Prefeito Wladimir, um lockdown “bem meia boca” não resolverá o problema

meia-boca

Em face do avanço desenfreado dos casos de COVID-19 no município de Campos dos Goytacazes, o prefeito Wladimir Garotinho promulgou o Decreto 090/2021, onde notadamente está ausente qualquer menção à palavra “lockdown” ou palavra equivalente na língua portuguesa. As razões para isso aparentemente são múltiplas, indo desde a preocupação com os comerciantes locais até algum tipo de estranhamento com o governador em exercício do estado do Rio de Janeiro, o Sr. Cláudio Castro, e seu padrinho político, o senador Flávio Bolsonaro (PSL/RJ).

Mas ao ler o conteúdo do Decreto Municipal 090/2021 acabei concordando que a ausência do termo “lockdown” é até coerente, pois o que está expresso nos 12 artigos em que o mesmo se compõe não chega nem perto de ser o tipo de isolamento social que a situação requer.  Há até a incrível autorização para a continuação das reuniões em templos religiosos, ainda que restritos a 30% da frequência possível, o que, convenhamos, dificilmente vai ser monitorado.

O problema é que com a manutenção dos cultos religiosos, outros setores que estão mais atingidos pelo Decreto 090/2021 vão se sentir propensos a ignorá-lo, mesmo que funcionem com portas baixadas, já que sabem que quem baixa uma legislação como essa, dificilmente vai se colocar em campo para fazê-la cumprir. É aquela coisa do “me engana que eu gosto”.

A tragédia disso tudo é que sem um lockdown real que estabeleça medidas realmente duras para controlar o movimento de pessoas, a COVID-19 continuará seu passo mortal em nossa cidade. Se o prefeito Wladimir Garotinho estivesse mesmo afim de controlar o avanço da pandemia, o exemplo que seguiria seria o do prefeito de Araraquara, Edinho Silva, que adotou regras estritas de confinamento social e, com isso, conseguiu zerar a fila de espera para pacientes em sua cidade.

O momento que estamos atravessando requer medidas corajosas e que coloquem a saúde da população acima de todos os outros interesses, a começar os do “necrocomerciantes” que acham que são empresários, mas que não passam de empregados que exploram outros empregados.

A hora em que estamos metidos, muito em parte por causa da sabotagem contra as medidas de confinamento social lideradas pelo presidente Jair Bolsonaro, não tolera “lockdowns bem meia boca”.  O que precisamos, e não estamos tendo, é que realmente somente as atividades essenciais sejam autorizadas, e em horários muito mais restritos do que estão sendo permitidos por meio do Decreto 090/2021.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s