Rafael Diniz e sua “visão mundial” de ataque aos direitos dos trabalhadores

Não bastasse ter exterminado as políticas sociais que protegiam os cidadãos mais pobres da cidade de Campos dos Goytacazes, criando um vácuo social e político que a cada dia empurra um dos municípios mais ricos do Brasil para o caos e o descontrole. Também não bastou colocar na Prefeitura Municipal de Campos dos Goytacazes todo um conjunto de menudos neoliberais para tentar dar uma ar de modernidade às suas políticas regressivas.

Não, o jovem prefeito Rafael Diniz (PPS) quer ir mais longe, muito mais longe, na sua política de ataque aos trabalhadores, especialmente os mais humildes e mais mal pagos. Essa é a única conclusão possível da intromissão que o Rafael Diniz está realizando num raro acordo entre patrões e empregados, no qual o direito dos últimos não é pisoteado.

Falo aqui da notícia de que Rafael Diniz está enviando um projeto de lei para especificamente (palavras do próprio) para regulamentar o funcionamento dos supermercardos aos domingos, segundo ele para que não se retroceda e Campos dos Goytacazes assuma a realidade vigente no mundo [1].

supermercados

A visão de que supermercados funcionando aos domingos é uma realidade mundial só pode vir daqueles que restringem sua vivência internacional a Orlando ou Miami ou, quando muito,  Fort Lauderdale. 

É que se o jovem prefeito Rafael Diniz tivesse consultado o seu (des) secretário de Educação, o sociólogo Brand Arenari, saberia que na Alemanha, país onde Arenari cursou seu doutorado, os supermercados são fechados aos domingos. Aliás, supermercados não abrem em boa parte da Europa Continental, incluindo para começo de conversa países como França, Portugal e Espanha. Aliás, dos países europeus que visitei, apenas me lembro de ver mercadinhos abertos na Inglaterra. No resto dos países, os supermercados fecham e sem o tipo de reclamação que setores de classe média campista ecoam contra o direito de descanso dos trabalhadores.

Pois é disso que se trata. O fechamento dos supermercados aos domingos representa uma oportunidade dos trabalhadores passaram o dia com sua família e não empurrando mercadorias que podem ser perfeitamente adquiridas em outros dias da semana. Tanto isto é verdade que na maioria dos estabelecimentos que abriam aos domingos antes do acordo entre patrões e empregados, tudo ficava abandonado às moscas, sendo esta uma das razões para o dito acordo!

O fato é que Rafael Diniz deveria estar se ocupando de coisas mais básicas como a limpeza das ruas, a manutenção de escolas e hospitais e, por que não, a reabertura do restaurante popular.  É que graças às suas políticas neoliberais extremadas, a cidade de Campos dos Goytacazes tem cada vez mais gente que não tem como ir ao supermercado seja qual for o dia da semana. Mas com estes, ele e seu grupo de menudos neoliberais não parecem se importar. 

Finalmente, essa intromissão do jovem prefeito Rafael Diniz é um belo exemplo de como as classes mais abastadas se relacionam com países europeus e com o Brasil. Lá fora, adoram a “civilização” que permite aos trabalhadores desfrutem mais da riqueza que ajudam a criar. Quando voltam para o Brasil, a “civilização” é rejeitada e reaparece o apego à senzala. Típico comportamento de oligarcas que não querem que sequer cheguemos ao Século XX.


[1] https://www.portalviu.com.br/cidades/campos-rj-supermercados-poderao-reabrir-aos-domingos/

2 pensamentos sobre “Rafael Diniz e sua “visão mundial” de ataque aos direitos dos trabalhadores

  1. Natalino Dias da Silva disse:

    Imbecilidades, vcs ficam agredido o cara que está fazendo diferente, se ele está errado fazer o que, foi eleito pra isso, o governo anterior gastou uma fortuna que ja mais o município terá outra vês e o que ficou de concreto?? Vejo pouquissimas coisas, temos municípios aqui no Brasil mesmo com um orçamento bem menor que o nosso com uma estrutura municipal muito melhor é mais organizada que a nossa. Antes de citarmos países ou cidades mundo a fora, vale lembrar que temos excelentes exemplos aqui no Brasil. Quero informar que não sou campista mas moro aqui e me sinto bem aqui, já morei no exterior, e sou do sul. Agora percebo que está briga de vcs é do tempos dos canaviais, que ao meu ver so gera atraso para Campos.

    • Fazendo diferente exatamente em que sentido? O que eu vejo é esse governo repetindo velhos erros e descartando até os acertos. Além disso, não há “briga” alguma, mas o exercício democrático da crítica.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s