A extração madeireira penetra no núcleo intocado da região amazônica brasileira

Entre agosto de 2019 e julho de 2020, 464.000 hectares foram desmatados. A degradação progressiva da floresta é outro problema que até agora tem sido negligenciado

madeira mtO estado de Mato Grosso respondeu por mais da metade da extração de madeira amazônica. FONTE: ICV

Por Ulrike Bickel para o Amerika21

De acordo com um novo estudo baseado em satélite da rede Simex , a extração ilegal de madeira nas áreas periféricas está penetrando cada vez mais fundo na zona central da floresta amazônica. Uma aliança das quatro organizações ambientais brasileiras sem fins lucrativos Imazon, Imaflora, Idesam e Instituto Centro de Vida (ICV) documentou a extração de madeira em quase todas as partes da Amazônia pela primeira vez. Para tanto, foram mapeados sete dos nove estados brasileiros (Acre, Amazonas, Amapá, Mato Grosso, Pará, Rondônia e Roraima) , dos quais, juntos, vem quase 100% da produção de madeira da floresta tropical.

O mapeamento baseado no rastreamento das árvores derrubadas mostra a extensão da destruição da floresta: entre agosto de 2019 e julho de 2020, 464 mil hectares foram desmatados, uma área três vezes maior que a da metrópole de 21 milhões de habitantes de São Paulo. Mais da metade (50,8%) da exploração madeireira estava no estado de Mato Grosso, seguido por Amazonas (15,3%) e Rondônia (15%), dos quais a maior parte (78%) era de propriedade privada.

A extração de madeira em reservas indígenas (24.866 hectares) e reservas naturais (28.112 hectares) é, de acordo com o estudo do Simex, totalmente ilegal porque é proibida.

Segundo Vinicius Silgueiro, coordenador de monitoramento territorial do ICV de Mato Grosso, quase não existem controles e sanções estaduais para as inúmeras violações. As licenças legais são freqüentemente usadas para disfarçar a extração de madeira em áreas restritas, também conhecidas como “lavagem de árvores”. Segundo Marco Lentini, coordenador-chefe do projeto do Imaflora, o avanço da agricultura industrial do chamado ‘arco do desmatamento’ para o seio da Amazônia deve ser interrompido com urgência. Quanto mais licenças as autoridades emitem para o desenvolvimento da floresta, mais madeira ilegal existe.

O cartão Simex também inclui áreas onde, em março de 2021, a Polícia Federal apreendeu 226 mil metros cúbicos de madeira na fronteira entre os estados do Amazonas e Pará, a maior apreensão de madeira ilegal da história do Brasil. Esta ação foi o gatilho para a demissão do controverso ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles em junho, depois que ele havia exigido uma liberação impune da madeira confiscada.

Já em 2018, o estudo do Greenpeace “Árvores imaginárias, destruição real” destacou a falta de confiabilidade dos sistemas de licença e controle florestal brasileiro, que são suscetíveis a fraudes. Como resultado, há uma deficiência crucial na fraqueza do processo de aprovação de planos de manejo florestal sustentável, antes do qual nenhuma inspeção de campo ou apenas inspeções de campo de baixa qualidade são normalmente realizadas. Os estoques de madeira seriam superestimados ou árvores inexistentes com alto valor comercial seriam incluídas no inventário florestal da área.

De acordo com o Greenpeace, as autoridades estaduais emitiram licenças para a colheita e transporte dessa madeira valiosa inexistente, que na verdade é derrubada ilegalmente em outras áreas em terras indígenas, em áreas protegidas ou em terras públicas.

De acordo com um estudo mais detalhado do Imazon , mais da metade da exploração madeireira no estado do Pará não tinha licença das autoridades ambientais – 20% a mais que no ano anterior. Na maioria dos estados, é quase impossível verificar se é ilegal devido à falta de transparência ou barreiras tecnológicas. Em muitos casos, segundo o ICV, os certificados das atividades florestais legais são apresentados em papel, o que dificulta a correspondência dos dados com as imagens de satélite. Apenas Pará e Mato Grosso já digitalizaram bancos de dados.

Além do desmatamento bem documentado da Amazônia, a degradação contínua das florestas é um grande problema que até agora foi negligenciado e tem efeitos de longo alcance sobre a biodiversidade e o sequestro de carbono. Por exemplo, um estudo científico publicado recentemente na Science pela primeira vez mapeou a degradação de longo prazo para toda a região amazônica brasileira e registrou as causas. Como resultado, no período de 1992 a 2014, a área total afetada foi de 337.427 Km2, em comparação com 308.311 Kmdo desmatamento total. Isso significa que a área destruída pela degradação florestal agora é maior do que pelo desmatamento.

Segundo Silgueiro, a extração legal e ilegal persiste em uma proporção em torno de 60:40. Quanto mais licenças as autoridades emitem para o desenvolvimento da floresta, mais madeira ilegal existe. A fraude de registro só vai parar quando o volume de registro real for estimado e cada árvore for rastreada. Segundo o coordenador do ICV, as tecnologias disponíveis só estão sendo implantadas aos poucos pelos países produtores.

A floresta amazônica é um fator estabilizador decisivo para o clima global e armazena grandes quantidades de gases de efeito estufa. Preservá-lo é fundamental para o combate ao aquecimento global.

Há muito tempo, especialistas e organizações ambientais vêm alertando que a destruição da Amazônia terá consequências catastróficas para o clima global: vários estudos recentes de cientistas brasileiros publicados pelo Projeto de Monitoramento da Amazônia (MAAP) e um publicado na revista Nature mostra que, como resultado do corte e queima, desmatamento e mudança climática, a área passou de um sumidouro de carbono a uma fonte líquida de dióxido de carbono. Uma grande parte da floresta tropical já está emitindo mais gases de efeito estufa na atmosfera terrestre do que absorve novamente.

Os pesquisadores suspeitam que esse desenvolvimento ainda pode ser interrompido no momento se a destruição da floresta tropical for interrompida imediatamente e tudo for feito globalmente para deter o aquecimento global.

Como parceira comercial do Brasil, a Alemanha também é responsável pela compra de grandes quantidades de produtos da destruição da selva, especialmente soja como ração animal para a pecuária local. Mais de 450 organizações da sociedade civil pedem um protesto contra o acordo de livre comércio entre a UE e a aliança econômica Mercosul (Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai), que o governo alemão está promovendo fortemente e que agravaria ainda mais a sobreexploração da Amazonas.

compass

Este texto foi originalmente escrito em alemão e publicado pelo Amerika21 [Aqui!].

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s