Lançamento da Editora Blucher explica a falta de ação frente às mudanças climáticas

“A psicologia das mudanças climáticas” mostra o contraste entre evidências crescentes do caos climático e a preocupação decrescente por parte da população

pessoa-deserto

A ciência vê as mudanças climáticas como caóticas para a humanidade. Então por que há pessoas pouco preocupadas com isso, apesar de o assunto estar na pauta do dia com a COP26? O livro A psicologia das mudanças climáticas , recentemente publicado pela Editora Blucher, reúne as principais conclusões da Psicologia em resposta a esta questão.

Originalmente publicada em inglês (Routledge, 2018), a obra faz parte da coleção A psicologia das coisas, que apresenta ao leitor conhecimentos cientificamente consolidados sobre temas diversos em linguagem clara e acessível.

Em A psicologia das mudanças climáticas, o professor Geoffrey Beattie e a pesquisadora Laura McGuire evidenciam uma contradição eminente: com catástrofes naturais aumentando em frequência e intensidade, cada vez mais pessoas sentem na pele o impacto do caos climático. Ainda assim, poucos se engajam para evitar que a situação se agrave.

Aos olhos da ciência, as mudanças climáticas são alvo de consenso ímpar, assim como o principal contribuinte a seu agravamento: o ser humano. O uso da energia e da terra, o crescimento populacional e os padrões de consumo cotidianos são responsáveis por emissões crescentes de gás carbônico, um dos principais gases responsáveis pelo efeito estufa.

Ações simples, como comer menos carne e reciclar, teriam grande impacto se adotadas. Além disso, a conscientização e a pressão da sociedade sobre governos são importantes para a adoção de medidas e tecnologias que ajudem a diminuir as emissões de gases de efeito estufa. Mas a Psicologia evidencia que a falta de ação envolve crenças culturais, políticas e religiosas fortemente arraigadas, associadas a uma série de vieses presentes em nossas formas de agir no cotidiano.

Questão de viés
A Psicologia distingue dois sistemas cognitivos, distintos e complementares. Um é racional, lógico. O outro, irracional, não costuma ponderar sobre as coisas. Automaticamente, associa ideias diversas, resultando em impressões e sentimentos com grande influência sobre nosso julgamento.

Os autores destacam que muitas campanhas de conscientização falham por depositar sua confiança na racionalidade do ser humano. O problema é que nosso sistema lógico costuma defender as emoções e impressões do sistema irracional. Sem examiná-las, busca argumentos e informações coerentes com as crenças dele originadas, adotando o chamado viés de confirmação.

Há vieses diversos que acompanham este processo. Os vieses espacial e temporal, por exemplo, dizem respeito à crença de que as chances de algo ruim acontecer com alguém em outro lugar ou época seriam maiores do que de acontecer aqui e agora, conosco.

Outro exemplo é o viés de otimismo, que diz respeito às diferentes formas de processar o mundo e são inconscientemente adotadas pelos otimistas. Respostas emocionais muitas vezes nos guiam a crenças errôneas sobre benefícios e riscos de atitudes diversas, com tendência a subestimar o perigo e não tomar atitudes que poderiam preveni-lo.

Então como promover mudanças? Geoffrey Beattie e Laura McGuire trazem a indústria do cigarro à conversa para entendermos as poderosas lições de suas propagandas. A chave pode estar em considerar os lados racional e emocional da mensagem, despertando a emoção certa para que a necessidade de preservar o planeta seja vista como oportunidade, e não sacrifício.

Sobre os autores – Geoffrey Beattie é professor de Psicologia na Universidade Edge Hill. Autor de mais de vinte livros, foi eleito, em 2018, fellow da Royal Society of Arts por sua contribuição à pesquisa sobre mudança social. É supervisor do mestrado no Programa de Liderança em Sustentabilidade na Universidade de Cambridge e professor visitante na Escola Bren de Ciência e Gestão Ambiental na Universidade da Califórnia.

Laura McGuire é assistente de pesquisa em pós-doutorado na Universidade Edge Hill. Ela explora as possíveis barreiras psicológicas que impedem que as pessoas tenham uma vida mais sustentável. Foi assistente de pesquisa na Universidade de Manchester de 2007 a 2011 e trabalhou como assistente de pesquisa no Instituto de Consumo Sustentável na Universidade de Manchester de 2011 a 2012.

Ficha técnica:
Título: A psicologia das mudanças climáticas
Autores: Geoffrey Beattie e Laura McGuire
Número de páginas: 128
Formato: 14 x 21 cm
Preço: R﹩ 35,00
ISBN: 9786555062267

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s