Briefing: Seca leva maior economia da Europa à beira da recessão

seca 1

Os níveis extremamente baixos da água no rio Reno, que quase paralisaram a principal rota de transporte de carga, podem reduzir o crescimento do PIB da Alemanha e ajudar a levar o país a uma recessão.

Os danos econômicos na Alemanha chegam em um momento em que a previsão de crescimento da China é reduzida devido a fatores que incluem fechamentos de fábricas por estresse térmico devido à onda de calor. Simultaneamente, as colheitas na Europa tiveram sua produção reduzida pela maior seca em 500 anos. Esse conjunto tem sido chamado de “inflação térmica“.

A única boa notícia é que o governo alemão está reforçando as medidas para reduzir as emissões.

Carga paralisada no Reno

Normalmente, cerca de 200.000 milhões de toneladas de carga por ano são transportadas em rios alemães, a maioria via Reno, a mais importante hidrovia interior da Europa. O rio atingiu níveis tão baixos neste verão que os barcos foram forçados a reduzir sua carga em até 70%, e a navegação parou em grande parte – um grande problema já que uma barcaça pode transportar a carga de 40 caminhões.

seca deste ano foi ainda pior do que em 2018, quando os baixos níveis no Reno contribuíram para uma redução de até 0,7% do PIB da Alemanha. Em 17 de agosto deste ano, os níveis de água no ponto de medição em Pegel atingiram um nível mínimo histórico; um cenário preocupante, já que os níveis mais baixos do ano são normalmente atingidos em setembro ou outubro. 

Relação entre mudança climática e a seca no rio

Um inverno ameno seguido de chuvas excepcionalmente baixas e intensas ondas de calor se combinaram para secar o rio. As ondas de calor recordes que atingiram a Europa neste verão, como todas as ondas de calor, foram provavelmente agravadas pelas mudanças climáticas, conforme os mais recentes relatórios climáticos previam.

“O aquecimento do clima (…) leva a uma seca crescente dos solos, que pode ser compensada cada vez menos por precipitações fortes ocasionais no verão. De um ponto de vista físico, é bastante claro que o risco de secas – especialmente nas áreas já muito secas – vai aumentar drasticamente. A prolongada seca de 2018 a 2020, bem como a nova seca em 2022, são provas disso”, diz Karsten Haustein, pesquisador da Universidade de Leipzig.

Os modelos de mudança climática prevêem verões cada vez mais quentes e secos na Europa. Especialistas advertem que sem cortes de emissões, os níveis de água no Reno cairão ainda mais e os períodos de pouca água durarão mais tempo, sendo que os baixos níveis de água serão a norma até o final do século.

Ameaça à indústria e ao fornecimento de energia

Em uma declaração, a Associação Federal da Indústria Alemã disse: “O persistente período seco e o baixo nível de água estão ameaçando a segurança do abastecimento para a indústria. As empresas estão se preparando para o pior. A política, as empresas e a sociedade devem se ajustar ao fato de que tais períodos secos não serão mais a exceção, mas a regra”.

Eles apontam que como o clima aquece é “apenas uma questão de tempo” até que as mudanças climáticas induzam baixos níveis de água no Reno causando “gargalos na entrega, cortes na produção ou paralisações e trabalho de curta duração” para a indústria alemã. 

O principal grupo de lobby da indústria do país explica que os baixos níveis atuais de água estão contribuindo para a crise energética – à medida que a Alemanha aumenta o uso de carvão para se desfazer do gás russo, os baixos níveis de água têm causado estrangulamentos no transporte de combustíveis fósseis. Cerca de 30% do carvão, petróleo bruto e gás natural da Alemanha são transportados por barcaças.

Com o fluxo do Reno caindo, o transporte de combustíveis fósseis se tornará cada vez mais difícil, com as usinas de carvão já reduzindo a produção devido a problemas de fornecimento. Isto se soma ao risco de superaquecimento nas usinas de carvão e nucleares que precisam de enormes volumes de água para resfriamento.

Secas, ondas de calor, economias desenvolvidas em todo o mundo

Os três principais institutos de pesquisa econômica da Alemanha estão indicando recessão ou diminuição do crescimento do PIB alemão em 2023. O IfW disse que a economia alemã diminuiria em 0,7% enquanto a IWH viu uma contração mais drástica de 1,4%. O instituto RWI baixou sua previsão para 2023, mas ainda previu um crescimento de 0,8%.

A perda do PIB vem em meio a uma crise energética que aumentou a inflação. Joachim Nagel, chefe do banco central alemão, disse que a prolongada baixa de água, além de um aumento da inflação, poderia levar o país à recessão. Ocke Hamann, diretor administrativo da Câmara de Indústria e Comércio do Baixo Reno, adverte que “Se assumirmos cautelosamente uma perda do PIB de 0,6%, então esse é exatamente o empurrão que nos levará para uma recessão”. O economista-chefe do Deutsche Bank, Stefan Schneider, estima que se os níveis de água continuarem a cair, a Alemanha poderá crescer menos de um por cento em 2022. Carlen Brzeski, analista do ING, disse que “seria necessário um milagre econômico para evitar uma recessão” na Alemanha.

Em 2021, os danos causados por condições climáticas extremas na Alemanha foram de 80 bilhões de euros – resta saber quantos danos as condições climáticas extremas causam este ano.

A Alemanha não está sozinha em perder o crescimento do PIB para as condições climáticas extremas este ano. A China foi forçada a fechar fábricas para economizar energia em meio à pior onda de calor já registrada, em qualquer parte do mundo, e isto está contribuindo para reduzir a previsão de crescimento do país, que foi de 3,3% para 2,8% e agora 2,7%, segundo a Nomura. O fechamento afetou as fábricas de semicondutores usados em produtos eletrônicos, peças de automóveis e componentes para painéis solares para empresas como ToyotaApple, e Intel.

Enquanto isso, ondas de calor e secas que quebram recordes estão afetando as colheitas e a energia em toda a Europa, levando a temores de aumento dos preços dos alimentos, chamados de “inflação de calor“. Além da crise energética causada pela guerra na Ucrânia, a seca pode contribuir para a recessão em todo o continente.

Com as ondas de calor e a seca também atingindo os EUA, as três maiores economias do mundo têm sofrido com o clima extremo ao mesmo tempo. Quase 75% dos agricultores dos EUA dizem que a seca atingiu seus rendimentos agrícolas – e sua renda.

Os economistas advertem que se as emissões continuarem a aumentar, os impactos econômicos da mudança climática se agravarão rapidamente e atingirão duramente até mesmo as grandes economias.

Alemanha prioriza os cortes de emissões “mais do que nunca”

Como as crises convergentes destacam a dependência da Europa do gás russo e sua vulnerabilidade aos impactos da mudança climática, a Alemanha está dando prioridade à redução das emissões e à redução da dependência de combustíveis fósseis agora mais do que nunca“, disse o chanceler Scholz.

No final de julho, o governo adotou um pacote climático de 177 bilhões de euros com um volume de financiamento anual similar (~35 bilhões de euros) ao da Lei de Redução da Inflação dos EUA (~40 bilhões de euros), embora o orçamento público alemão seja apenas um décimo do tamanho do orçamento dos EUA. As principais áreas de investimento incluem renovação de edifícios, transformação industrial e e-mobilidade.

A Alemanha obteve recentemente a aprovação de um esquema de 3 bilhões de euros para descarbonizar o aquecimento predial, o que reduzirá sua dependência das importações de gás. Em apenas 18 meses, o país pretende transformar seu mercado de aquecimento predial fóssil em um mercado predominantemente centrado em bombas de calor, e a partir de janeiro de 2024, todos os novos sistemas de aquecimento precisarão funcionar com 65% de energias renováveis.

O país também trabalha para atingir 80% de eletricidade renovável até 2030 – uma meta apresentada em resposta à guerra na Ucrânia. A nova legislação permitirá a duplicação da capacidade eólica terrestre da Alemanha para 115 gigawatts (GW) e uma triplicação da energia solar para 215 GW.

No entanto, o país não está no caminho certo para atingir suas metas climáticas para 2030, já que a transição energética não tem sido implementada com rapidez suficiente nas últimas décadas. O progresso tem sido particularmente lento no setor de transportes não há melhorias imediatas à vista.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s