19. E o Brasil de Bolsonaro? Nada!

england

Em que pese o Reino Unido já ter começado o seu processo de vacinação em massa contra a COVID-19, o  primeiro ministro conservador (isto é, de direita) Boris Johnson declarou hoje medidas de lockdown que são as mais extremas desde março de 2019.  As razões para a adoção de medidas que envolvem a permissão de sair de casa apenas uma vez por dia para a maioria dos ingleses por um período de, pelo menos sete semanas, são o espalhamento acelerado da pandemia, a elevação do número de mortos, e o ainda processo ainda relativamente lento de vacinação.

Já no Brasil, que ainda não possui um calendário real para iniciar o seu processo de vacinação (aliás, o governo Bolsonaro sequer conseguiu garantir a compra da quantidade de seringas que seria necessária para garantir o uso das vacinas quando elas forem finalmente liberadas para aplicação), tudo continua ao “Deus dará”, sem medidas reais de confinamento social, e com um presidente da república que continua objetivamente incentivando processos de grande aglomeração, com resultados que são mais do que previsíveis, mas que incluem a elevação do número de pessoas contaminados e do número de mortos pela COVID-19.

Enquanto isso, vejo os partidos políticos (sem distinção de viés ideológico) se ocupando da disputa pelo controle das mesas diretoras da Câmara de Deputados e do Senado Federal, como se nada estivesse ocorrendo de anormal no Brasil, e como se os problemas reais dos brasileiros se concentrem apenas em uma suposta defesa de uma democracia que, no nosso caso, é meramente formal.

Já escrevi antes e repito agora: a questão política central neste momento é obrigar o governo Bolsonaro a reverter a sua opção fiscalista de sabotar a adoção de um massivo processo de vacinação da população brasileira, o que além de fazer sentido do ponto de vista sanitária, é a única forma de colocar o país em um movimento de mudança política progressiva. 

fotojet-2021-01-01t163846.804

Enquanto isso não ocorrer, o presidente Jair Bolsonaro poderá continuar tranquilamente com suas performances, seja na praia ou no campo, pois continuará imune à qualquer pressão política real. Afinal de contas, seja quem vencer a eleição da Câmara de Deputados, Baleia Rossi ou Arthur Lira, o governo Bolsonaro continuará controlando a agenda política, impondo ainda mais derrotas e regressões aos trabalhadores brasileiros.

Aos leitores do blog, renovo a minha insistência que aumentem suas medidas de autoproteção (incluindo as medidas de isolamento, uso de máscaras e de asseio pessoal).  É que no imenso Deus dará que está estabelecido no Brasil, não é possível se dar ao direito ao descuido.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s