Natal sem desmatamento: consumidores cobram marcas de moda sobre relação com desmatamento

Recentemente, centenas de empresas de moda foram ligadas à destruição da Amazônia por meio das cadeias de abastecimento de couro. Mesmo signatárias de acordos ambientais e climáticos, muitas delas não têm políticas para desmatamento zero em suas redes produtivas

pasted image 0

O Projeto de Lei nº 2.159/2021, conhecido como #PLdaBoiada, que visa regularizar o desmatamento no Brasil a partir do libera geral, é a mais recente tentativa de Jair Bolsonaro de destruir a Amazônia, os povos que ali residem bem como qualquer chance de alcançar as metas dos acordos climáticos. 

Centenas de marcas de moda conectadas ao desmatamento da Amazônia assumiram compromissos no combate às mudanças climáticas na COP 26 ao se tornarem signatárias, ou reforçarem seu compromisso com o Fashion Industry Charter for Climate Action (UNFCCC). No entanto, a ZERO marcas disponibiliza compromissos mensuráveis com o desmatamento zero conforme revelou o Índice de Transparência da Moda Brasil (ITMB), lançado pelo Instituto Fashion Revolution em novembro. Dados do Observatório do Clima mostram que o desmatamento é o principal vetor de emissões de gases de efeito estufa no Brasil (70%). 

Recentemente, uma pesquisa realizada pela Stand Earth, organização especializada em análise de cadeias de custódia, revelou que todas as marcas que se abastecem direta ou indiretamente da JBS para couro estão ligadas ao desmatamento da floresta tropical amazônica. As marcas com múltiplas conexões com fornecedores-compradores da JBS são as que possuem mais risco de terem produtos associados ao desmatamento. 

“As conclusões da pesquisa mostram que marcas de moda multinacionais, do fast fashion ao luxo, estão financiando, por meio de sua cadeia produtiva, o desmatamento da Amazônia. Ao mesmo tempo, mais de 200 pesquisadores revelaram durante a COP como a floresta está próxima de atingir um ponto de não retorno. O setor da moda é responsável por isso, mas não está comprometido em limpar sua rede produtiva”, afirma Marina Colerato, do Instituto Modefica, organização que atua por justiça socioambiental e climática, e que vem articulando no Brasil a campanha internacional #SupplyChange, com objetivo de exigir rastreabilidade das redes produtivas e metas mensuráveis para desmatamento zero por parte das corporações de moda. 

Quase 200 marcas pertencentes a 74 empresas foram mapeadas. 22 dessas 74 empresas (30%) estão potencialmente violando suas próprias políticas contra a utilização de couro proveniente de desmatamento. Os outros dois terços não possuem qualquer política a esse respeito. Estamos falando de marcas como Nike, Asics, Puma, H&M, Louis Vuitton, Tiffany & Co, Vans, Prada e muitas outras. 

Nome aos Bois 

Criada pela organização The Slow Factory, a campanha #SupplyChange tem como objetivo exigir comprometimento das marcas de moda multinacionais com o desmatamento zero em suas redes produtivas. O momento é crucial pois acontece em meio a tentativa de aprovação do PL 2.159/2021, cujo principal objetivo é facilitar e legalizar o desmatamento da floresta pelo agronegócio.  

Nas redes sociais, a campanha internacional chamou atenção para o papel de Rodrigo Pacheco nessa decisão, o que levou o político a desativar suas redes sociais. A pressão por meio das redes se estendeu para o Brasil, com objetivo de cobrar comprometimento com desmatamento zero hoje das marcas de moda que estão relacionadas ao desmatamento da floresta e são signatárias do Fashion Industry Charter for Climate Action. No Brasil, a ação retoma a #NomeAosBois, importante por relacionar as corporações com o desmatamento da floresta. Além de pressionar as marcas, a campanha sinaliza para a importância da articulação setorial para a não aprovação do PL, dado os interesses de preservação de imagem de marca.

“A aprovação do PL inundará as redes produtivas de matérias-primas oriundas do desmatamento. Isso compromete o ativo mais importante que as corporações têm hoje, a percepção pública da marca. Quando a CEO de uma corporação de moda senta para almoçar com o presidente do país, sua influência política deixa de ser segredo. A indústria da moda tem influência e, portanto, pode se articular para evitar o que será um completo desastre para nós e para a floresta”, finaliza Marina. 

Fonte: Relatório Stand Earth

Fonte: Modefica

Mais imagens com comentários dos consumidores no link: https://www.dropbox.com/sh/vngewa1fw9slatq/AAAZ7jNt8vVtcAHja__JGJ5za?dl=0

Para ver os materiais da campanha, acesse: https://modefi.co/insta-couro-desmatamento.

Para ver os materiais da pesquisa, acesse: https://www.stand.earth/publication/forest-conservation/amazon-forest-protection/amazon-leather-supply-chain 

Para mais informações da campanha, entre em contato com: contato@modefica.com.br.

Para informações da pesquisa, entre em contato com: SRG@stand.earth.  

Contato para imprensa:redacao@modefica.com.br

Sobre o Modefica

O Modefica é uma mídia independente criada em 2016, fundada por Marina Colerato, com objetivo de fomentar o debate e o entendimento sobre sustentabilidade de forma ampla e radical, usando o jornalismo como ferramenta de transformação. Produz reportagens, matérias, opinativos e pesquisas sobre questões ambientais, climáticas e sociais, além de podcasts e conteúdo multimídia.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s