ONU diz que gases de efeito estufa que aquecem o clima estão em níveis recordes

Dióxido de carbono, metano e óxido nitroso estão muito acima dos níveis pré-industriais

emissões

Uma estação de energia na Polônia perto das fronteiras com a Alemanha e a República Checa. Foto: Florian Gaertner / Photothek / Getty Images

Por Damian Carrington, editor de Meio Ambiente  do “The Guardian” [1] 

As emissões dos principais de gases do efeito estufa que impulsionam as mudanças climáticas atingiram níveis recordes, segundo os especialistas em meteorologia da ONU.

O dióxido de carbono, metano e óxido nitroso estão agora muito acima dos níveis pré-industriais, sem nenhum sinal de reversão da tendência de alta, segundo um relatório da Organização Mundial de Meteorologia.

“A última vez que a Terra experimentou uma concentração comparável de CO2 foi de 3 a 5 milhões de anos, quando a temperatura era de 2-3ºC mais quente e o nível do mar era de 10 a 20 metros mais alto do que agora”, disse o secretário geral da OMM, Petteri Taalas.

“A ciência é clara. Sem cortes rápidos no CO2 e outros gases do efeito estufa, as mudanças climáticas terão impactos cada vez mais destrutivos e irreversíveis sobre a vida na Terra. A janela de oportunidade para ação está quase fechada. ”

Os níveis de CO2 subiram para uma média global de 405,5 partes por milhão na atmosfera em 2017- duas vezes e meia maior do que antes da revolução industrial. Os níveis de metano, um potente gás de efeito estufa responsável por cerca de 17% do aquecimento global, são agora 3,5 vezes mais altos do que os tempos pré-industriais devido às emissões de gado, arrozais e vazamentos de poços de petróleo e gás.

O óxido nitroso, que também aquece o planeta e destrói a camada protetora de ozônio da Terra, está agora em mais que o dobro dos níveis pré-industriais. Cerca de 40% do N2O vem de atividades humanas, incluindo degradação do solo, uso de fertilizantes e indústria. 

A OMM também destacou a descoberta da produção ilícita de CFC-11, uma substância química proibida que também aquece o planeta e destrói o ozônio. Investigações indicam que pelo menos parte da produção está na China

Em outubro, os cientistas do mundo disseram que o aquecimento global de até 1.5 ºC teria consequências graves para a humanidade. Os acordos climáticos internacionais estabeleceram por duas décadas o limite 2 ºC. 

“Cada fração de um grau de aquecimento global é importante, assim como toda parte por milhão de gases do efeito estufa”, disse a vice-secretária geral da OMM, Elena Manaenkova. “O CO2 permanece na atmosfera por centenas de anos e nos oceanos por mais tempo. Atualmente não há varinha mágica para remover todo o excesso de CO2 da atmosfera. ” 

A professora Corinne Le Quéré, da Universidade de East Anglia, disse que não ficou surpresa com os novos níveis recordes de gases de efeito estufa. “Mas estou muito preocupado com o fato de que todos os três gases mais responsáveis pela mudança climática estão subindo sem parar. Parece que a urgência e a extensão das ações necessárias para lidar com a mudança climática ainda não foram assimiladas. 

“Tecnologias de baixo carbono como o transporte eólico, solar e elétrico precisam se tornar mainstream, com fósseis poluidores antiquados expelidos rapidamente”. 

Os esforços para reduzir as emissões estão aumentando e na quarta-feira o órgão de mudança climática da ONU publicou um relatório sobre os compromissos assumidos em 2018. Encontrou 9.000 cidades em 128 países, 240 estados e regiões em 40 países e mais de 6.000 empresas em 120 países. 

Patricia Espinosa, chefe da Convenção da ONU sobre Mudanças Climáticas, disse: “Por um lado, as emissões de gases do efeito estufa ainda não atingiram o pico e os países lutam para manter a atenção concentrada e o esforço necessário para uma resposta bem sucedida à mudança climática. Por outro lado, a ação climática está ocorrendo, está aumentando e há vontade de fazer mais. Destaco isso porque cair no desespero e na falta de esperança é um perigo igual à complacência, nenhuma das quais podemos pagar ”.


Artigo publicado originalmente em inglês pelo jornal “The Guardian” [1

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s